- - - -- - - -- - - -- - - -- - - -- - - -Jornal do Commercio - Recife, 16 de dezembro de 1998


UP GRADE
Gilvandro Filho

Mercado de informática cresceu 7% em 98

O segmento de informática salvou um pouco a pele da indústria eletroeletrônica brasileira, em 1998. De acordo com dados da ABINEE, a entidade patronal que representa o setor, a informática registrou um faturamento 7% maior do que em 97. No vermelho fecharam a indústria eletroeletrônica como um todo (queda de 8%) e segmentos como o das telecomunicações, que faturou 7% (US$ 32,5 bilhões) a menos que no ano passado. O segmento de informática faturou US$ 8,7 bilhões, boa parte desse volume graças ao crescimento do mercado corporativo, em especial a automação bancária, o comércio e o governo. Para 1999, as previsões são de um crescimento um pouco menor, algo em torno de 3%. Aparentemente pequeno, mas incomparavelmente melhor do que as previsões feitas para todo o setor eletroeletrônico, que são de uma queda de faturamento de 10%.

A participação da informática no bolo dos eletroeletrônicos subiu de 23% para 27%. Com isso, este passa a ser o maior de todos os segmentos. A ABINEE, no entanto, não faz planos muito otimistas em relação à capacidade de geração de emprego, prevendo uma retração da mão-de-obra de 2% no próximo ano. O segmento de telecomunicação será o que mais vai empregar, com uma taxa de 5%. Os números da ABINEE foram divulgados esta semana pelo IDG Now!

E-mail

gil@jc.com.br

 
 

 

Índice | Editorial | Política | Brasil | Internacional | Cidades | Ciência/Meio Ambiente | Esportes | Economia |
Caderno C | Informática | Turismo | Charge | Colunas | Regional | Veículos | Família | Especiais

Últimas Notícias | JC Debate | Roteiro | Weekend | Bate-papo | Tábua de Marés
Fale com o JC | Links | Classificados | Rádio Jornal| Edições Anteriores | Assinantes