LG_jc.gif (3670 bytes)



Pinga-Fogo
Inaldo Sampaio

A crise continua

A aprovação, ontem, pela Assembléia Legislativa, em primeira discussão, do projeto de lei do Poder Executivo que mandará para casa, precocemente, sete coronéis da Polícia Militar, em nada contribuirá para resolver a crise que está fragilizando a instituição. Ela poderá até agravar-se mais porque os princípios da hierarquia e da discpilina estão cada dia mais comprometidos devido às acusações que pesam sobre os ombros do comandante-geral Iran Pereira.

Com a autoridade de quem, há apenas três meses, entregou um documento a Jarbas contendo uma série de sugestões para tentar melhorar o desempenho operacional do aparelho policial-militar do Estado de Pernambuco, o deputado João Braga arquivou ontem a sua costumeira discrição e foi à tribuna atacar o projeto.

Disse ele, na Assembléia Legislativa, sob o silêncio envergonhado da maioria governista: “É lamentável que, depois de três de anos, o governo mande para cá um projetinho dessa qualidade. Ele vai contribuir em quê para reduzir os índices de criminalidade no Estado de Pernambuco? O comandante continuará sem comandar e os seus subordinados sem obedecê-lo, cabendo à sociedade - todos os fins de semana prolongados - o triste papel de contar cadáveres”.

No prazo legal

A prefeita Luciana Santos está em New York mas mandou dizer por sua assessoria que todos os pedidos de informação da Câmara de Olinda serão respondidos. Estão no aguardo de uma resposta dela um do vereador Valério Leite (PMN) pedindo a presença numa audiência pública dos 230 delegados do “orçamento participativo”, e outro do vereador Anísio Coelho (PMDB) pedindo o endereço de todos eles. O prazo para responder terminará em 07/12.

Poder econômico 1

Pedro Eurico (PSDB) rebateu críticas ao governo de Jarbas feitas na Assembléia Legislativa pelo líder Carlos Lapa (PSB) mas em pelo menos um ponto concordou com ele: a que se refere a Ricardo Teobaldo, que venceu uma licitação para fornecer merenda nas escolas públicas e está em campanha para deputado estadual.

Poder econômico 2

“Este cidadão virou milionário de repente e o secretário Raul Henry (educação) deveria fazer uma investigação mais profunda para apurar os fatos”, disse o deputado Pedro Eurico (PSDB), responsabilizando o empresário, que é filiado ao PMDB e sócio de um genro de Dorany Sampaio, por suposto abuso do “poder econômico”.

Mariano faz “check-up” de olho em 2002

Antonio Mariano (PFL) tirou uma licença de cinco dias para fazer um “check-up” em São Paulo no Hospital do Coração. Hipertenso e diabético, ele está cuidando da saúde para tentar a conquista do quinto mandato.

Senador não foi assaltado; perdeu na rua R$ 150,00

Diferentemente do que se publicou ontem na coluna, Carlos Wilson (PTB) não foi assaltado na “Festa da Laranja” (e não do “abacaxi”) de Sairé. “Perdi, por descuido, R$ 150,00 - mas a carteira está comigo”, disse ele.

Assume, Aécio!

Setenta deputados federais do PSDB, entre os quais Carlos Batata (PE), recepcionaram ontem Aécio Neves (MG), no Aeroporto de Brasília, como “candidato a candidato” a presidente da República. Segundo Batata, a bancada tucana só aceitará um candidato a presidente “que tiver empatia com a sociedade”.

Micaretama 2001

Influenciados pelo “Recifolia”, cerca de duas dezenas de municípios do interior aderiram de vez aos “carnavais fora de época”. Até a pequenina Toritama entrou na dança. Inicia nesta 6ª o seu “micaretama” tendo como uma das atrações o cantor Netinho. Um dos responsáveis por isto é a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Do deputado Hélio Urquisa (PMDB) negando disputa com Romário Dias (PFL) pelo apoio do prefeito Daniel Brasileiro (Bom Conselho), do PPS: “Ele (o prefeito) tem bastante maturidade política para saber com quem deve ficar”. Hélio é filho natural de lá, mas o “vice-rei” da região é o presidente da Assembléia: 14 prefeitos.

Sérgio Guerra (Projetos Especiais) mandou dizer pelo líder Antonio Moraes (PSDB) que viajou para Portugal, com Jarbas, na última 4ª feira, exclusivamente para descansar, e que durante os cinco dias que ficaram em Lisboa não se conversou sobre política, nem local e nem nacional. Pois sim.

Geraldo Coelho (PFL) se explicou ontem por aparentemente não ter feito a defesa do secretário Ciro Coelho (Recursos Hídricos) ante as críticas dirigidas a ele pelo líder do PPS Ranílson Ramos: “Ele (Ranílson) discursou no pequeno expediente, que não permite aparte. Mas fui à tribuna logo depois (grande expediente) e rebati todas as críticas”.

É antiga a rixa na PM entre o comandante Iran Pereira e o seu antecessor Roberto Carvalho. Acusado pelo comandante de insubordinação, o coronel Carvalho recebeu ontem o que se pode chamar de “presente de grego”: a notícia de sua transferência do Recife para sua terra natal, Serra Talhada.

___________________________________


Jornal do Commercio
Recife - 21.11.2001
Quarta-feira