INFORMACÃO<Saúde e Beleza << Cães que comem fezes >>
 

Dicas de orientação geral. Consulte sempre seu veterinário

As dicas do adestrador Alexandre Rossi

Estímulos aversivos especiais .

O primeiro passo é verificar se há doença associada e, em caso positivo, tratá-la. Se for apenas um hábito, pode-se tentar corrigi-lo.

 

 

 

Quem já acompanhou os cuidados dispensados pela cadela à ninhada sabe que ela costuma comer as fezes dos filhotes para manter o ninho limpo.

Segundo alguns pesquisadores, comer fezes (coprofagia) pode ser um comportamento adaptativo, normal na espécie canina. Nesse caso, o lixo humano e os dejetos representam fontes de alimento. Inclusive as fezes, que contêm alimentos semidigeridos. Os carnívoros caçadores têm o hábito de começar a devorar a presa pelas vísceras, onde há a presença de fezes.

Para alguns cães, o odor e o sabor das fezes parecem ser atraentes e poderão ter caráter auto-reforçador, estimulando-os a, sempre que puderem, buscar e comer fezes.

A rejeição do homem à coprofagia associada ao aspecto sanitário - fezes podem causar doenças, se contiverem vermes, bactérias ou vírus - exigem que o comportamento seja modificado. A escolha de como fazer o tratamento irá variar conforme o caso. É preciso investigar o contexto e as possíveis razões para a ocorrência do comportamento. O primeiro passo é verificar se há doença associada e, em caso positivo, tratá-la. Se for apenas um hábito, pode-se tentar corrigi-lo.

Segundo pesquisadores, a falta das enzimas responsáveis pela digestão dos nutrientes- as enzimas pancreáticas - poderia ser responsável por coprofagia. É um mal que pode ser herdado ou surgir devido a uma inflamação aguda ou crônica do pâncreas (pancreatite).

A causa ainda é pouco esclarecida, mas pode estar associada a distúrbios da nutrição, infecções virais ou parasitárias, obstrução de ductos pancreáticos, refluxo duodenal, traumatismos ou reação medicamentosa entre outras.

O diagnóstico é feito por exame radiológico (evidencia a alteração do pâncreas), por exames laboratoriais de fezes e por bioquímica sanguínea (buscam avaliar a presença ou ausência da atividade das enzimas pancreáticas.

O tratamento, nos casos mais brnados, é feito com suplementação oral de enzimas digestivas e com dieta adequada, de acordo com o caso, e sob controle veterinário.

Alguns autores sugerem que, no caso de cães que ingeram as próprias fezes, pode-se tentar fornecer dieta com alti nível de proteína e gordura e com baixo nível de carboidrato e fibra, o que modifica a consistência e o odor das fezes, diminuindo o interesse do cão por elas. Não há comprovação científica de que carências nutricionais, dietas desbalanceadas ou a presença de vermes determinem a ocorrência da coprofagia.

 

 


AS DICAS DO ADESTRADOR ALEXANDRE ROSSI

É possível corrigir, por condicionamento, o hábito de o cão comer fezes. Veja alguns casos.

Cão sem espaço suficiente para usar como banheiro
Se o cão fizer as necessidades muito perto de onde dorme, por falta de espaço, dê-lhe mais área. A igestão de fezes torna-se um desvio comportamental Ele pode tentar manter o dormitório limpo. Faz parte da natureza canina não dormir perto onde defeca, já que na vida selvagem o odor das fezes atrai predadores.
É possível também que use as fezes para brincar e vencer o tédio

Cão entediando
Brincar e mordicar as próprias fezes, como passatempo, pode ser uma opção do cão. Dê-lhe brinquedo se ele tiver que ficar só.

Eduque-o a permanecer sozinho. Evite fazer agrados no cão ao sair de casa, para não deixá-lo ansioso. Ao voltar, so interaja com o cão depois que ele ficar tranqüilo. Para acostumá-lo a ficar só, na primeira vez deixe-o por poucos minutos - o suficiente para não provocar comportamentos indesejados. Aumente progressivamente o tempo de solidão.

