- - - - - - - -- - - - - - - -- - - - -- - - ---Jornal do Commercio - Recife, 12 de maio de 1998

HOMICÍDIO
Estudante é assassinado com pauladas e tijoladas na cabeça

O estudante Fagner José Alves Barbosa, 15 anos, foi assassinado com pauladas e tijoladas na cabeça, na tarde do domingo (10), perto da casa onde morava, nos Coelhos. Policiais da 1ª delegacia de plantão (Boa Vista) apuraram que o adolescente foi arrastado por três homens, conhecidos como "Carlinhos", "Lilito" e "Riquinho", que, após o linchamento, jogaram o corpo do rapaz dentro do Rio Capibaribe. Ainda não se sabe o motivo do crime. Segundo a dona de casa Maria Elenice de Souza Barbosa, 34, mãe do menor, Fagner era um rapaz calmo e trabalhador. "Ele sustentava a família. E agora, o que será da gente?", indagou.

De acordo com Maria Elenice, o filho saiu de casa por volta das 16h, dizendo que iria conversar com a amiga, Vanessa, moradora do mesmo bairro. "Pedi para que não fosse e ficasse descansando, pois já costumava ir bastante na casa dessa senhora", contou, garantindo, entretanto, que Fagner era apenas amigo da mulher e freqüentava a residência dela para assistir a cultos evangélicos.

A mãe disse ter recebido a notícia de que o filho estava sendo morto, dez minutos após o menor ter saído de casa. "Ainda corri para ver, mas não deu tempo de salvá-lo. O corpo já havia sido jogado dentro da maré", lamentou, detalhando que a cabeça dele ficou completamente esmagada.

Segundo ela, Fagner era o segundo dos seus cinco filhos, com idades entre 16 e nove meses. "Esse menino era os meus pés e as minhas mãos. Nunca deixava de trazer dinheiro para casa", prosseguiu Maria Elenice, cujo marido está desempregado.

"HONESTO" - De acordo com a mãe, o estudante cursava a 3ª série na Escola Poeta Manoel Bandeira e também trabalhava, desde os 11 anos, como guardador de carros, na frente do Fórum Thomaz de Aquino. "Ele era muito querido pelos juízes, que lhe davam roupas, sapatos e até mandavam feira pra gente", contou.

Maria Elenice garantiu que o filho era honesto, religioso e "não via maldade nas pessoas". "Ele fazia amizade facilmente e achava que todo o mundo era bom".


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes