LG_jc.gif (3670 bytes)

ARTE DIGITAL
Mão no mouse, arte na tela

por SCHEILA AZEVEDO

sazevedo@jc.com.br

Atividade que supõe a criação de sensações ou de estados de espírito de caráter estético carregados de vivência pessoal e profunda, podendo suscitar em outrem o desejo de prolongamento ou renovação. Essa é a definição de Arte segundo o dicionário Aurélio. O conceito ganha novas dimensões com a expressão artística desenvolvida pelos designers na era da Informática.

A chamada arte digital se caracteriza pela criação de imagens através do computador. A inovação é que, além de estáticas, as criações podem ser animadas, graças a softwares avançados como Photoshop e 3D Studio, dois ícones dessa área. As ferramentas, porém, não substituem o talento, como todos os ‘e-artistas’ se apressam em dizer.

Um exemplo da ligação entre trabalho no computador e experiências artísticas é o webdesign Berg Brandt. Com formação em Engenharia Civil, ele conheceu os caminhos da arte digital como um hobby e resolveu investir em seu talento. “Sempre tive o dom artístico. Fazer arte já era minha grande paixão. Quando entrei no universo da Informática também me identifiquei, então decidi unir as duas coisas.”

Brandt se dedica ao hobby nas horas vagas, quando libera a imaginação. Usa e abusa do infinito acervo que o computador proporciona. “Começo fazendo um esboço a lápis no papel mesmo, escaneio, e então desenvolvo o trabalho. Após fazer o tratamento de uma imagem no Photoshop, por exemplo, ‘jogo’ no CorelDraw ou 3D Studio, adiciono fotos e faço a arte final.” Há mais de um ano desenvolvendo arte virtual, ele até expôs seus trabalhos em um evento de Informática.

Seguindo o caminho inverso, H.D. Mabuse entrou no mundo digital graças ao trabalho. Com formação acadêmica em programação visual, a criatividade foi aflorando e o ingresso na arte digital acabou sendo inevitável. “É uma questão de aptidão, com o tempo cada artista desenvolve a sua técnica. As possibilidades são infinitas. É possível usar animações e fazer o receptor interagir, já que as imagens podem mudar a cada clique. É uma expressão artística como outra qualquer, mas com outras possibilidades.”

Mabuse tem trabalhos de ‘e-arte’ publicados no site Autom.ato (www.autom.ato.br), que abriga criações de diversos autores. Basicamente, ele trabalha com HTML, usa a ferramenta DreamWeaver e os programas Photoshop e Fireworks. Ele confessa que, apesar do fascínio que o inesgotável mundo virtual causa, está começando a se interessar por outras paragens. “Conheci primeiro o design, depois arte virtual e agora estou trabalhando meu talento em aquarela,” conta.

___________________________________


Jornal do Commercio
Recife - 21.11.2001
Quarta-feira