- - - - -- - - - - - - -- - - - - - - --Jornal do Commercio - Recife, 17 de dezembro de 1998

SHOWS II
Olivia Byington traz tributo a Aracy

por MARCOS TOLEDO

Olivia. Nome bonito, como é a Byington. Olivia Byington. Cantora de uma voz próxima ao agudo e igualmente bela. Em trabalho recente, esta mesma Olivia foi buscar inspiração numa figura que a maioria dos brasileiros conheceu ranzinza e carrancuda. Porém, mulher de sucesso, que em tom grave, desempenhou interpretações marcantes do samba até pelo menos a primeira metade do século. O nome: Aracy de Almeida. É, aquela mesma; "a do Silvio Santos". Em homenagem à diva do samba, Olivia Byington elaborou o álbum A Dama do Encantado, cujo show homônimo encerra esta semana no Recife temporada de mais de um ano.

A imagem de Aracy de Almeida (1914-1988) que ficou mais presente na memória dos brasileiros, contemporâneos dos seus últimos anos de vida, certamente foi a da brava jurada de programas de calouros, como o de Chacrinha e Silvio Santos. Mas o grande sucesso da artista foi mesmo como cantora, na chamada Época de Ouro da música popular (anos 20 a 40), que tinha o rádio como principal meio de difusão. Aquele período foi marcado pelos sambas e demais composições de autores como Cartola, Nelson Cavaquinho, Custódio Mesquita, Ary Barroso... e Noel Rosa (1910-1927). O "poeta de Vila Isabel" teve na jovem Aracy a sua principal intérprete. Pelo fato de Noel ter morrido cedo - antes de completar 26 anos - e ter deixado um grande acervo musical, foi a sua musa também a principal perpetuadora da obra do compositor.

Através da parceria com o arranjador, intérprete e produtor musical Maurício Carrilho, Olivia Byington conheceu esta fração da MPB. E se aprofundou. Para Olivia, Aracy foi a maior representante daquela era. "Aracy era uma mulher forte, de vanguarda", opina. Comparando-a com outras cantoras da mesma época, como Marília Batista e Carmem Miranda, "ela tem muito mais molejo, ginga, bossa, malandragem e inteligência na hora de cantar", observa Olivia.

O show A Dama do Encantado - referência ao local de origem de Aracy -, Olivia lançou ainda em 1997. Foram diversas apresentações no eixo Rio de Janeiro-São Paulo, mais Curitiba, Brasília, Portugal e agora Teresina, Fortaleza, Belém, João Pessoa (ontem) e Recife, viabilizados através da Lei de Incentivo à Cultura federal. "Eu não queria deixar de fazer Recife. Comecei este show em outubro do ano passado e estou fechando a tampa aqui", revela. "Agora, tenho novos projetos".

Serviço:

O Que: show A Dama do Encantado, com Olivia Byington
Onde: bar London Pub (Rua do Bom Jesus, 207, Recife Antigo (Fone: 972.6683)
Quando: hoje, às 22h e sábado às 23h
Ingresso: R$ 15,00


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes