-- - - - - - - - - - - -- - - - - - - -Jornal do Commercio - Recife, 17 de dezembro de 1998

SOSSEGO CHIQUE II
O feijão poderoso de Dona Grinda é atração na ilha

O comandá, feijão muito duro, inadequado para o consumo, cresce abudantemente na Ilha de Comandatuba. Tuba, em tupi-guarani, significa justamente isso: grande quantidade. Na ilha, o feijão tem outra importante faceta, desta vez gastronômica e turística. Preparado pelas talentosas mãos de Dona Gringa, a moradora mais antiga da ilha, a leguminosa ganhou um sabor delicioso, que logo virou atração local. Um dos segredos do sucesso do prato pode estar na "panela" usada durante o cozimento, na verdade uma bóia de ferro usada para segurar redes de pesca, que foi encontrada no mar.

Floripes Marinho Pinto, 74 anos, ganhou o apelido de Gringa por causa do pai, um alemão que se encantou pela Bahia e decidiu nela morar, mais especificamente em Belmonte, cidade próxima ao povoado de Comandatuba. "Eu era a única da cidade de pele branca, loirinha, de olho azul", conta.

O grande responsável pela fama do feijão é o seu tempero. A cozinheira planta a maioria dos ingredientes em casa. O caldo leva hortelã de folha fina e grossa, louro, coentrinho, tomate, pimentão, salsa, pimenta-do-reino, alho e "folha de quioiô", uma erva famosa na região. Depois de cozinhar durante três horas no fogo de lenha, o feijão é colocado em pequenas cuias, na verdade quengas de coco lixadas por Bada, genro de dona Gringa, e depois servido aos turistas, que se acomodam dentro da casa da cozinheira.

Junto ao feijão, pimenta e farinha, e se assim preferir, o turista pode (e deve) experimentar as cachaças feitas por Carlos Alberto, o Bada. Elas, de acordo com o próprio criador, curam vários males do corpo e da alma, dependendo apenas dos ingredientes usados.

A mais conhecida é a Coquinho Diet, que é curtida dentro de um coco, tornando seu sabor mais leve. O roteiro etílico pelas cachaças precisa vir acompanhado pelo feijão de dona Gringa, ou corre-se o risco de uma ressaca tão forte quanto o sol que escalda a ilha.

LAMA - Perto da casa de Dona Gringa fica a freqüentada Lagoa da Lama Negra, onde, segundo a lenda, a lama possui propriedades tarapêuticas. O local foi visitado até pelo ator Harrison Ford, que se lambuzou de lama até os cabelos e imitou um índio para a delícia dos paparazzi de plantão. Para um "tratamento completo", o ideal é que após a aplicação da lama espere-se no mínimo dez minutos para que ela seque. Depois dessa pausa, deve-se cruzar o areial e ir até a praia, onde a lama é finalmente retirada. Não raro, as mulheres enchem potinhos com a lama e a levam para casa, onde podem fazer o peeling natureba.


     

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes