- -- - - -- - - -- - - -- - - -- - - -Jornal do Commercio - Recife, 17 de dezembro de 1998

GOLFO PÉRSICO III
Oposição a Clinton compara o ataque ao filme Mera Coincidência

WASHINGTON - Os opositores do presidente Bill Clinton questionaram ontem o momento do ataque militar dos EUA contra o Iraque, com alguns sugerindo o cenário para o filme Mera Coincidência, visando desviar a atenção da votação do impeachment. "Um acontecimento desse tipo às vésperas da votação de impeachment é altamente suspeito", disse o deputado Bob Barr, remetendo ao filme Mera Coincidência, cujo título original é Wag The Dog.

O filme estreou nos cinemas dos EUA há exatamente um ano, um mês antes de estourar o escândalo Monica Lewinsky. O trama é sobre um presidente surpreendido assediando uma adolescente que visitava a Casa Branca.

Para abafar o escândalo, seu assessor para assuntos de segurança, interpretado por Robert de Niro, trama uma crise internacional que acaba na declaração de guerra à Albânia - país mais pobre e atrasado da Europa, que até dez anos atrás vivia em reclusão sob regime comunista.

"Os piadistas vão sempre falar, não importa o que nós façamos. É o que vêm fazendo há um mês", defendeu-se o porta-voz do Departamento de Estado, James Rubin. "Esta é uma situação provocada pela recusa do Iraque a cumprir os compromissos acertados há três semanas (sobre colaboração com as inspeções de desarmamento da ONU)".

Ao longo do ano, três coincidências realçaram as semelhanças entre o filme e o drama político desatado pelo caso Monica. Primeiro foi a descoberta, em janeiro, das fitas em que a estagiária relatava seu caso com o presidente. No mês seguinte, quando a situação de Clinton se complicava a cada nova revelação, os EUA ficaram a poucos passos de atacar o Iraque, que expulsara os inspetores de armas. A crise foi contornada com uma visita do secretário-geral da ONU a Bagdá.

A coincidência seguinte foi em agosto, quando o caso Monica chegou a um novo clímax com o depoimento do presidente ao promotor Kenneth Starr - precedido por sua admissão, em discurso pela tevê, de que mentira até então, negando seu caso com a estagiária. Dias depois, Clinton ordenou ataques aéreos no Sudão e no Afeganistão contra bases do xeque terrorista Osama bin Laden, acusado de ser o mentor dos atentados a bomba contra duas embaixadas dos EUA na África.

A última ameaça de bombardeio ao Iraque, abortada quando os aviões estavam prontos para atacar, há cerca de um mês, coincidiu com a entrada dos trabalhos da Comissão de Justiça da Câmara sobre o impeachment na fase final.

Ontem, o próprio Robert de Niro, cujo personagem no filme inventa a crise com a Albânia para salvar um presidente, estava em campanha para convencer os deputados a não votar pelo impeachment. De Niro, cabo eleitoral de Clinton desde sua primeira eleição, em 1992, não resistiu ao trocadilho: "Mera coincidência", disse.


 
 

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes