- - - - - - - -- - - - - - - -- - - - - - - - --Jornal do Commercio - Recife, 02 de julho de 1998

MEMÓRIA
Apresentador Bolinha morre em SP

O apresentador de TV Édson Curi, o Bolinha, morreu às 2h30 de ontem, aos 62 anos, vítima de câncer no aparelho digestivo. Bolinha estava internado há duas semanas no Hospital Nove de Julho, em São Paulo, para tratamento do câncer, que havia sido descoberto há três anos. Nos últimos seis meses, a doença do apresentador agravou-se. O corpo do apresentador será velado até às 6 horas de hoje no Hospital Cruz Azul, na Aclimação, zona sul de São Paulo. O apresentador será enterrado no cemitério Areia Branca, em Santos, cidade onde vivia atualmente.

Afastado da TV desde 1994, quando a TV Bandeirantes tirou do ar o programa Clube do Bolinha, que ocupava as tardes de sábado, Bolinha pensava em voltar à TV. Segundo o genro do apresentador, Henrique Bueno de Prado, Bolinha vinha recebendo algumas propostas para voltar a trabalhar. Com um estilo irreverente, marcado pelo visual de camisas de seda coloridas, Bolinha foi uma das figuras mais marcantes da TV brasileira. O Clube do Bolinha ficou no ar por trinta anos na TV Bandeirantes, alcançou oito pontos no ibope e era um dos líderes de audiência da emissora.

Em entrevistas, costumava dizer que não gostaria de mudar de emissora, porque gostava da liberdade de poder improvisar os textos do programa não queria ser mandado. "Se mudasse de canal, teria de correr atrás de audiência e isso cansa qualquer beleza", afirmou em entrevista ao Diário Popular, em 1991.

ESPORTES - Curi, que na verdade chamava-se Édson Cabariti (mas, segundo ele, o nome não soava bem no rádio), nasceu em Araçatuba, no interior de São Paulo, em 1936. Filho de imigrantes sírios, Bolinha começou a carreira como locutor esportivo, depois de fazer bicos como feirante, engraxate e balconista. Na TV Excelsior, Bolinha começou como o responsável pelos flashes esportivos do programa Últimas Notícias.

A estréia como apresentador de programa de auditório aconteceu quase por acaso: em janeiro de 1967, Bolinha foi convocado a substituir ninguém menos do que o apresentador Chacrinha, que havia se desentendido com os diretores da emissora. Bolinha não apenas levou o programa adiante, como aumentou o seu ibope.

Outra marca do programa animado por Bolinha eram as bailarinhas, chamadas carinhosamente de "boletes". Segundo o apresentador, o critério na seleção das candidatas era unicamente a beleza. "O telespectador quer mesmo é ver mulher boazuda na TV", resumiu. Vários artistas como Leandro e Leonardo e Arnaldo Arnaldo Antunes, mesmo depois de famosos, foram ao seu programa agradecer o apoio ao início de suas carreiras.


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes