O Guia de Empregos tem um novo site (http://www.guiadeempregos.org.br).
Esta página é antiga e não recebe mais atualização. Acesse o novo Guia de Empregos e encontre vagas e notícias atualizadas diariamente.

   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Conhece-te a ti mesmo

Fala-se de pessoas que têm tino para o comércio, ou apresentam habilidade para desenho, ou têm talento para a engenharia. São pessoas que nasceram com características que as predispõem para determinadas atuações, ou que desenvolveram características para aplicação profissional.

Algumas dessas características influenciam mais na carreira, e levam ao sucesso. Embora as características de personalidade não possam ser modificadas, o comportamento pode ser aprendido ou aperfeiçoado, e é para isso que existe a educação. Os componentes das atitudes são as crenças e os valores aprendidos socialmente ao longo das experiências pessoais.

A mensagem para você, leitor, é esta: verifique os aspectos comportamentais que você possui mais desejáveis para uma carreira de sucesso e procure investir neles, para compensar aspectos pessoais que possam afetar negativamente a sua evolução profissional.

Com a ajuda dos especialistas Dr. J. Jorge M. Zacharias e o Dr. A. H. Fuerstenhtal, para a formulação das questões, fizemos uma consulta por meio de enquete especial entre 1.485 leitores do jornal virtual Carreira & Sucesso, com o objetivo de estabelecer quais características de personalidade e de comportamento, na opinião dos executivos, são consideradas qualidades e quais são consideradas defeitos.

A questão básica colocadas para os respondentes da enquete foi a seguinte: como as características citadas têm efeito no desenvolvimento da carreira gerencial de um de seus subordinados?

Para cada característica, deveria ser considerado o que está muito em evidência no subordinado. Para avaliar a influência das características no desenvolvimento da carreira era preciso determinar, primeiramente, se o fator apresentava um impacto positivo ou negativo. Em seguida, para determinar o grau do impacto, deveria ser atribuído um valor. Trabalhamos com 72 características, com valoração distribuída em pontos positivos (1 a 5 pontos) e em pontos negativos (-1 a -5 pontos).

As cinco características mais positivas

De modo geral foram apontados como os traços mais positivamente determinantes na carreira do executivo as seguintes características:

Espírito de Equipe (4,40)
Dinamismo (4,32)
Iniciativa (4,24)
Comunicabilidade (4,07)
Eficácia (4,05).

Essas cinco características definem um certo perfil que engloba qualidades tais como extroversão, atividade constante e dirigida, predisposição para a ação objetivada, pragmatismo e realização de idéias/tarefas, além de simpatia e fluência de relacionamento interpessoal.

Em seguida, embora com pontuação inferior, foram indicados traços como Inteligência (3,93); Flexibilidade (3,91); Confiabilidade (3,90) e Pró-atividade (3,90). São traços que apontam um perfil de executivo que utiliza processos mentais de resolução de problemas, adaptabilidade e criatividade sem rigidez, absorvendo do ambiente as contribuições interessantes e trabalhando com "jogo de cintura". Observamos, igualmente, o acento positivo em qualidades de estabilidade e previsibilidade, bem como contínuo esforço e interesse em atividades produtivas.

No entanto, a avaliação de características varia conforme o cargo de quem avalia. Observamos diferenças por cargos em alguns traços considerados positivos:

A característica de ser comunicativo é considerada mais importante pelos gerentes (que atribuíram pontuação de 4,01) do que pelos presidentes (3,65) ou diretores (3,95).

O executivo pró-ativo é menos importante para presidentes (que atribuíram pontuação de 3,75) do que para diretores (4,16) e gerentes (4,00).

O executivo tenaz/persistente é mais importante para presidentes (que atribuíram pontuação de 4,30) do que para diretores (3,95) e gerentes (3,73).

O executivo realista é mais importante para diretores (3,28) do que para presidentes (2,89) e gerentes (2,94)

O executivo gentil/amável é mais importante para diretores (3,03) do que para presidentes (2,32) e gerentes (2,81)

Presidentes, segundo a enquete, apreciam mais pró-atividade e tenacidade/persistência que os diretores e gerentes, provavelmente por estarem sempre em atividade, buscando novos campos de atuação de sua empresa.

Diretores apreciam mais realismo e gentileza/amabilidade do que os presidentes e gerentes, provavelmente por necessitarem ter os pés mais firmes no chão em relação aos presidentes (mais idealistas) e buscarem manter uma relação amável com todos os que o cercam

Gerentes apreciam mais comunicação que presidentes e diretores, provavelmente porque há a necessidade de eficiência e compreensão clara nas comunicações exercidas em seu departamento.

As cinco características mais negativas

Genericamente os traços indicados como mais negativos representam oposições aos traços positivos.

Preguiçoso (4,41)
Falso (4,35)
Descontrolado emocionalmente (4,25)
Boquirroto, que faz uso de palavrões (4,09)
Grosseiro (4,08)

Estes dados apontam um sinal de alerta para o executivo que apresenta um perfil profissional aproveitador, infantilizado e pouco socializado em termos de ambiente profissional. Estas características são apontadas igualmente na cultura ocidental como muito negativas, evidenciando uma coesão dos valores profissionais com os socialmente aceitos.

Podemos criar polaridades entre aspectos mais positivos e mais negativos da seguinte maneira:

Dinâmico e Pró Ativo X Preguiçoso
Iniciativa; Inteligente X Descontrole Emocional
Comunicativo X Grosseiro
Confiável X Falso

Do mesmo modo como na avaliação de características positivas, a avaliação de características negativas varia conforme o cargo de quem avalia. Observamos diferenças por cargos em alguns traços considerados negativos:

O uso de palavrões não configura um problema para os presidentes (3,56), porém para os gerentes (4,01) é algo muito mais negativo. Provavelmente o presidente tende a medir menos as palavras.

Grosseria não configura traço muito negativo para presidentes (3,63), mas é assim avaliado por diretores (4,05) e gerentes (4,01). Provavelmente os presidentes apresentam - e portanto tendem a tolerar em seus subordinados - uma certa dose de grosseria em sua liderança.

Displicente é algo considerado mais negativo por presidentes (4,06) do que para diretores (3,50) e gerentes (3,46), Provavelmente porque os presidentes estão sempre em atividade e querem este comportamento de seus profissionais.

Rigidez é menos apontada negativamente por gerentes (2,89) do que para presidentes (3,18) e diretores (3,22). Provavelmente a rigidez compõe o padrão de comportamento da maioria dos gerentes.

Arbitrariedade é característica menos apontada pelos gerentes (2,98) do que pelos presidentes (3,18) e diretores (3,39). Provavelmente os gerentes expressam mais este traço.

Timidez, característica tida como mais negativa para presidentes (3,17) do que para gerentes (2,95) e diretores (2,74), provavelmente se deve ao estilo mais arrojado e independente manifestado por presidentes.

 
   
BIOGRAFIA
Joaquim Maria Botelho é jornalista, especializado em Jornalismo Internacional e Fotojornalismo pela Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos. Atualmente é Gerente de Comunicação do Grupo Catho.

Você é do tipo que tem várias habilidades?
Você pode estar cometendo erros na sua busca por emprego
Um head hunter ligou. O que se deve fazer?
A influência de hábitos e atitudes no processo de tomada de decisões
A importância de testar as suas habilidades
Não compactue com a fofoca
Para crescer, é preciso compreender
Quem tem medo de falar em público?
O mercado prefere quem sabe inglês
Mudou o chefe! E agora?
A universidade e a realidade do mercado
Maneiras de lidar com o chefe
Os jovens e o mercado de trabalho
Profissões que vão surgir e profissões que vão desaparecer
Como sobreviver a um mau chefe
Enfrentando negociações difíceis
A solidão do poder
Como negociar uma proposta de trabalho com habilidade
Educação a distância
Novo século para a mulher brasileira
Brasil, país de empreendedores
Compreenda os poderes da mente
A "ponte" e a emenda dos feriados