INFORMAÇÃO<Guia de raça << SPITZ ALEMÃO >>
   

Fan Clube Spitz Alemão
Deixe aqui sua mensagem e conheça pessoas que admiram a raça
clique aqui

 
 


SPITZ ALEMÃO: UMA BOLA DE PÊLOS

Conheça os tamanhos e o tipo físico ideal para a raça Ele parece uma bola de pêlos se movendo. É assim que muitos criadores definem a aparência do Spitz Alemão, uma raça com cinco variedades de tamanho, sendo que as duas menores - a Anão e a Pequena, também conhecidas por Pomerânia ou Lulu - são as mais criadas no Brasil. A aparência de bola peluda, pra lá de fofa, é obtida na sua melhor forma quando o comprimento do corpo do cão é igual à altura. Os criadores sabem há muito tempo que o Spitz deve ter tal proporção, tanto que interpretam dessa forma a exigência do atual padrão usado aqui, da Federação Cinológica Internacional (FCI), que pede um cão de "dorso o mais curto possível". Mas o documento não indica a proporção exata. Apenas num padrão mais novo, da FCI, de 1992 - ainda não traduzido oficialmente para o português, mas que Cães & Cia publica nessa reportagem -, é que a descrição passou a ser específica: "A relação entre a altura na cernelha e o comprimento do corpo é de 1:1." Enquanto a criação mundial se concentra nesse tipo de Spitz, apelidado pelos criadores de compacto ou quadrado, há um outro muito comum: o de dorso mais comprido, chamado também de tipo retangular. Tanto na Europa como nos Estados Unidos, esse mais alongado, apesar de indesejável, continua aparecendo. "Nos Estados Unidos, é bastante comum nascer exemplares alongados", relata a responsável pelo atendimento do American Pomeranian Club, e criadora há 24 anos, Jane Lehtinen. "Ainda que indesejável, criadores preocupados exclusivamente com vendas preferem fêmeas alongadas, pois dão mais filhotes", acrescenta Jane. No Brasil, a maioria dos criadores de Spitz tem em seu canil pelo menos um exemplar comprido. Ele nasce até do acasalamento entre Spitzes "quadrados". "Comecei a criar com exemplares quadrados e mesmo assim nasceram alguns com o dorso alongado", atesta Evelyn Luza de Abreu, criadora há 15 anos pelo Fox's Kingdom Kennel, em Recife. O aparecimento do tipo alongado em ninhadas cujos pais são quadrados pode ser estranho à primeira vista. Mas basta folhear livros de arte de séculos passados e mesmo do início do século 20 para achar a explicação: os Spitzes retratados são compridos, menos peludos e também maiores que os atuais Anão e Pequeno. Por isso, designar o mais comprido como o tipo antigo e original de Spitz e o quadrado como o moderno, a exemplo de alguns criadores, é correto. O valor histórico do tipo retangular é que por meio dele se obteve o Spitz quadrado, que hoje rege a criação. "Mas o tipo retangular não é desejado por qualquer padrão", comenta a cinóloga Hilda Drumond.

TIPO QUADRADO
Esse é o tipo ideal. Ou seja, com a proporção entre a altura na cernelha (ponto mais alto do dorso) e comprimento do corpo (exceto cabeça, pescoço e cauda) de um para um, como especifica o novo padrão da Federação Cinológica Internacional. Daí ser chamado de tipo quadrado ou compacto. Nele a aparência de bola de pêlos alcança a sua maior perfeição. Tudo indica que esse tipo, com proporção quadrada e pelagem abundante, só foi obtido a partir dos anos 30, quando a variedade Anão, a menor entre as cinco, passou a ser desenvolvida. "É mais simples fixar a proporção "um para um" nos Anões, pois quanto menor o cão mais se torna compacto", explica o presidente do Clube dos Spitzes na França, Roger Barenne. "Portanto, quanto maior o porte, mais fácil perder a quadratura." Faz sentido: hoje, pelo menos no Brasil e na França, a incidência de exemplares quadrados é bem maior na variedade Anão do que na Pequena e nas outras maiores, ainda que em todas se encontrem Spitzes assim. "O que predomina na França, nas exposições, independentemente da variedade de tamanho, são Spitzes com a proporção correta, mas sem dúvida é mais fácil achar os de proporção ideal na variedade Anão", garante Barenne.

