INFORMAÇÃO<Guia de raça << PASTOR ALEMÃO >>
   

Fan Clube Pastor Alemão
Deixe aqui sua mensagem e conheça pessoas que admiram a raça
clique aqui

 
 
  Polivalente, ele consegue executar as tarefas mais diversificadas. Com a mesma facilidade, pode ser treinado para trabalhos tão diferentes como auxiliar de polícia ou guia de cegos.


PASTOR ALEMÃO

As diversas habilidades dessa raça fazem com seja a mais aproveitada para diferentes atividades e a torna uma das mais populares do planeta. Não foi à toa que o Pastor Alemão tornou-se um dos cães mais populares do mundo. Polivalente, ele consegue executar as tarefas mais diversificadas. Com a mesma facilidade, pode ser treinado para trabalhos tão diferentes como auxiliar de polícia ou guia de cegos. Pode, igualmente, adaptar-se tanto à vida no campo como na cidade. É capaz de correr por áreas extensas e terrenos acidentados, em condições difíceis, ou de passar a maior parte do dia pacatamente dentro de um apartamento. Dessa maneira, a palavra mais correta para defini-lo poderia ser versatilidade. Dono de uma estrutura óssea resistente, de uma musculatura poderosa e de múltiplas habilidades, o Pastor Alemão está em primeiro lugar em vários clubes cinófilos do mundo, como na Espanha (12 mil registros, 15% de todas as raças), na Itália (23 mil / 16%) e na Alemanha (30 mil registros, 1/4 dos cães do país). Na Inglaterra, ele ocupa o segundo lugar, com mais de 25 mil exemplares. Nos Estados Unidos e no Canadá está no terceiro posto, com 78 mil e 8,5 mil registros, respectivamente. No Brasil, a raça está em quarto lugar, com mais de 5 mil registros pela Confederação Brasileira de Cinofilia (CBKC). Entre as características que o tornam famoso, o apego ao dano, a afetividade e a capacidade de proteção a crianças estão entre os mais requisitados. Tanto que a raça é uma das mais procuradas como acompanhante da família. Uma pesquisa realizada em 1986 para Cães & Cia, apontou-o como "excepcional defensor do dono" (99% dos 95 cães pesquisados tomaram a iniciativa de defesa, ante a agressões) e "muito afetuoso", uma vez que 98% deles demonstraram prazer na companhia dos proprietários, brincando com eles e permitindo afagos. É preciso destacar, também, seu potencial de guarda. De faro aguçado e grande agilidade, considerado o cão "policial por excelência", é largamente utilizado pelas forças policiais do mundo inteiro em trabalhos tão distintos como a procura de criminosos e o socorro a feridos. Ele figura em 2º lugar em obediência entre as 133 raças pesquisadas pelo professor de psicologia canadense e estudioso de comportamento animal, Stanley Coren, autor de The Intelligence of Dogs. Também demonstrou ser um dos melhores no aprendizado por conta própria. Com seu temperamento equilibrado, sabe discernir se uma situação é ou não de risco. "No Pastor Alemão, adquirem especial importância as qualidades intelectivas", escreve Fiorenzo Fiorone na Enciclopédia Canina. Essa capacidade, somada aos atributos físicos - aprimorados pelos criadores ao longo dos anos -, faz dele um dos principais amigos do homem.

TROTADOR
Quem gosta de praticar esportes, correr, andar, embrenhar-se em trilhas íngremes vai ter no Pastor Alemão um companheiro de aventuras. Da mesma maneira, quem precisa de um guardião para áreas extensas, como fazendas ou indústrias, ou de um auxiliar de busca e salvamento capaz de entrar em matas fechadas, encontrará nele um aliado. Isso porque o Pastor é capaz de andar por muito tempo em terrenos acidentados e sob condições climáticas diversas (sol a pino, chuva, frio) sem se cansar e sem machucar os pés. Essa movimentação perfeita é resultado de um cuidadoso trabalho dos criadores, que aperfeiçoaram, na raça, a capacidade natural de trotar em percursos longos. Um conjunto formado por três itens - angulação das articulações, resistência dos ligamentos e musculatura forte - é o responsável por esse bom desempenho. O Pastor dá passos largos sem sobrecarregar muito o corpo, o que causa menos desgaste. "Ele é um trotador por excelência", afirma José Peduti Neto, professor de anatomia veterinária na Universidade de São Paulo e juiz de todas as raças pelo CBKC. "Não é por acaso que o padrão é tão detalhado no que diz respeito às angulações. O Pastor possui metacarpos mais inclinados do que as outras raças, e isso faz com que ele pareça ter ' molas nas patas '". A cinóloga Hilda Drummond menciona que o Pastor Alemão fica com as quatro pernas no ar ao trotar, característica chamada de trote flutuante ou flying trot. "É a única raça canina com essa característica", ressalta. Nas provas de resistência organizadas periodicamente pelos clubes da raça, o Pastor é obrigado a trotar durante quinze quilômetros, acompanhando o dono, que vai de bicicleta. Terminando o percurso, o juiz - que os segue de carro ou de bicicleta, cronometrando a distância percorria - verifica as almofadas dos pés do concorrente. Sangramentos, por menos que sejam, resultam em reprovação: significam que os pés foram sobrecarregados por algum problema na andadura. Em seguida, para checar a resistência do cão, o juiz pede ao dono que lhe dê uma dezena de comandos. Caso ele não obedeça, é porque a prova o deixou exausto - motivo mais do que suficiente para a reprovação. "O Pastor Alemão é perfeito para as atividades físicas. Tem uma resistência exemplar e porte ideal para acompanhar o homem numa corrida", diz o treinador - que, para agüentar o ritmo que impõe os cães, faz natação e musculação além de corrida e bicicleta. Cansativo? Não. "Reúno o útil e o agradável: minha admiração pelo Pastor e o prazer dos exercícios físicos", diz.

AGILITY

No Agility, além de um bom desempenho, o que conta é a agilidade física e mental da raça. Porque não é fácil vencer, a cada prova, vinte obstáculos diferentes dispostos em seqüências desconhecidas. Mais: assim que supera um obstáculo, o cão deve ir a outro, e há ocasiões em que precisa saber qual, entre até três barreiras, é aquela que dá seguimento à prova. Além disso, quando os objetos não são colocados frente a frente, ele pode ser obrigado a fazer curvas de 90º a 180º, o que vai contra seu instinto natural de caminhar em linha reta. E isso tudo num clima de muita agitação e rapidez, com o cachorro solto, sem guia, concentrando em subir e descer rampas, dar saltos, passar em túneis, obedecer aos comandos do dono... Realmente, não é qualquer raça que consegue assimilar tantas informações ao mesmo tempo, e executá-las de modo correto. São necessárias, além de agilidade, inteligência, obediência, velocidade, coragem. Qualidades que o Pastor Alemão tem de sobra. "Ele assimila depressa a seqüência de obstáculos, e isso lhe dá uma boa vantagem diante das outras raças", assegura José Anselmo Alves, que comprou seu primeiro Pastor em 1982 e treina Agility há sete meses. Para ele, a obediência também faz com que o Pastor se sobressaia nessa atividade. Afinal, uma das exigências para um cão se dar bem no Agility é sua capacidade de entender comandos e obedecê-los. "Assisti a várias provas quando morava na Europa e comprovei que o Pastor Alemão tem bom desempenho. Entende depressa as instruções, além de ser veloz e leve para o porte", testemunha Sam Gottlieb, empresário e organizador de Agility no Parque Ibirapuera. Ruth Hobday, adestradora e praticante do esporte em Church Stretton, em Shrocshire - Inglaterra, aponta mais uma qualidade importante na modalidade: "O Pastor salta muito bem. Está entre os mais ágeis."

