- - - -- - - -- - - -- - - -- - - -- - - -Jornal do Commercio - Recife, 17 de dezembro de 1998


LANCE LIVRE
Fernando Menezes

Uma ótima idéia

A notícia vem de Salvador e é ótima, mas a iniciativa do Sport é melhor ainda, porque é moderna e criativa. O governo baiano vai promover a mesma coisa que se fez aqui, a tal campanha Todos com a Nota, salvação de nosso futebol ano passado. E assim, a Federação Baiana pretende ressuscitar o Ypiranga, um clube de tradição na Bahia. Vai repartir com o Ypiranga parte das verbas e conseguir mais alguns trocados. E o Sport com isso? Agora é que vem a boa idéia. O clube da Ilha vai receber de volta muitos jogadores que estavam emprestados, alguns jovens ainda, e outros que já deviam ter acontecido. Seja como for, pretende o nosso rubro-negro montar a equipe do Ypiranga com seus jogadores e mais alguns lá da Bahia. Todo mundo sai ganhando, o Campeonato Baiano porque recebe uma nova atração e ainda ressuscita um dos seus clubes e o Sport porque não dispersa valores (alguns ainda não foram devidamente testados e nem seriam aqui no nosso campeonato, o que resultaria em novos empréstimos). Jogando na Bahia, os que se destacarem serão valores para novas jornadas, já testados e aprovados num campeonato duro e de repercussão nacional.

Dos demais clubes sabemos que o Santa Cruz busca armar uma equipe que possa fazer frente ao Sport. Não será fácil, mas disposição não falta. O que não pode acontecer é a torcida ficar desinformada. É preciso informar o torcedor coral e pedir ajuda, não falo de comparecer ao estádio, falo de sacrifício mesmo, de comprar uns dois jogadores, com a moeda do "poder da pobreza". Nos Aflitos não se vê movimentação real, só se fala em punição e ameaças. Se um cara está cavando poços não é para se distrair, a menos que seja doido. Ele só sabe jogar futebol, mas não há jogos e nem salário, vai viver de quê? Cavar poços foi o que apareceu, e foi isso que o Marcelinho estava fazendo. O que tem de errado nisso? A foto mostra o jogador com a camisa do Náutico. E daí, quantos catadores de lixo usam camisa do Sport e do Santa Cruz, sem que isso seja desonra para seus clubes. Agora, se o cara não recebia o salário e aparece com a camisa do Náutico e isso é interpretado como uma provocação, quem começou a provocação, o clube que não pagou os salários ou o jogador que vestiu uma das (poucas) camisas que lhe restam em casa?

E-mail: fmenezes@jc.com.br

 
 

 

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes