OVÁRIOS POLICÍSTICOS
DISTÚRBIOS HORMONAIS
INFECÇÕES VAGINAIS
INFECÇÕES URINÁRIAS
INFLAMAÇÃO PÉLVICA
ENDOMETRIOSE
MIOMA
OVÁRIOS POLICÍSTICOS
diagnóstico
tratamento
terapias alternativas

VISITA AO GINECOLOGISTA
ROTINA DE EXAMES
CUIDADOS COM O ÚTERO
ATENÇÃO AOS SEIOS
PRECAUÇÕES COM A PELE

O QUE É
Um distúrbio que interfere no processo normal de ovulação, em virtude de um desequilíbrio hormonal. A formação de cistos durante o processo de ovulação faz parte do funcionamento dos ovários. Mas eles desaparecem a cada ciclo menstrual. Em portadoras da Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), esses cistos permanecem e modificam a estrutura ovariana, tornando o órgão até três vezes mais largo do que o tamanho normal, tomados por pequenos cistos superficiais. A disfunção pode levar à secreção de hormônios masculinos (androgênios) em excesso. A portadora da síndrome ovula com menor freqüência e tem ciclos, em geral, irregulares. Calcula-se que a SOP afeta 20% das mulheres durante o período reprodutivo.
O QUE CAUSA

Os fatores que levam ao desenvolvimento da SOP não são totalmente conhecidos mas tem origem genética, em parte, pois irmãs ou filhas de uma mulher portadora do distúrbio tem 50% de chance de desenvolvê-la. Tudo indica que sua origem está associada com a produção da insulina em excesso pelo organismo. O aumento da quantidade dessa substância no sangue (a hiperinsulinemia) provocaria o desequilíbrio hormonal.

PRINCIPAIS SINTOMAS E SINAIS
Ciclos irregulares, menor freqüência de ovulação e dificuldade para engravidar podem ser características comuns da síndrome dos ovários policísticos. O distúrbio ainda favorece o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, do diabetes do tipo 2 e obesidade. Quando há excesso de hormônios masculinos são são:
  • Crescimento anormal de pelos nas regiões do baixo ventre, seios, queixo e buço;
  • Aumento da oleosidade da pele e aparecimento de espinhas e cravos;
  • Queda de cabelos;
  • Aumento do peso;
  • Manchas na pele, principalmente nas axilas e atrás do pescoço