POLÍCIA
A raça é a mais adotada pela polícia e pelo exército de todos os países do mundo. A inteligência e a aptidão física fazem com que ela possa ser treinada para as mais diversas funções, adquirindo uma concentração absoluta que a torna muito confiável para esse tipo de trabalho. Um Pastor Alemão atento a uma busca, por exemplo, jamais sairá à caça de um animal silvestre. Do mesmo modo, é capaz de compreender um comando por meio de um olhar. "É o cão mais completo do mundo, o que exerce suas tarefas com maior responsabilidade", afirma o sargento Luís Ventura, adestrador há quinze anos no Canil da Polícia Militar de São Paulo. Ali, a raça compõe a esmagadora maioria - dos 130 exemplares que lá vivem, mais de 100 são Pastores Alemães. Eles são muito usados no policiamento ostensivo, em especial nos locais onde há grande concentração de pública, devido ao seu temperamento equilibrado e à capacidade de discernimento. "O mesmo cão que ataca sem piedade um assaltante, torna-se dócil quando afogado por uma criança", explica Ventura. Adestrado de modo a não recear tiros ou gestos bruscos, ele enfrenta sem medo os bandidos. Parte para o ataque assim que escuta a ordem de comando. "A maioria dos criminosos de alta periculosidade não hesitaria em atacar um policial, mesmo armado. Mas dificilmente encararia um Pastor Alemão", revela o sargento. Assim, o cão também atua como protetor do policial e elemento intimidador. Além disso, segundo Ventura, ele é o mais obediente às ordens, quando comparado a outras raças, e "vale por dez policiais": "Um ser humano pode hesitar na hora de investir contra o bandido; um Pastor, nunca." Outra tarefa executada com sucesso são as buscas em matas, onde é aproveitado o seu excepcional faro. Quando procura um fugitivo, vai indicando o caminho ao puxar a guia de seis metros (usada para protegê-lo). No caso de busca a pessoa perdida, fica solto. Ao localizá-la, late, volta até os policiais e os leva até o lugar certo. A resistência e a capacidade física são fundamentais nessas tarefas, particularmente quando realizadas em locais difíceis. A agilidade para se esquivar de obstáculos também é importante. A responsabilidade com que o Pastor Alemão trabalha também lhe dá destaque na busca de entorpecentes. Bom farejador, é capaz de vasculhar com rapidez uma residência, entrando em cada cômodo, subindo e descendo escadas, enfiando-se por baixo e por trás dos móveis. Um comportamento muito diferente do de outras raças, que precisam de estímulos freqüentes para prosseguir na missão. O faro apurado também o ajuda a localizar pessoas soterradas a até cinco metros de profundidade. "Ele é um parceiro e tanto. Ajuda nas rondas e dá cobertura a nosso trabalho", afirma Ventura.

GUARDA PESSOAL
Para ser um bom guarda-costas, um cão deve garantir proteção ao dono em locais públicos, sem se lançar a ataques desnecessários. Quando treinado desde filhote - a partir dos quatro meses, com participação do proprietário, o Pastor Alemão desenvolve uma intimidade tão grande com ele, e torna-se tão confiável, que pode atuar solto, além de entender sinais sutis como um estalar de língua, um olhar, um pequeno gesto. A um comando desses pode atacar, interromper o ataque, ser repreendido. Na rua ou no carro, aceita a aproximação de estranhos sem reagir. Mostra-se indiferente até mesmo se alguém passa por ele correndo. Mas, caso a pessoa vá na direção do dono, prepara-se imediatamente para o ataque. E, ao perceber perigo iminente, ataca. A percepção do perigo torna-se tão aguda que a simples convivência com o proprietário basta para que ele saiba quando existe de fato alguma ameaça. Aí, parte para a ação, evitando que o perigo se aproxime. "O Pastor Alemão é o melhor guarda-costas que conheço", garante o sargento Luís Ventura. Ele reage rapidamente a estímulos externos; é capaz de desequilibrar o atacante em fração de segundos. Isso se deve, de acordo com João Pereira - juiz de treinamento e proprietário da Siborg, empresa que adestra e aluga cães para segurança -, à anatomia da raça: "Sua estrutura física foi desenvolvida para a força de propulsão se concentrar nas pernas traseiras. Às dianteiras cabe o controle da direção. Isso lhe confere mais flexibilidade e velocidade na resposta aos estímulos, além de lhe dar estabilidade em caso de ataque imediato." A precisão dos reflexos e a rapidez são atributos que tornam a raça ideal para quem vive em regiões onde a violência é acentuada. Um passeio de carro ou uma simples ida ao supermercado ganham segurança quando ele está ao lado do dono. Caso os estabelecimentos proíbam a entrada de animais, não há problema: quando bem adestrado, o Pastor espera, obediente, do lado de fora. "Quando eu saía sem cães, fui assaltado e perdi o carro. Depois que dois Pastores passaram a me acompanhar, nunca mais fui sequer importunado", garante Pereira. Assaltantes, vendedores em semáforos, lavadores de párabrisa evitam se aproximar do veículo, porque a simples presença do cachorro os intimida. "E esse item, o da prevenção, é o mais importante em se tratando de segurança pessoal", afirma o adestrador, que mantém exemplares até mesmo no escritório.

 
Uma tarefa dessas exige sobretudo responsabilidade e confiabilidade. Afinal, ao cão cabe a segurança, a locomoção e em muitos casos a defesa da vida de um cego.

GUIA DE CEGOS
Uma tarefa dessas exige sobretudo responsabilidade e confiabilidade. Afinal, ao cão cabe a segurança, a locomoção e em muitos casos a defesa da vida de um cego. Por isso, não é por acaso que foi o mais importante cão guia de cegos, suplantado nos últimos anos somente pelo porte um pouco menor do Labrador, mais adequado ao interior dos lares e a outros pequenos ambientes. A versatilidade do Pastor fica clara quando se observa que para guiar um cego são realizadas tarefas bem específicas. É preciso perceber qual o movimento certo de realizar a travessia de uma rua ou avenida pelo ruído dos motores dos carros e pela parada do fluxo de trânsito. Saber impor um ritmo adequado às condições físicas do cego e caminhar na posição exata que oferece mais segurança: à esquerda dele e sempre a seu lado. Além disso, o Pastor sabe "desobedecer" com inteligência, isto é, consegue sobrepor inteligência a comandos. Digamos que, na calçada por onde ele freqüentemente passa, tenha sido aberto um buraco. O Pastor é capaz de se desviar do perigo mesmo que o cego insista em ir em frente. E, por ser forte, consegue "puxar" uma pessoa adulta, livrando-a desse e de outros tipos de riscos. Neste aspecto, o Labrador leva uma pequena vantagem, pois apesar de ser menor é mais pesado que o Pastor. Michelle Drolet, conselheira da Seeing Eye, entidade norte-americana fundada em 1929 para a criação e o adestramento de cães-guias, proprietárias de Pastores Alemães há 22 anos, aprecia essas qualidades na raça. Conta que várias vezes, distraída, começava a atravessar as ruas. "Mas Juliet, minha cadela, me puxava com força e fazia com que eu voltasse rapidamente para a calçada. "Em meio a uma multidão, por exemplo, os Pastores avançam assim que percebem uma brecha", assegura. "Para mim, que tenho um temperamento forte, cachorros atentos e corajosos são essenciais na condução do cego". O economista Luiz Alberto de Carvalho e Silva, diretor da Associação Brasileira de Cães Guias para Cegos, que durante doze anos foi conduzido por um Pastor chamado Führer, considera a raça especial. "Em nossas caminhadas, eu costumava parar em um bar para comprar cigarros. Ele percebeu isso e se detinha diante do local mesmo quando eu não precisava de maço algum", conta. Certa vez, num passeio num parque, um Fila soltou-se do dono e avançou na direção de Silva. Führer agiu depressa: pulou no pescoço do agressor e o derrubou, colocando-o de cabeça para baixo e subindo em cima dele. O curioso foi que ele fez isso ainda preso na guia, cujo comprimento não ultrapassava um metro e meio. Führer foi treinado também para a guarda. Mas silva considera inadequado esse duplo treinamento. "O cão guia deve comandar e o guardião deve cumprir ordens, comportamentos opostos que irão dificultar o desempenho como guia de cegos." Inteligência e senso de direção também são importantes. "Uma vez saímos no carro de um amigo Führer nunca o tinha visto. Visitamos uma exposição e na volta, quando dei o comando 'carro', ele me conduziu diretamente ao veículo", diz o economista.

