-- - - - - - - -- - - - - - - - - - - -Jornal do Commercio - Recife, 17 de dezembro de 1998

HOMICÍDIO
Mulher é morta com tiro no pescoço em Gravatá

O pedreiro Severino Rodrigues da Silva, 40, está sendo acusado de ter assassinado sua mulher, Márcia Maria Barros da Silva, 38, com um tiro no pescoço. O crime ocorreu na manhã de ontem na residência do casal, localizada no loteamento Nova Suíça, em Gravatá. O corpo da vítima foi encontrado em cima da cama, às 6h30, por uma das quatro filhas, de nome não-revelado. A polícia suspeita de que Márcia tenha sido morta enquanto dormia, apesar de as filhas, que estavam no quarto ao lado, não terem escutado barulho durante a noite nem na madrugada. O pedreiro, que também é funcionário da Prefeitura de Chã Grande, fugiu levando roupas e todas as suas fotografias na tentativa de não ser reconhecido. "Por sorte consegui uma foto dele na casa da família, em Chã Grande", disse o chefe de investigações da Delegacia de Gravatá, Fernando Luiz da Silva.

O policial disse também que o casal brigava muito e já havia se separado várias vezes, "mas sempre voltavam a viver juntos porque o pedreiro ameaçava a vítima de morte", conta. "Durante os 17 anos em que estiveram casados eles se separaram cinco vezes", assegurou o policial. Segundo testemunhas, na noite anterior ao crime, Severino Rodrigues chegou normalmente em casa não levantando nenhuma suspeita de suas intenções criminosas. Logo após o jantar foi dormir tranqüilamente com a vítima no quarto do casal. "Na manhã seguinte quando a filha foi até o quarto acordar a mãe, encontrou muito sangue na cama e, desesperada, começou a gritar atraindo a atenção dos vizinhos, que comunicaram o fato à polícia", conta Fernando Silva. Segundo ele, não foram tomados depoimentos das filhas da vítima porque todas estavam em estado de choque.

Segundo Fernando Silva, as primeiras investigações apontam que o suposto assassino antes de fugir passou pela prefeitura em busca de dinheiro como não conseguiu encontrar o secretário de Obras foi procurar a família que, provavelmente o teria ajudado na fuga. O delegado Carlos Coelho suspeita de que o pedreiro tenha fugido para o município de Santa Cruz do Capibaribe, no Agreste, já que algumas testemunhas informaram que, dias antes, ele teria comentado com a esposa que havia conseguido um serviço naquela cidade. "Temos informações de que na semana passada a vítima estava no cabeleireiro e disse que o marido iria embora deixando-a em paz", revela.


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes