cd cicero



CD - POESIA FALADA


  1. Minos
  2. Voz
  3. Templo
  4. Dita
  5. Colono Lacônico
  6. Desafogo
  7. Narciso
  8. Eco
  9. O País das Maravilhas
10. O Parque
11. Transparências
12. O Emigrante
13. Confusão
14. Falar e Dizer
15. Oráculo
16. Segundo a Tradição
17. Solo da Paixão
18. Onze e Meia
19. Cara
20. Stromboli
21. Felicidade

22. Onda
23. Simbiose
24. Rapaz
25. Canção da Alma Caiada
26. Água Perrier
27. De Trás Pra Frente
28. Hotel Meio Dia
29. Quase
30. Maresia
31. Logrador
32. Elo
33. Ignorant Sky
34. Noite
35. O Enigma de Hempel
36. Eu Vi O Rei Passar
37. Trevo do Marinheiro
38. Teofania
39. Cicero
40. Dilema
41. Guardar
42. Minos



LEIA A CRÍTICA

Antonio Cicero por Antonio Cicero é o volume 2 da "Coleção Poesia Falada", uma ótima iniciativa do selo carioca Luz da Cidade.

O lançamento traz a oralização de praticamente todos os poemas do livro "Guardar" (Record, 1996), que rendeu neste ano o Prêmio Nestlé ao autor.

Como uma de suas principais virtudes, o CD apresenta o que alguns podem talvez subestimar mas que importa muito, quando se trata de um disco de poemas. Ou seja: o fato de sua audição prescindir da leitura simultânea do livro, para a plena fruição da poesia que contém.

Não sendo o escopo deste texto a abordagem de tal poesia, mas a de sua interpretação, não posso deixar de dizer aqui o quanto de sua graça é realçado pela adequada leitura que dela faz o poeta.

Expressiva, sem ser excessiva; contida, mas não tímida; e tão clara quanto esclarecedora. Naturalmente, é sempre valiosa qualquer oralização autoral, mesmo quando o poeta não é um especialista nisso (caso da imensa maioria dos poetas brasileiros). Certas inflexões revelam por vezes traços interessantes do autor, colaborando para o entendimento de sua obra.

A leitura de Antonio Cicero, porém, ultrapassa o desempenho desse tipo de função, marcando-se pela performance em si. Ouvindo-o, podemos sentir alguém com uma real vivência na prática - menos comum do que se pode pensar, entre nossos poetas - da leitura de poemas em voz alta.

Ou, talvez seja melhor dizer, em voz baixa, como Cicero busca fazer. E como convém à interpretação de poesia lírica, que ele cultiva com alma e com técnica, verdade e beleza. Interpretação não-enfática, oposta à feita pelos atores que tendem a tratar o material poético como dramático.

O fato de ter vivido anos nos Estados Unidos deve exercer alguma influência nisso tudo. Foi lá que ele despertou para a linguagem poética, ao descobrir a poesia de língua inglesa - poesia de longa tradição de leitura, e privilegiada, no aspecto musical, pela plasticidade da língua.

Hoje, os poemas que cria tentam chamar atenção para a sonoridade das palavras - particularmente para a peculiar sonoridade da língua portuguesa. No nível interpretativo, tal objetivo obtém êxito simplesmente porque Cicero executa bem a música da sua própria poesia.

Pela elegância e pelo poder de sedução dos versos; pelas finas ambiguidades, sempre pertinentes e enriquecedoras, de várias imagens e expressões; por tais e mais razões, essa poesia já provou merecer ser lida. Agora, pede que seja ouvida.

Leitura e audição, no caso, se complementam para expor aspectos do trabalho do artista. Como a sua contínua carpintaria poética, observável em termos substituídos e até no acréscimo de toda uma estrofe de "Teofania", aliás, um dos momentos memoráveis do CD.

É quando, para citar outro ("Templo"), a Memória, mãe das musas, "nos oferece o esquecimento quando canta o imorredouro."
(por Carlos Rennó, FSP 03/10/97)



OUÇA AS POESIAS

A seguir, ouça poesias selecionadas na voz de Antonio Cicero, gravadas em formato .MP3


 O País Das Maravilhas

 Transparências

 De Trás Pra Frente

 Canção da Alma Caiada


FICHA TÉCNICA


Gravação de Voz: ESTÚDIO HONEY - PIE RJ

Técnicos de Gravação: JULIO BOSCHER e CARLOS TORÉ

FAIXA "MINOS": Composição, Arranjo e Execução de NICO REZENDE

Produzido por NICO RESENDE e BERNARDO MURICI para MAGIC MUSIC, Rio de Janeiro

Masterização: DRUM STUDIO RJ

Projeto Gráfico: LUCIANO FIGUEIREDO

Capa: Detalhe da obra "Retrato de Antonio Cicero" de Luciano Figueiredo (1983) - foto: Vicente Mello

Finalização: ECLIPS DESIGN

Idealizado e produzido por PAULINHO LIMA

LUZ DA CIDADE PRODUÇÕES