INFORMACÃO<Guia de raça << CHOW CHOW >>
  




Fan Clube Chow Chow
Deixe aqui sua mensagem e conheça pessoas que admiram a raça
clique aqui

 
 

Donos e criadores contam como é viver com esse cão que conquista mais e mais admiradores no País Ainda que ele esteja distante da notoriedade das raças mais populares, os dados oficiais garantem: ano após ano, o Chow Chow vem ampliando sua representatividade na cinofilia nacional. De 1994 ao final de 1998 - quando a última lista disponível de registros caninos foi emitida pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC) - o número de nascimentos de Chows quase quadruplicou, passando de 329 filhotes ao ano para 1.205 (veja quadro O Salto da Raça). "O aumento de interesse pelo Chow nos últimos tempos é notável na prática", observa a criadora há 17 anos, Maria Glória Romero, de São Paulo. "Cada vez há mais criadores, mais proprietários e mais gente sabendo identificar um Chow na rua, o que antes dificilmente ocorria", completa. "Não que a raça seja daquelas que todos conhecem, mas é indiscutível que tem crescido o número de pessoas familiarizadas com ela", concorda Sophia Kuckartz van Ackir, criadora há 15 anos em Gramado, RS.

CAUSANDO FUROR


A ascendente popularidade do Chow, pelo menos por enquanto, não parece ter diminuído seu poder de deslumbrar o público. Aonde quer que ele vá, é o foco das atenções. A criadora há oito anos, Régia de Oliveira, de Brasília, ilustra o que acontece quando um Chow dá o ar de sua graça em vias públicas: "Quando saio com os cães, sou tão assediada com perguntas e comentários que, às vezes, demoro, sem exagero, duas horas em passeios que deveriam levar apenas meia", conta ela. "O mesmo ocorre com vários amigos meus que têm Chows; eles saem com os cachorros e nem conseguem andar direito de tanta gente que os pára", completa. Uma coisa é certa: não há criador ou dono de Chow que já não tenha passado por situação semelhante. "A cara achatada, a língua azul, que é a marca registrada da raça, e especialmente a pelagem abundante do Chow mais comum, que é o de pêlo longo, realmente chamam muito a atenção", descreve Sophia. Não bastasse tudo isso, graças à juba ao redor do pescoço, o Chow fica - como o próprio padrão define - com aspecto leonino. É difícil encontrar alguém que, mesmo desconhecendo a raça, não faça essa associação. "Tem gente que o compara a um urso, mas a frase 'nossa, parece um leão' é a que mais ouço por aí quando estou com um Chow", fala Régia. Não é à toa que boa parte dos donos batize seus exemplares com o nome Simba.

DONO X CHOW

Se você quer um companheiro que não o solicite demais, o Chow se enquadra nesse quesito. Ele definitivamente não é do tipo que vive atrás de um cafunezinho ou que insiste e persiste em convidar o dono para brincadeiras ou, muito menos, que teima em dividir o mesmo espaço no sofá. O Chow pertence ao time dos independentes. "É uma raça que vive a própria vida e não a nossa", define Maria Glória. "Costuma ficar por perto, mas de maneira pouco invasiva, pouco absorvente", completa. "O Chow é apegado ao dono, mostra-se disposto a brincar e a ser agradado sempre que este quiser, mas não cobra a sua atenção", concorda Sophia. Como resultado dessa maneira auto-suficiente de ser, o Chow, via de regra, não parece se incomodar em passar algumas horas sozinho. "É claro que o ideal, e isso vale para qualquer raça, é não deixar o próprio cão sozinho por muito tempo, mas realmente o Chow não demonstra insatisfação quando o dono sai sem o levar", diz Maria Glória. "Quem tem um Chow pode deixá-lo sozinho a tarde toda que, na volta, não encontrará um cão desesperado por atenção, tampouco a casa em ruínas ou a vizinhança enraivecida por causa de latidos", comenta Sophia. Seja na ausência ou na presença do dono, ver um Chow latindo é, de fato, raridade. "É muito silencioso, quando late é porque percebeu algo estranho e, mesmo assim, dá dois ou três latidos e pára", garante Régia. Tendência a destruir móveis e objetos que não lhe pertençam também não faz parte do comportamento típico da raça. Exceto na infância - fase em que a maioria dos cães, independente de raça, tende a travessuras -, o Chow costuma ser exemplar no que se refere a manter intacto o ambiente em que vive. "Os próprios brinquedos, ele eventualmente até destrói, mas nunca ouvi falar de um exemplar adulto que partisse para o mobiliário da casa", avalia Régia.
É bem possível que essa disciplina natural da raça esteja relacionada com seu grau moderado de atividade. "Não é um cão que fique o tempo todo andando de um lado para o outro em busca do que fazer", fala Régia.
"Se fosse, teria mais chances de fazer coisas erradas", analisa. "Não que nunca brinque ou corra pela casa, mas, na maior parte do tempo, está sossegado, observando o movimento ao redor ou entretido com seus brinquedos", diz Sophia.
Com os hábitos de higiene, a raça também não é de dar muito trabalho. "Depois que aprende o lugar certo para fazer as necessidades, o que em geral ocorre em questão de dias ou poucas semanas, não erra mais", conta Maria Glória.
"É um cão naturalmente limpo, que nem sequer gosta de ficar perto do próprio 'banheiro'", acrescenta Régia.
Por todas essas características, o Chow é um ótimo candidato para viver dentro de casa. "É uma das poucas raças de porte médio-grande que se adequam bem a apartamentos, mesmo aos pequenos", indica Maria Glória.

1ª Foto: Luiz Henrique Mendes Prop.:da 1ª foto acimaCanil Shambala
texto: Cãe&Cia

Direitos autorais do texto: Cães&Cia, é proibida a reprodução total ou parcial do texto
 
  
conheça também: