- - - -- - - -- - - - - - - -- - - - - - - - --Jornal do Commercio - Recife, 12 de maio de 1998

ELEIÇÃO NA INDÚSTRIA
Armando Neto preside a Fiepe pela 3ª vez

por ANA ARAGÃO

Com 25 votos, o empresário Armando Monteiro Neto conquistou o terceiro mandato na Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe). O resultado foi conhecido ontem, por volta das 18h20, após um dia inteiro de votação. O candidato da oposição, Edson Mororó, obteve nove votos. Houve apenas um voto em branco. Três sindicatos de base nacional não votaram, devido à ausência dos delegados representantes, tal como antecipou a reportagem do JC.

"Desde o início do processo eleitoral, recebi amplo apoio da base sindical. Este resultado foi o julgamento positivo de um trabalho realizado desde 1992", avaliou Monteiro Neto, logo após o anúncio do resultado. Monteiro explicou que neste novo mandato pretende voltar os esforços da Fiepe para a promoção econômica do Estado, rastreando e captando investimentos, além de "ampliar outros avanços".

Edson Mororó se disse decepcionado com o resultado, que classificou de contundente. "Devo me retirar da Federação, mas continuarei atuando pelo desenvolvimento de Pernambuco", prometeu. Numa demonstração de fair play, Mororó procurou Armando Monteiro para comprimentá-lo pelo resultado da eleição. Com um rápido aperto de mãos, Mororó desejou felicidades para o candidato vitorioso.

CRONOLOGIA - A votação começou pontualmente às oito horas, com a instalação da mesa coletora. O primeiro a votar foi o presidente do Sindicato da Indústria do Vestuário, Jarbas Albuquerque, fiscal da chapa 1 (encabeçada por Armando Monteiro Neto). Às 16 horas, o trabalho foi encerrado, contabilizando 35 votos válidos e seis impugnados devido a uma ação judicial movida pelos advogados de Edson Mororó. Ao meio-dia, 25 delegados já haviam votado, entre eles, Edson Mororó.

Apenas dois delegados substitutos votaram, por falta dos titulares: Anísio Coelho, de Material Plástico, e José Romualdo Neto, de Adubos e Corretivos Agrícolas. O último a votar foi Antônio de Pádua, presidente do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos, cujo voto foi colhido em separado devido a ação judicial. A apuração começou às 17h40. O primeiro voto aberto estava em branco. Quando a chapa 1 atingiu 17 votos, os partidários de Monteiro começaram a comemorar a vitória.

Cumprindo o que prevê o estatuto da Fiepe, o atual presidente, Oscar Rache, permanece no cargo até o dia 18 de junho, quando a nova diretoria toma posse. A partir daí, o 1º vice-presidente eleito, Jorge Corte Real, assume a Fiepe. Monteiro irá adiar sua posse até 4 de outubro. Neste período, o empresário estará em campanha para deputado federal. Esta candidatura foi o principal pilar da campanha da chapa de oposição.

Além das eleições de ontem e a de outubro, Monteiro passará pelo crivo de outro eleitorado. Ele é candidato a vice-presidente na chapa única que vai reconduzir o atual presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), senador Fernando Bezerra.


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes