LG_jc.gif (3670 bytes)

DESENVOLVIMENTO
Versão Linux da Pentax é feita aqui!

“O mundo não tem mais fronteiras”. Só mesmo valendo-se de um dos maiores clichês da atualidade que o consultor pernambucano Rildo Pragana consegue resumir o que viveu nos últimas semanas. Ele foi contactado pela Pentax Technologie Corporation, subsidiária americana da empresa japonesa Pentax, para desenvolver um driver Linux para um dos modelos de impressoras comercializados pela companhia nos Estados Unidos: o Pocket Jet2.

Por que tanto arrodeio? Rildo é categórico na explicação: “Eles querem aproveitar o crescimento do Linux no mercado internacional, mas não têm pessoal especializado para fazer a migração dos seus produtos para a plataforma”. Mas a ‘volta ao mundo’ começou antes. No ciberespaço. “A empresa entrou em contato comigo, por e-mail, depois de ter lido uma série de artigos que disponibilizei em diversos sites dedicados ao software livre nos quais descrevia a via crucis que percorri, há cerca de um ano, para deixar uma impressora a laser Samsung modelo ML 85G compatível com o sistema de código aberto”, conta.

Outra encomenda? Não, foi implicância mesmo. “Comprei a impressora numa promoção e, apesar de saber que se tratava de um equipamento compatível apenas com Windows, queria fazer a migração para Linux. Entrei em contato com os engenheiros da empresa, pedindo informações sobre o funcionamento da máquina e eles se recusaram a fornecer detalhes técnicos, alegando ter um contrato com a Microsoft”, lembra Rildo. Em vez de fazê-lo desistir, a recusa acabou por servir de estímulo para a empreitada.

“Passei duas semanas dedicando-me somente a isso, até em sonhos”, conta. A maior parte desse tempo foi gasta com as pesquisas sobre o modus operandi da máquina. “Escrever o código do driver foi a parte mais fácil”, afirma. E rápida. Pouco mais de um mês depois de comprar a impressora, Rildo estava disponibilizando no seu site e no Ibiblio, a maior das páginas dedicadas ao software livre, uma série de seis artigos nos quais narrava o processo de migração com detalhes (inclusive nome dos softwares usados) e até uma cópia do driver. Gratuita, claro. A repercussão foi imediata – e enorme. “Recebia e ainda recebo dezenas de e-mails de internautas comentando a solução”, afirma.

Foi justamente a partir desse material disponibilizado na Web que a Pentax chegou até ele. Mas dessa vez a história foi bem diferente. “A empresa me procurou pedindo ajuda e propus um acordo: desenvolveria o driver, se eles me presenteassem com um exemplar da Pocket Jet2.” A Pentax topou na hora. Começaram, então, as trocas de informações sobre a impressora. “Quando sentei para escrever o código do driver, levei apenas duas horas”, conta Rildo, que diz estar agora na segunda – e última – etapa de criação do programa: a maquiagem. “Estou criando botões e interface gráfica, para facilitar a vida dos usuários na hora de instalar o driver.” Segundo Rildo Pragana, o software será disponibilizado pela Pentax no CD de instalação que é comercializado com a impressora. “Além disso, pretendo liberar cópias na Web”, afirma Rildo, que quer especializar-se no desenvolvimento de drivers para Linux. “Só assim, poderei, no futuro, pedir às empresas que me procurarem mais que uma impressora em troca de meus serviços”, brinca.(B.C.)

Serviço

www.pragana.net

www.ibiblio.org

___________________________________


Jornal do Commercio
Recife - 21.11.2001
Quarta-feira