Compre seu dominio hoje! Calango! o Portal da Bahia News from London

Menu o Portal da Bahia o Portal do Cacau 24h ao vivo na internet Voce ja esta aqui! a regiao que inspirou Jorge Amado o jornal do brasileiro no exterior os agitos da Bahia
volta para a capa

Marcel Leal

Capa
Geral
Itabuna
Ilhéus
Bahia
Malha Fina
Últimas
 
Gente Grapiúna
Colunas e Artigos
 
Media Kit
Expediente
Os Links

Mais Marcel:
Espumando e bufando

Crime e Não Castigo

Me engana
que eu gosto

. Gente Grapiuna

Imprensa e "inprênça"
      Todo o alvoroço em torno da sentença de uma juíza de São Paulo a favor da TV Globo contra mim revelou a verdadeira cara de certos "veículos" da imprensa local e nacional.
      A juíza determinou, em primeira instância, que sejam anulados os registros dos dominios de internet jornalnacional.com.br e globoesporte.com.br, alé do pagamento de uma multa diária de R$500 por um suposto uso dos nomes.
      Ela está equivocada e ignorou a lei brasileira de marcas e patentes, por isto estou recorrendo através de meu novo advogado, Dr. Daniel Neaime, de São Paulo, e tenho convicção da vitória. O próprio advogado da Globo afirmou, em entrevista, que "vai até o STJ com a questão", o que significa que sabe que vai perder a causa.
      O tratamento dado ao caso aqui no sul da Bahia não foi surpresa, dado o grau de inveja e raiva dos outros jornais, quase inexpressivos em termos de circulação quando comparados com A Região.
      Também não foi surpresa o prefeito de Itabuna, Fernando de Oliveira, sair fazendo discursos nas ruas e em sua rádio, de que eu sou "ladrão, safado".
      Suspeito de ser o mandante do assassinato de meu pai em 98, ele bem que precisa de qualquer motivo para desviar a atenção das pessoas.
      Já na imprensa nacional, com exceção de alguns veículos mais sérios, o que se viu foi uma campanha orquestrada pelos advogados da TV Globo, que enviaram releases manipulados a todos os jornais e revistas.
      Como o grau de ignorância sobre os assuntos "marcas" e "dominios" é total entre os jornalistas da grande imprensa (ninguém checa mais informação alguma, apenas segue os releases), os veículos passaram a repetir o release da Globo.
      A Folha de São Paulo e o Estadão foram os únicos que se deram ao "trabalho" de ouvir a outra parte, eu, nesta questão.
      Veja, Época, Valor, Blue Bus, Gazeta Mercantil e outros preferiram dar apenas o lado da poderosa Globo, sem se importar em expor a seus leitores todos os dados sobre o caso. O sensacionalismo de uma decisão a favor de um dos grandes era suficiente para dar-lhes orgasmos jornalisticos.
      Note-se aqui a esperteza da Globo em dar a noticia de forma contida em seus veículos enquanto fazia campanha junto aos outros para escandalizar o máximo possível o assunto. É uma tática antiga da emissora. Faz a sujeira e ao mesmo tempo passa por "séria".
      No meio desta turba de jornalistas "de ocasião" faz-se justo lembrar a atitude de alguns: a Isto É Gente e a Info Exame continuaram tratando o assunto seriamente, sem exageros nem parcialidade.
      O problema é que o jornalista mediano é preguiçoso para buscar informações, preferindo o comodismo do release (já notou como as noticias são parecidas na imprensa, não importando qual o veículo?)
      Uma simples visita ao site do INPI, onde está a integra da Lei Brasileira de Marcas e Patentes - que necessariamente deveria ter sido lida pelos jornalistas antes de chamar alguém de "pirata" (Veja, Época, Valor), "grileiro" (Valor) ou "ladrão" (Blue Bus) serviria para dar a eles a noção das asneiras que escreveram por confiar no release global.
      Lá veriam que a Globo sequer tinha marca registrada Globo Esporte em 98, quando registrei o dominio (havia sido extinta em 92, seis anos antes); veriam que uma marca só pode ter exclusividade dentro da categoria onde está registrada (Jornal Nacional não tem registro como marca para uso na internet). Veriam que a Globo não tem direito legal aos dominios que tenta tomar.
      Lá veriam que não basta ser muito conhecido para ser "marca" e muito menos "notória", classe que requer um certificado especial do INPI. Algo que a Globo não tem nem para o próprio nome (ou seja: ele não é uma "marca notória").
      Escrever sobre um assunto que ignora é uma garantia de escrever besteiras ou calúnias. Vários dos veículos poderiam ser processados por calúnia e difamação, mas prefiro esclarecer suas mentes do que usar o rigor da lei.
      O assunto é sério e quanto mais jornalistas aprenderem o que quer dizer "marca" e seus direitos, melhor será a cobertura da internet. Não sou o único empresário com dominios que os "grandões" querem tomar, sou apenas o que a Globo escolheu para bode expiatório de sua incompetência.
      A incompetência em enxergar a internet, em proteger suas marcas como determina a lei, em reservar os dominios que lhe são caros, em entender como funciona o mundo virtual, em falhar miseravelmente como empresa diante das necessidades do novo milênio.
      Agora ela tenta consertar sua incompetência pela força do dinheiro, pressão politica, campanha de bastidores na imprensa ou poder de intimidação na Justiça.
      A internet "não é o quintal da Globo" nem pode ser, sob pena de ser destruída em sua essência de oportunidades iguais e democráticas.
      Tentar conferir à Globo o monopolio de dominios que ela sequer pretende usar é restringir a rede e tornar a internet um paraíso de poucos, como aconteceu com a televisão.
      Cabe aos jornalistas realmente sérios se informar sobre dominios, leis, ausência de leis, marcas e direitos antes de escrever uma linha sequer sobre o assunto. Sua obrigação profissional e moral é dar ao leitor a informação completa e ter a humildade de corrigi-la se estiver errada.
      Cabe à sociedade desconfiar de matérias de veículos diferentes que são muito parecidas ou que não trazem os dois lados de uma mesma questão.
      Cabe a nós, internautas, lutar ferozmente contra o controle da internet pelas grandes corporações. Mandando e-mails, relatando casos de abuso, pressionando politicos e autoridades, fazendo correr nossa insatisfação.
      Ou desligar o computador e ir embora.

Sobre o caso, leia neste link.
.
Patrocinado por O jornal do brasileiro no exterior

[ Geral ] ....  [ Itabuna ] ....  [ Ilheus ] ....  [ Bahia ] ....  [ Malha Fina ] ....  [ Comercial ] ....  [ Volta ]

Copyright©2001 A Região Editora Ltda, Praça Getúlio Vargas, 34, 45600-000, Itabuna, BA, Brasil
Telefax (73) 211-8885. Reprodução permitida desde que sem mudanças e citada a fonte.