APARTAMENTOS
Apesar do tamanho, o Pastor Alemão se dá bem em apartamentos. Zelma Acosta Rubia, por exemplo, criou dois exemplares, durante dez meses, num apartamento pequeno em Lima, no Peru. Ela conta que, ao ver a porta mordida, tratou de comprar ossos, bolas, e passou a chamar a atenção de seus Pastores. "Como são muito inteligentes, logo aprenderam que não deviam mastigar móveis e objetos. Contentavam-se com seus brinquedinhos". Maria Augusta da Costa Aguiar, também proprietária de dois Pastores, encontrou outra solução: tirar as pelas mais frágeis do alcance dos cães. As duas comentam que eles gostavam de ficar à janela, apreciando o movimento da rua, e só latiam quando percebiam algo de anormal. Para evitar pêlos espalhados pelos ambientes, faziam escovações diárias. E mantinham as portas internas abertas à noite, para que os cachorros pudesse se movimentar durante a madrugada. "Eu só mantinha fechadas as da cozinha e do banheiro, para evitar que abrissem armários em busca de comida e que bebessem a água do vaso sanitário", explica Zelma. Os passeios eram feitos pela manhã, na hora no almoço (e/ou no fim da tarde) e à noite. Com duração de trinta e quarenta minutos cada um, serviam para que os Pastores exercitassem a musculatura e gastassem energia. Hoje, as duas moram em casas, mas a rotina não foi muito alterada. Os cães, embora gostem de brincar no quintal, preferem permanecer na área interna das residências. "Eles ficam a maior parte do tempo a meu lado, principalmente quando vejo televisão. A única coisa que mudou foi o número de passeios. No apartamento, eu saía quatro vezes por dia. Na casa, basta um", finaliza Maria Augusta.

SAÚDE
Com exceção da displasia coxofemoral, não há problemas sérios que abalem a saúde dos Pastores Alemães. Mesmo assim, a incidência da displasia vem diminuindo nos últimos dez anos, afirma Juan Claudio Martin, veterinário e criador da raça. "Hoje há medicamentos importados que funcionam como 'óleos lubrificantes' nas articulações, reduzindo a dor", explica ele. Dermatites seborréicas também são comuns, por causa do pêlo longo. Mas tratamentos à base de xampus medicinais resolvem. Problemas de aprumo costumam ocorrer em exemplares que ingerem rações de categoria inferior e suplementos vitamínicos que oferecem excesso de cálcio. Outra causa diz respeito ao lugar onde os Pastores são criados. Quando os pisos são lisos, eles são obrigados a se curvar e isso prejudica os metacarpos. Uma alimentação saudável e um chão áspero previnem o problema. Os exercícios são fundamentais. Quem não tem quintal grande deve levar o Pastor para passear ao menos uma hora por dia, além de jogar bola, atirar gravetos, andar de bicicleta ao lado dele. Cães de exposição exigem treinamento específico, que inclui trote, subida de ladeira, natação e tração. Mas antes de um ano de idade não devem ser forçados, respeitando-se o ritmo natural deles (por exemplo, limitar o treinamento a duas vezes por semana, de 15 minutos cada). A higiene é mantida com uma escovação diária, no máximo. Os banhos podem ser quinzenais no verão e mensais no inverso. Uma boa medida é passar na pelagem, a cada três ou quatro dias, uma toalha embebida numa solução de água, álcool e vinagre (uma parte de álcool e uma de vinagre para vinte partes de água). Devem-se examinar as orelhas com freqüência e limpá-las ao menos uma vez por mês.

  PADRÃO OFICIAL
CBKC nº 166 de 4/1/95. FCI nº 166f de 5/5/94.

País de origem: Alemanha.

Nome no país de origem: Deutscher Schäferhund.

APARÊNCIA GERAL:
o tolhe do Pastor Alemão é médio, levemente mais alongado que alto, vigoroso, bem musculado, com ossatura rústica; construção geral sólida.

PROPORÇÕES IMPORTANTES:

altura na cernelha: machos de 60 a 65 cm e fêmeas de 55 a 60 cm.

O comprimento do tronco ultrapassa a altura na cernelha em 10 a 17%.

COMPORTAMENTO E CARÁTER:
tanto no comportamento, quanto no caráter, o Pastor Alemão deve ser ponderado, bem equilibrado, autoconfiante, absolutamente natural, completamente inofensivo (salvo quando provocado), vigilante e dócil. Deve comprovar sua coragem, ter um caráter bem equilibrado e possuir instinto de luta, para reunir condições que o tornem capacitado às funções de escolha, guarda, proteção, serviço e de trabalho com rebanho.

Cabeça: cuneiforme, bem proporcionado ao porte (seu comprimento é quase igual a 40% da altura, na cernelha), sem ser rústica, nem muito alongada, de aspecto geral seca e largura moderada, entre as orelhas. De frente e de perfil, a testa é tão somente, pouco arqueada, com ou sem sulco sagital levemente marcado. A proporção entre o comprimento do crânio e o do focinho é de 1:1. A largura do crânio é quase igual ao seu comprimento. Visto de cima, desde as orelhas até a ponta da trufa, a largura do crânio vai diminuindo de forma gradual e progressiva: unindo-se ao focinho cuneiforme, por uma depressão naso frontal (stop) inclinada mas, pouco pronunciada. Os maxilares são fortemente desenvolvidos. A cana nasal é reta. Cana nasal romana ou côncava é indesejável. Os lábios, de cor escura, são bem ajustados e secos. Trufa: preta.

Dentadura: robusta, sadia e completa (42 dentes, de acordo com a fórmula dentária). A mordedura do Pastor Alemão é articulado em tesoura, isto é, os incisivos da arcada superior tocam pela frente os da arcada inferior em oclusão justa. A articulação em torquês, o prognatismo, quer seja superior ou inferior constitui falta, como também, a presença de espaços livres, tão importantes entre os dentes (dentes espaçados). O alinhamento, em reto, dos incisivos, também é considerado falta. Os maxilares são fortemente desenvolvidos para garantir o engaste profundo das raízes dentárias.

Olhos: de tamanho médio, amendoados, inseridos faceando com a superfície da pele, sutilmente oblíquos; a cor, o mais escura possível. Olhos claros e penetrantes, que alterem a expressão natural do Pastor Alemão, são indesejáveis.

Orelhas: de tamanho médio, portados eretas, bem firmes e simétricas (nunca inclinadas lateralmente em posição oblíqua): com as extremidades pontiagudas e as conchas voltadas para a frente. Considera-se defeito as orelhas portadas semi-eretas ou caídas. Portadas dobradas para trás, quando em repouso, não é considerado falta.

Pescoço: robusto, bem musculado, sem apresentar pele solta na garganta (barbela). O pescoço forma um ângulo em torno de 45º com o tronco (horizontal).

Tronco: a linha superior desenvolve-se, sem quebra perceptível, a partir da inserção do pescoço, bem articulado, passando pela cernelha, bem desenvolvida, e pelo dorso, ligeiramente descendente, para a garupa, ligeiramente oblíqua. O dorso é firme, robusto e bem musculado. O lombo é largo, fortemente desenvolvido e bem musculado. A garupa é longa e ligeiramente oblíqua, fazendo um ângulo em torno de 23º com a horizontal e fundindo-se com a linha superior sem solução de continuidade.

Peito: moderadamente longo, com o esterno de mesmo comprimento e bem marcado. A profundidade do peito varia em torno de 45 a 48% da altura, na cernelha. As costelas são moderadamente arqueadas. O tórax em barril é considerado um defeito tão grave quanto as costelas achatadas.

Cauda: o comprimento deve atingir no mínimo a ponta do jarrete e, no máximo a metade do metatarso; portada caída, descrevendo uma ligeira curva; quando o cão está excitado ou em movimento, ela se eleva um pouco mais, sem ultrapassar a posição horizontal; a pelagem na face ventral da cauda é um pouco mais longa. Qualquer correção cirúrgica é proibida.

Membros Anteriores: vistos de qualquer ângulo, os anteriores são aprumados; visto pela frente, são perfeitamente paralelos. A escápula e o úmero são do mesmo tamanho e bem ajustados ao tórax, graças à poderosa musculatura. A angulação escapuloumeral ideal é de 90º, na prática, até de 110º. Seja em stay ou em movimento, os cotovelos devem trabalhar rentes ao tórax. De qualquer lado, os antebraços são retos e perfeitamente paralelos, secos e guarnecidos de forte musculatura. O cumprimento dos metacarpos varia em torno de um terço do comprimento do antebraço, formando com este um ângulo em torno dos 20 aos 27º. Tanto o metacarpo muito inclinado (mais que 22º), quanto o muito escarpado (menos de 20º), prejudicam o desempenho do cão, principalmente no que concerne a sua resistência. As patas são arredondadas, dígitos bem fechados e arqueados, os coxins têm sola dura, sem tendência a fissuras; as unhas são fortes e de cor escura.

Posteriores: ligeiramente inclinados e, vistos por trás, se mantêm paralelos. As coxas são potentes e bem musculadas. O fêmur e a tíbia são quase do mesmo tamanho, formando um ângulo, em torno dos 120º. Os dígitos são compactos, ligeiramente arqueados; os coxins plantares têm sola dura e de cor escura; as unhas são fortes, curvas e escuras.

Movimentação: o Pastor Alemão é um trotador. As angulações e o comprimento dos membros são equilibrados de modo a anular a oscilação da linha superior, formando-a imperceptível, para que os posteriores aprumados possam realizar passadas com um bom alcance à frente e os anteriores igual cobertura de solo. Qualquer tendência à superangulação nos posteriores reduz a firmeza e a resistência geral. Angulações, equilibradas permitem a execução de passadas de grande amplitude rentes ao solo, sem aparentemente revelar esforço. Durante o exercício do trote, ritmado e fluente, com a cabeça projetada para a frente, a linha superior se desenha em contorno suave, harmonioso e contínuo desde a ponta das orelhas, passando pela nuca e dorso, até a ponta da cauda levemente elevada.

Pele: suavemente ajustada, sem formar pregas.

PELAGEM.

Textura do pêlo:
a pelagem correta do Pastor Alemão é o mais densa possível e dupla: pêlo e subpêlo. O pêlo deve ser reto, áspero e bem assente, curto na cabeça e orelhas, incluindo a face interna do pavilhão auditivo; na face anterior dos membros, nas patas e dígitos; um pouco mais longo e cheio no pescoço. Na face posterior dos membros, alonga-se até o nível do carpo e do jarrete, formando na face posterior das coxas, culotes de tamanho moderado.

Cor: varia desde o preto, com marcas marrons avermelhados, marrons ou amarelos, até o cinza claro. Preto e cinza unicolor, sendo o cinza encarvoado (sombreado). Máscara e manto pretos. Pequenas e discretas marcas brancas no antepeito ou uma coloração muito mais clara na face interna dos membros, são toleradas mas não almejadas. A trufa deverá ser necessariamente preta em todas as cores de pelagem. São personalizados, como sinal de pigmentação insuficiente, a ausência da máscara, os olhos claros, os penetrantes, as marcas claras e esbranquiçadas no antepeito e na face interna dos membros, as unhas de cor clara e a ponta de cauda avermelhada. O subpêlo é cinza suave. O branco não é admitido.

TALHE:

altura na cernelha - machos 60 a 65 cm, fêmeas 55 a 60 cm.

Peso - machos 30 a 40 quilos, fêmeas 22 a 32 quilos.

Faltas: qualquer desvio dos termos deste padrão deve ser considerado como falta e penalizado na exata proporção de sua gravidade.

Faltas Graves: qualquer desvio dos termos deste padrão que prejudique o desempenho no trabalho e mais: resistência geral, fortemente comprometida; orelhas de inserção lateral, muito baia, semicaídas, portadas lateralmente oblíquas ou eretas, sem firmeza; cor: defeitos graves de despigmentação; dentadura: qualquer desvio da mordedura em tesoura e/ou da fórmula dentária, com exceção das faltas eliminatórias.

Faltas Eliminatórias:

A) caráter fraco, mordedores ou de equilíbrio nervoso instável;
B) displasia coxofemoral confirmado;
C) monorquidia ou criptorquidia (ausência de um dos dois testículos);
D) deformações de orelhas e cauda;
E) exemplares portadores de deformidade;
F) dentadura com ausência de: 1PM3 mais ausência de outro dente, ou 1 canino, ou 1 PM4, ou 1 M1 ou M2, ou no total 3 ou mais, dentes;
G) exemplares portadores de defeitos de maxilares: prognatismo inferior maior que 2mm; prognatismo superior; mordedura em torquês, com todos os incisivos articulando-se de topo;
H) altura maior que 1 cm do que o descrito pelo padrão;
I) albinismo:
J) pelagem branca (mesmo que as unhas e os olhos sejam escuros);
K) pelagem dupla longa (macia mas assentada, com subpêlos formando tufos nas orelhas e franja nos membros, culotes e cauda em tufos, em bandeira, na face ventral);
L) pelagem longa (pêlo longo e macio, sem subpêlo, em geral repartida ao longo do dorso, tufos nas orelhas, franjas nos membros e sob a causa).

NOTA:
os machos devem apresentar dos testículos de aparência normal, bem desenvolvidos e acompanhados na bolsa escrotal.
 


PARA: SABER MAIS
Livros:
1) O Pastor Alemão, por Joseph Schabacher e Thelma Gray, Editora Nobel;
2) II Pastore Tedesco, por Mauro de Cillis, Editora Mursia, Milão-Itálica;
3) Pastore Tedesco, por Massimo Aquilani, Editora Sonzogno, Milão-Itália;
4) German Shepherd Dogs, por Francis Kern, TFH Publications, Neptune City, Ney Jersey-EUA;
5) The Gernman Shepherd, por Earnest Hart, TFH Publications, Neptune City, New Jersey-EUA; 6) The Book of the German Shepherd, por Anna K. Nicholas, TFH Publications, Neptune City, New Jersey-EUA.

Clubes:
1) German Shepherd Club of America-EUA, tel. (001201)568-5806.
2) German Shepherd Club of the United Kingdom-Inglaterra, (0044173) 320-2686.
3) Societe du Chien de Berger Allemand-França, (0033)7858-2801.
4) Sociedade Brasileira de Cães Pastores Alemães, (011) 577-5217
Direitos autorais do texto: Cães&Cia, é proibida a reprodução total ou parcial do texto

 
   
conheça também: