Menu Rede Morena
    Morena FM     A Região     The Brazilian     Calango.com     Turismo na Bahia     Internet
  Volta ao inicio
Volta ao inicio
Inicio
Geral | Itabuna | Ilheus | Bahia | Malha Fina | Giro Geral | Opiniao | Servicos | Expediente
Volta ao inicio
DANIEL THAME
A Coluna
  • Daniel Thame é Chefe da Assessoria de Comunicação e Imprensa da Prefeitura de Itabuna. Jornalista renomado, foi editor de A Região por mais de 10 anos e colabora com o jornal.
  • Leitura
  • A Região indica entre os melhores sites de opinião do Brasil o Observatório da Imprensa, do jornalista Alberto Dines, um site de critica da imprensa que vai mudar sua postura diante dela.
  • Jornalismo
  • Outro site recomendado por A Região é o de Marcel Leal, presidente da Rede Morena, que discute jornalismo, marketing, política, ética e internet.
  •  
    A primeira manchete a gente nunca esquece
          Itabuna, 27 de maio de 1987. “Itabuna é pioneira em projeto integrado de saúde”. Com destaque, uma foto do então prefeito Ubaldo Dantas e do então ministro de saúde Roberto Santos.
          13 anos depois, foram tantas as manchetes inesquecíveis que seria quase impossível citar todas, nessa trajetória que fez de A Região um dos principais veículos de mídia impressa do interior da Bahia.
          Manchetes, aliás, refletem o estado de espírito de uma comunidade, como bem observou o jornalista Bob Fernandes, de Carta Capital, quando aqui esteve para produzir um caderno especial sobre o ocaso da civilização cacaueira.
          Não por acaso, citou manchetes de A Região como termômetro dessa realidade irreversível, a despeito das soluções milagrosas, que nunca dão em nada, apontadas de tempos em tempos pela Ceplac.

  • Foi a mais suscinta de todas as manchetes ao longo desses 13 anos que anteviu, antes de todos, que o Sul da Bahia iria deixar de ser exportador para se tornar importador de cacau.
          Um sonoro ACABOU em letras garrafais sintetiza uma realidade que muitos, até hoje, por coincidência ou simples comodismo, relutam em não aceitar.
          Um ano depois, uma outra manchete estampava, com direito a foto do navio ocupando quase metade da capa, a importação de cacau vindo da Indonésia.
          Hoje soa até ridículo lembrar a cena em que Leal, integrante de um exército brancaleone tupiniquim composto de produtores, tentava inutilmente impedir o desembarque do cacau. Na época, tinha lá seu simbolismo.

  • E foi uma manchete corajosa, “Suspeita de fraude no Vestibular da Uesc” quem acabou com um esquema que há anos beneficiava protegidos de dirigentes da entidade, vazando os gabaritos antes das provas.
          Denuncia comprovada, o Vestibular foi terceirizado e nunca mais se teve denúncia de fraudes.
          Manoel Leal jurava de pés juntos que haviam colocado cópias do gabarito embaixo da porta da sede do jornal. Óbvio demais para ser verdade.
          A fator dessa versão, o fato de que Leal me liga na madrugada anterior à circulação do jornal e pergunta, com voz de quem está preocupado: “e se esse negócio for furado?”. Só consegui responder com uma frase: “nós estamos fodidos”.
          Estava dado, dessa maneira, o maior furo da história do jornal.

  • Não chegaram a ser furos, mas acabaram com uma rede de tráfico de crianças para a Itália. Denunciada em sucessivas manchetes, a Máfia das Adoções, acabou desbaratada e o processo, centralizado no Cefij, foi moralizado.
          Outra máfia, denunciada em sucessivas manchetes, a dos cartões de crédito clonados, teve melhor sorte. Imperou mesmo a impunidade e os empresários envolvidos no esquema não foram punidos.
          Impunidade que se verificaria depois, num crime ainda pior.

  • Denunciar privilégios. O pomposo (só no nome) Programa de Recuperação da Lavoura Cacaueira ainda patinava na burocracia quando A Região revelava, em manchete, que o então governador Paulo Souto já recebera o financiamento, dando como garantia bancária a produção duvidosa de fazendas infestadas com vassoura-de-bruxa.

  • Manchetes sob a mira das metralhadoras. Às vésperas da última eleição municipal, a edição que mostrava o clima da reta final de campanha e denunciava a compra de votos foi apreendida por decisão judicial.
          Apreendida em termos, porque apenas uma pequena parte da tiragem foi entregue a um grupo de PMs armados até os dentes. A maior parte dos exemplares, providenciamente escondida quando a polícia chegou, foi distribuida durante a madrugada.
          “Se descobrirem, prendem a gente”, ironizou Manoel Leal. “Prendem você, que é o dono”, respondi. “Mas é você quem escreve”, rebateu Leal, encerrando a discussão.
          Essa história do “mas quem escreve é você” tempos depois produziria uma segunda história que - ainda - não é o caso de se contar.

  • Um ano depois (quem escreveu?) a manchete explosiva: “Delegado que apura a fraude do IPTU recebe dinheiro da Prefeitura de Itabuna”.
          Possivelmente como consequência dessa manchete, em janeiro de 1998 vinha a manchete sem texto que fala por milhares de palavras.
          No centro da primeira página em branco, uma foto 3x4 de Manuel Leal, com uma tarja preta na boca. Haviam calado o fundador do jornal com seis tiros, na lógica de que calariam o jornal.
          Não calaram. E vieram manchetes denunciando a impunidade para este crime. E vieram manchetes comprovando esquemas de notas frias na prefeitura de Itabuna, revelando a concorrência viciada da Emasa.
          Manchetes, como já foi dito acima, são termômetros de uma socidade, mesmo quando essa sociedade, ou suas lideranças, vivem uma apatia de corar de vergonha.
          Se a primeira manchete a gente não esquece, a última costuma ser a melhor de todas, até que venha a próxima.

  • Itabuna, 30 de abril de 2000. "Justiça reabre o caso Leal e manda prender Marcone". Na foto principal, um Leal inquiridor, como se quisesse dizer que, morto, está dando mais trabalho do que vivo.
          E que A Região, a despeito de todos os percalços, de todas as pressões, está mais vivo do que nunca.
          Porque esta é uma longa história, feita de manchetes inquescíveis e - como esquecê-los, de profissionais que, plagiando Isabel Allende no antológico livro Eva Luna, estão interligados numa mesma história.

          Daniel Thame, jornalista
     

  • Verao
    Cinema
    Confira os filmes em cartaz no Starplex

    Dolar
    A cotação hoje

    Eventos
    A agenda de eventos da Bahia, do portal Calango.com

    Forum
    Comente, discuta, mande recado. O espaço é seu

    Links
    Os sites recomendados por A Região

    Balaio
    Os classificados online de A Região

    Marcel Leal
    Artigos do presidente da Rede Morena

    Caso Leal
    Mais de 3 anos de impunidade

    Calango.com
    Conheça o Portal da Bahia

    Propaganda
    Saiba como anunciar em A Região e confira a pesquisa de audiência


    [ Geral ] ....  [ Itabuna ] ....  [ Ilheus ] ....  [ Bahia ] ....  [ Malha Fina ] ....  [ Comercial ] ....  [ Giro Geral ]

    Copyright©2001 A Região Editora Ltda, Praça Getúlio Vargas, 34, 45600-000, Itabuna, BA, Brasil
    Telefax (73) 211-8885. Reprodução permitida desde que sem mudanças e citada a fonte.

    Click Here!