Cão que leva bronca quando ingere fezes
O cão adora interagir com o dono e receber a atenção dele. Quando for pego com fezes na boca, não finja não ver. Bronca dada de forma errada pode até incentivar o cão a repetir o ato.

Diga "não"quando o cão estiver para pegar as fezes- com firmeza e autoridade. Se ele não obedecer, dê um empurrão rápido, para afastá-lo do local. Se ele continuar, use outro estímulo aversivo (ver quadro)

Quando o cão cessar, fique atento. Ele pode tentar de novo. Insita, e depois de ele tentar duas ou três vezes tenderá a desistir diante da sua repressão. Sempre que ele obedecer não faça festa. Isso pode estimulá-lo a repetir o erro. Mas cesse a bronca de imediato para deixar claro que ela se deveu apenas à tentativa de pegar as fezes.

Cão que vê o dono recolher as fezes
O cão disputa a atenção do dono o tempo todo. Ao perceber que o dono vai recolher fezes, pode resolver pegá-las com boca antes do dono, como faria se em vez das fezes houvesse ali uma bolinha ou outro brinquedo qualquer. Nunca recolha as fezes em frente do cão.

Cão que come fezes sem o dono ver
Ao chegar em casa você faz carinho no cão e só depois percebe a boca dele manchada de fezes, com um mau hálito acentuado e encontra no tapete uma marca incriminadora. Você deu um reforço involuntário e reprimilo de nada mais adiantará.

Para corrigir esse comportamento. Estimule o cão a fazer suas necessidades na sua presença. Sirva a refeição ( duas por dia) e fique com o cão. Quando ele tiver defecado (cerca de 10 a 15 minutos depois), leve-o a um ambiente diferente.

Enquanto isso, outra pessoa deve remover as fezes sem o cão ver ou aplicar um produto que torne o sabor ou odor delas desagradável ao cão (ver quadro)

Cão que come fezes na rua
Saia com ele na guia. Passe a uma distância tal das fezes que , para pegá-las, o cão precise fazer esforço. Quando ele tentar, comande "não" e dê um tranquinho.

Se o cão tentar ingerir as próprias fezes, afaste-se com ele do local onde estão. Precisando, atraia-o com uma guloseima ou um biscoito. Recolha as fezes sem o cão ver.

 

 


ESTÍMULOS AVERSIVOS ESPECIAIS

Nunca bata no cão nem aperte o focino; a dor pode torná-lo medroso ou agressivo. Para ajudar na tarefa de ensinar, adote estímulos aversivos espeicais. Um deles é jogar algum produto nas fezes para deixá-las com sum sabor ou odor que seja do desagrado do cão. Não o faça na frente dele, para ele não associar o estímulo aversivo à pessoa que o aplicou.

Se o produto usado não funcionar, tente outro. Veja algumas sugestões: spray repelente por odor ou por gosto ( encontrado em pet shops), vinagre e limão. No exterior há um remédio dado ao cão para modificar o odor e o sabor das fezes dele. No entanto, nem sempre funciona - mas pode ser tentado.

Estímulo aversivo para interromper a ação do cão prestes a pegar fezes: pegnado o cão em flagrante, dirija um jato de água contra ele ou emita um som forte que o assuste, como jogar uma garrafa de refrigerante, de plástico, no chão, com força. Se a tentativa não resolver, passe para os demais estímulos aversivos já citados.

Revista Cãe&Cia nº247

Vet. Especializado em comportamento animal Mauro Lantzman (introdução e saúde). O adestrador e zootecnista Alexandre Rossi é especializado em comportamento animal. Para Kanren Fukassawa, São Paulo; Marcia Silveira, Serra, ES, e Marlete Mozzer, Ponta Grossa, PR.
Reportagem: Fabio Bense. Texto: Marcos Pennacchi (coordenação: Marcos Pennachi). Revisão técnica: feita pelos consultores, secretariado por Fábio Bense.

 
  
conheça também: