Universo Online
Menu Rede Morena
    Morena FM     A Região     The Brazilian     Calango.com     Turismo na Bahia     Internet
  Volta ao inicio
Volta ao inicio
Inicio
Geral | Itabuna | Ilheus | Bahia | Malha Fina | Giro Geral | Opiniao | Servicos | Expediente
Volta ao inicio
ANTONIO JR
A Coluna
  • Antonio Jr é escritor baiano, radicado em Barcelona, Espanha. Autor de vários livros, pode ser contactado neste email.
  • Mais Junior
  • Flores de Fuego
  • Anatomia
  • Olha, Sente e Lembra, Forasteiro
  • Colunistas
  • L. Conceição
  • Marcel Leal
  • Daniel Thame
  • Mário Persona
  •  
    Anatomia
        No ano passado, em Edimburgo, pensava em castelos e nevoeiros, nas aventuras de Sir Walter Scott, na infeliz rainha Mary Stuart, em Ewan McGregor nú e na The Stony of Destiny, a pedra onde os primeiros reis de Escócia eram coroados, simbolizando a união do monarca, da terra e do povo.
        No entanto, meu principal interesse chamava-se Ness. Parti para a pequena Inverness, procurando imediatamente o próximo transporte para a morada da lendária e gigantesca serpente-dragão marinha.
        Fora da temporada turística, o frio penetrante atravessava luvas, gorro e cachecol. O bonachão escocês explicou-me que havia um ônibus às quatro da tarde, e este seguia adiante, não teria portanto como voltar. "No problem", disse. "Lá não há pousadas", insistiu o simpático homem cheirando a uísque. "No problem", cortei a conversa num inglês limitado.
        Nas margens do gigantesco lago preparei o saco de dormi, comi meu sanduíche de pão integral com ervas e legumes, tomando uísque enquanto admirava o nevoeiro ocultando águas sombrias. Como o monstro não surgia, adormeci. Acordei horas depois, assustado com um barulho quebrando o silêncio penetrante.
        Acendi a lanterna para ver a malvada antes de ser devorado. A luz focou dois estudantes italianos nús, Fabrizio e Ricardo, bêbados, imitando um possível monstro. Rimos bastante, e terminamos bebendo até o amanhecer.

        Como na juventude, as recordações de viagem levam-nos a alegrias serenas. Em geral, o ruim é esquecido. Não há  nada mais enfadonho do que alguém falando de problemas na alfândega, da sujeira das ruas de Roma ou da péssima comida de Londres. Viajar significa contar o visto e vivido, aprender com o desconhecido ou somente fugir da rotina cotidiana? Cada viajante tem a sua arte.
        Como dizia Paul Bowles e Bruce Chatwin, grandes escritores-viajantes ou vice-versa, "o importante é ser viajante, nunca turista". É que o turismo vive de folclore e vaidades, destruindo simultaneamente as cidades litorâneas do nordeste brasileiro como as selvas de Costa Rica para construir hotéis, arrecadar muito dinheiro e operar como bálsamo para uma classe acomodada entediada.
        Eu gosto de explorar as cidades de noite e de madrugada. Nunca deixo de ir ao cinema ou ao teatro mesmo que não entenda o idioma. As igrejas e os templos fora da rota turística sao indispensáveis, assim como os mercados populares, as zonas sórdidas, os cemitérios, os bares frequentados por artistas fracassados, os mosteiros, os bosques e os rios. Não se descobre segredos de um mundo que já está descoberto.
        Visitar a Torre Eiffell ou o Corcovado é pura redundância que terminará como fotografia num álbum pouco inspirado. Melhor se perder nos jardins de Sintra ou dar graças aos Anjos por estar vivo caminhando no deserto do Saara. É loucura visitar muitos monumentos em poucas horas, gastar rolos de fotografias, ouvir o lenga-lenga de guias. Bom é passear suavemente, sem destino, parar, observar.
        É preciso viajar para deixar a cabeça girar e mudar o cérebro. Primeiro elegendo um destino como se elege um amante. Haverá que intuir, perguntar, ler, arriscar. Conheço muita gente que procura impor a sua forma de férias. Falam de compras fantásticas em Nova York, discos enlouquecidas em Ibiza e hotéis de sonho em Cancúm.
        Os cruzados da  Idade Média viajavam para salvar a alma e viver aventuras. Os turistas obsecados pelo consumo apenas enganam o vazio de suas existências.
        Viajar é pedir pouco, não ter medo, apostar no inesperado, compreender que o movimento cura a melancolia. Como dizia Robert Louis Stevenson, outro escritor-viajante, "quando viajo peço somente o céu sob meu corpo e um caminho para os meus pés".

        Pela primeira vez em Londres, hospedei-me no apartamento de um velho amigo de infância, um artista, na agradável Wimbledon. Ele preparava jantares perfeitos, dava as dicas das melhores galerias e chamava-me para ver os debates da maravilhosa Germaine
    Greer na BBC. Não era bem o que queria.
        Mudei-me para um prédio vitoriano invadido por jovens, sem energia elétrica, aquecimento ou água canalizada, num turbulento bairro de negros e imigrantes: Elephant and Castle. Do meu imenso quarto no último andar, iluminado por velas em candelabros, escrevi diversos poemas e organizei reuniões festivas famosas.
        Banhava-me em banheiros públicos. Bastante divertido e enriquecedor, e eu só deixei-os quando membros neo-nazi ameaçaram atear fogo no local. Eles haviam queimado uma família de hindus uma semana antes.
        Perigos existem, mas o êxito de uma viagem depende principalmente do aprendizado, da paixão, da descoberta e nada disso se encontra em grupos turísticos ou numa loja de souvenirs. Deixo de lado as mordomias dos nossos costumes burgueses e parto para
    o desconhecido.
        Ou seja, viajo sem problemas pré-concebidos. O que posso dizer com experiência própria, de anos como viajante, é que minha vida cresceu e minha origem é só uma peça que completa meu quebra-cabeças interior.
        Entre outras coisas porque minha memória - intelectual, espiritual, erótica - enamorou-se de laranjas chupadas em Fez, de um
    encontro satânico no parque El Retiro em Madri, de certas identificações com museus e livrarias em Paris, de um barco durante uma estranha madrugada de lua cheia no Morro de São Paulo e em uns divertidos e decadentes antros do Bairro Alto de Lisboa.
        Tornei-me um sem pátria.

     

    Verao
    Cinema
    Confira os filmes em cartaz no Starplex

    Dolar
    A cotação hoje

    Eventos
    A agenda de eventos da Bahia, do portal Calango.com

    Forum
    Comente, discuta, mande recado. O espaço é seu

    Links
    Os sites recomendados por A Região

    Balaio
    Os classificados online de A Região

    Marcel Leal
    Artigos do presidente da Rede Morena

    Caso Leal
    Mais de 3 anos de impunidade

    Calango.com
    Conheça o Portal da Bahia

    Propaganda
    Saiba como anunciar em A Região e confira a pesquisa de audiência


    [ Geral ] ....  [ Itabuna ] ....  [ Ilheus ] ....  [ Bahia ] ....  [ Malha Fina ] ....  [ Comercial ] ....  [ Giro Geral ]

    Copyright©2001 A Região Editora Ltda, Praça Getúlio Vargas, 34, 45600-000, Itabuna, BA, Brasil
    Telefax (73) 211-8885. Reprodução permitida desde que sem mudanças e citada a fonte.

    Click Here!