DR. DIRCEU HENRIQUE MENDES PEREIRA
DR. DIRCEU HENRIQUE MENDES PEREIRA
DR. JÚLIO JOSÉ MÁXIMO DE CARVALHO

 
COMO MANTER O BEM ESTAR
DR. DIRCEU HENRIQUE MENDES PEREIRAO ginecologista Dirceu Henrique Mendes Pereira, secretário-geral da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana e especialista em fertilidade pratica a medicina integrativa em sua clínica em São Paulo, a Profert. O conceito associa aos avanços diagnósticos da medicina convencional as terapias alternativas como acunputura, homeopatia e outras técnicas bio-energéticas para tratar a mulher como um todo. Na entrevista a seguir, ele dá dicas sobre a importância de cultivar bons hábitos de vida para manter o bem estar e afastar o risco de doenças de origem hormonal.

ONDE COMEÇAM OS PROBLEMAS DE SAÚDE FEMININOS?
DR. DIRCEU: Na alimentação sem fibras, que levam o intestino grosso a ficar mais lento e a não funcionar direito. Entre 50% e 70% das mulheres em idade fértil apresentam sintomas de disbiose por causa da alimentação inadequada. A disbiose se caracteriza por obstipação intestinal, dores abdominais e às vezes diarréia, um conjunto de sintomas que também é chamado de síndrome do cólon irritável. Ela pode levar o organismo feminino a um desequilíbrio crônico e desencadear distorções hormonais. O desenvolvimento de miomas, acompanhados por tensão pré-menstrual, dor pélvica e sangramento genital é uma das consequências mais frequentes da falta de harmonia energética na região pélvica.
COMO SE DESENROLA ESSE PROCESSO DE DESEQUILÍBRIO ENERGÉTICO E HORMONAL?
DR. DIRCEU:A ausência de evacuação regular, decorrente da disbiose faz com que parte dos hormônios femininos que deveria ser eliminada com as fezes volte para o organismo e sobrecarregue o fígado. Este não consegue dar conta do trabalho e a conseqüência pode ser um excesso de estrogênio em circulação no corpo da mulher. Estrogênio em excesso é combustível ideal para a formação de miomas e de endometriose, entre outros problemas ginecológicos.
A PRISÃO DE VENTRE É RESPONSÁVEL POR ESSE DESEQUILÍBRIO HORMONAL, EM ÚLTIMA INSTÂNCIA?
DR. DIRCEU:Nao só. Outros fatores contribuem. Vou citar os três principais, que estão na origem, aliás, da própria prisão de ventre:o consumo em excesso de alimentos industrializados , gordura saturada e a ingestão exagerada de doces e carboidratos. Os conservantes químicos dos produtos industrializados levam o organismo feminino à escassez de nutrientes básicos como as vitaminas do complexo B, selênio, zinco, crômio, magnésio, manganês, entre outros minerais essenciais. O consumo exagerado de gorduras saturadas (todas as gorduras sólidas) desregula o metabolismo das membranas celulares e o complexo receptor de hormônios. Ambos os fatores favorecem a ação de radicais livres, cuja ação é extremamente nociva ao equilíbrio energético e hormonal.
QUANTO AO CONSUMO DE DOCES?
DR. DIRCEU:A ingestão de "doces" faz aumentar abruptamente os níveis de glicose no sangue, provocando secreção proporcional de insulina.Com o passar do tempo, instala-se assim um quadro de hipoglicemia, que pode manifestar-se como sensação de fadiga ou exaustão, síndrome de pânico, instabilidade emocional, sudorese, insônia, taquicardia. É como se o organismo entrasse em estado de emergência, porque o consumo excessivo de doces exige das glândulas adrenais a secreção extra de cortisol para repor os níveis de glicose no sangue. No início, as adrenais tornam-se hiperativas para dar conta do recado, mas com o passar do tempo podem chegar à exaustão, levando ao desequilíbrio hormonal.
COMO ISSO ACONTECE?
DR. DIRCEU:A progesterona é precursora do cortisol. Quando o organismo exige mais quantidade desse hormônio da adrenal para estabilizar os níveis de glicose, a progesterona é desviada para essa via metabólica em detrimento do equilíbrio estrógeno/progesterona. Instala-se a partir dai o estado de dominância estrogênica - a condição ideal para o surgimento da tensão pré-menstrual, dos miomas e da endometriose.
QUE OUTROS FATORES ESTÃO IMPLICADOS NESSE MECANISMO REGULADOR DA PRODUÇÃO HORMONAL FEMININA?
DR. DIRCEU:Os xeno-hormônios, que são substâncias químicas presentes nos agrotóxicos, pesticidas, inseticidas, plásticos, etc. Eles contaminam os alimentos, a água, os cosméticos e por essa via entram no nosso metabolismo. A molécula dos xeno-hormônios tem semelhança com os hormônios esteróides e podem associar-se com seus receptores. As conseqüências dessa associação são nefastas para o organismo feminino. Causam uma variedade de disfunções, tais como alterações menstruais, síndrome da tensão pré-menstrual (STPM), miomatose, distúrbios cognitivos, entre outros. A maneira de prevenir-se contra eles, mais uma vez, é manter uma dieta com muita fibra de cereais e vegetais e fugir do estilo de vida sedentário.
E ESTRESSE FÍSICO E EMOCIONAL, QUAIS OS ESTRAGOS QUE ELE FAZ NO ORGANISMO DA MULHER?
DR. DIRCEU:Essas duas situações debilitam a pessoa do ponto de vista imunológico e a baixa da resistência acarreta desequilíbrio hormonal ao prejudicar a bio-síntese de esteróides. O estresse aumenta a necessidade de produção do cortisol, que como já vimos pode levar as glândulas adrenais à exaustão além de desviar a progesterona do seu destino metabólico e de aumentar a resistência periférica do organismo à insulina, etc. É este o círculo vicioso que determina a predominância de estrogênio no organismo. Como os distúrbios hormonais são dependentes do estrogênio, pode-se imaginar as conseqüências para a saúde feminina da evolução desse processo. Daí a importância das técnicas de integração corpo e mente, como a yoga e a atividade física, entre outras, para prevenir o estresse., bem como a ingestao de nutrientes específicos para equilibrar a função adrenal.
E A HERANÇA GENÉTICA, QUAL O PAPEL QUE ELA DESEMPENHA NO DESEQUILÍBRIO HORMONAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS?

DR. DIRCEU:A conclusão do projeto genoma certamente foi um passo gigantesco da comunidade científica para decifrar um sem número de doenças. É possível que ao final desta década a gênese do mioma possa estar relacionada com identificação de um ou vários genes. No entanto, vale lembrar que a influência genética não é tudo, pois o estilo de vida e o comportamento do ser humano tem um peso maior na evolução de determinadas doenças.