TIPO RETANGULAR
Esse tipo físico de Spitz é mais comprido que alto. Por isso, é apelidado de retangular ou comprido. Ele é mais raro na variedade Anão e bem mais comum na Pequena e nas outras maiores. Até hoje, é comum que nasça em ninhadas, mesmo naquelas em que ambos os pais são quadrados. Ainda que não se enquadre completamente no padrão, a julgar-se pelos registros históricos, esse tipo de Spitz tem hoje uma importância fundamental para a raça: foi a partir dele que se obteve o tipo quadrado, selecionado ao longo de gerações. "Quando alguém vem comprar um Spitz, eu aviso que o mais comprido não é ideal para exposições", fala Zaki Zawadzki, que cria há dez anos pelo Zawadzki Kennel, em Curitiba, que até o vende mais barato.

PELAGEM
O Spitz seduz pela pelagem armada por um abundante subpêlo". Assim define o padrão. E uma pelagem abundante, é claro, está relacionada à qualidade da criação. "Exemplares com pelagem menos densa ou menos comprida que o ideal resultam, em geral, de acasalamentos mal programados", diz Jane Lehtinen, do American Pomeranian Club, nos EUA. Ainda que exemplares de dorso comprido nasçam até de bons cruzamentos - tanto que a maioria dos criadores tem pelo menos um desses - , incidem mais em acasalamentos não tão bem planejados, que podem provocar outras características indesejáveis, sendo a pelagem atípica a mais visível.

COMPORTAMENTO
Obediência: ponto forte da raça - ela ocupa a 23ª posição no estudo do canadense Stanley Coren, autor do livro A Inteligência dos Cães, que estabeleceu uma lista de obediência canina, comparando 133 raças e as classificando do primeiro lugar ao 79º. A tendência, segundo ele, é que o Spitz Anão e Pequeno obedeçam 85% das vezes ou mais a uma ordem e aprendam um comando novo com cinco repetições e, na pior das hipóteses, com 15. Temperamento Sereno: Gostam de estar perto do dono, mas não solicitam sua atenção. "Os Spitzes, quando querem minha atenção, chegam perto de mim ou se equilibram em duas patas para ver se eu olho para eles, mas não pulam ou latem", fala Joana Caldas de Holanda, que cria há dez anos, pelo Canil Jazad, em Recife, onde tem 25 Spitzes anões. Brincadeiras Comedidas: "O Spitz não é de brincar sem parar, tem alguns momentos de euforia e logo sossega", diz Zaki. Aprendizado de Higiene: A raça aprende fácil onde fazer as necessidades. "É um verdadeiro fresco quando se trata de ficar limpo", observa Zaki. "Se faz xixi no jornal, e a urina escorre e molha as suas patas, ele sai correndo, com cara de horror e só falta levantá-las para que você as limpe." Cuidados com as Quedas: Por ser pequeno e com a ossatura razoavelmente delicada, quedas e trancos podem ser graves. "Não aconselho um Spitz para quem tem cães maiores e que sem querer possam machucá-lo e me recuso a vender filhotes para crianças com menos de dez anos", declara Zaki.

NOMES E TAMANHOS: ·
Lulu é apelido da raça na França e no Brasil . · Pomerânia é o nome que americanos e canadenses usam e que em seus padrões deve ter de 1,3 a 3,1 quilos. Como a nossa criação se baseava na americana até 1986, muitos estão mais familiarizados com tal nome. · Spitz Alemão é o nome da raça no País de origem, a Alemanha, e adotado pela Federação Cinológica Internacional, que rege mais de 70 países, inclusive a maior parte da criação brasileira. · A raça Spitz Alemão é dividida em cinco variedades de tamanho: Anão, até 22 cm; Pequena, de 23 a 29 cm; Média, de 30 a 38 cm; Grande, de 42 a 50 cm; e Lobo de 50 a 60 cm. · Na criação brasileira predomina a idéia de que apenas a variedade Anão equivale ao Pomerânia, visto que o padrão oficial da FCI, que está traduzido para o português desde 1994 e cuja data original é de 1990, não comenta a respeito. No entanto, o padrão mais recente da FCI, ainda sem tradução oficial mas que Cães & Cia apresenta na íntegra nesta edição, deixa claro que tanto o Anão como o Pequeno são equivalentes ao Pomerânia.

  PADRÃO OFICIAL
FCI nº 97, de 5/2/1992 País de origem: Alemanha Utilização: cão de guarda e companhia.

Breve histórico: os Spitzes são descendentes do cão da turfa da idade da pedra "Canis bamiliaris palustris Ruthimeyer"e posteriormente dos "Cães de cidades lacustres". São a raça mais antiga da Europa Central. Numerosas outras raças são suas descendentes. Em algumas regiões o Spitz anão o de "Pomerânia".

Aspecto geral: os Spitzes seduzem pela as beleza e pelagem armada por um abundante subpêlo. O pescoço é provido de uma opulenta gola em forma de juba e a cauda espessa portada orgulhosamente sobre o dorso, que é uma particularidade. Sua cabeça com olhos vivazes lembram uma raposa e suas orelhas pequenas, pontudas lhe dão seu aspecto impertinente característico. Proporções importantes: a relação entre a altura na cernelha e o comprimento do corpo é de 1:1. Comportamento e caráter: O Sptz Alemão é sempre atento, vivo e extraordinariamente ligado ao dono. Muito receptivo, fácil de se educar. Sua desconfiança de tudo o que lhe é desconhecido, a ausência de instinto de caça fazem dele um guardião ideal para casas ou fazendas. Resistente às intempéries, vigor e longevidade são suas outras qualidades.

Cabeça - crânio: tamanho médio, visto de cima é mais largo na sua parte posterior afinando, em forma de cunha (cuneiforme) até a ponta do nariz. De perfil, apresenta um stop moderadamente marcado.

Região facial -


Focinho: proporcionado ao crânio, não muito longo.Trufa: pequena e redonda, cor preta, exceto aqueles Spitzes com pelagem marrom quando ela é marrom-escuro. Lábios: não se encobrem, são bem esticados sem vincos na comissura. São inteiramente pretos nos Spitzes de todas as variedades de cor, exceto nos de cor marrom onde eles são marrom-escuro.Maxilares-dentes: desenvolvimento normal, mordedura em tesoura, dentição completa (42 dentes) no Spitz grande e médio. No pequeno e no anão a ausência de um número restrito de pré-molares é tolerado. Mordedura em torquês é tolerada em todas as variedades.Bochechas:suavemente arredondadas sem ser salientes. Olhos: de tamanho médio, de forma ligeiramente alongada em posição um pouco oblíqua. Cor escura. As pálpebras são pigmentadas de preto em todas as variedades de cor, exceto nos de cor marrom onde são de cor marrom-escuro.Orelhas: pequenas, muito próximas, pontudas, triangulares, inserção alta, portadas eretas com ponta bem rígida.

Pescoço: comprimento médio, largo na inserção entre os ombros, portado garbosamente. Sem borbelas apresenta uma gola em forma de juba.

Tronco
Linha superior: começa na ponta das orelhas, portadas retas, bem perpendiculares e se prolonga após uma suave curva no dorso curto e reto. A cauda espessa sobre o dorso cobre uma parte da silhueta. Cernelha: bem definida. Une-se ao dorso que é o mais curto possível. Lombo curto, largo e possante. Garupa: é larga-curta não oblíqua. Peito: profundo e arqueado. A região do esterno bem desenvolvida. A caixa torácica é bem desenvolvida e o ventre moderadamente esgalgado. Cauda: inserção alta, comprimento médio. Pelagem muito espessa desde a sua raiz, portada para a frente enrolada sobre o dorso, sobre o qual se apóia firmemente.

Membros anteriores:
retos, sendo que os anteriores mais compridos. Ombros: omoplata comprida colocada obliquamente virada para trás. O braço de um comprimento mais ou menos igual forma com a omoplata um ângulo de quase 90º. Bem musculoso, firmemente ajustados à caixa torácica. Cotovelos: articulação sólida, bem ajustada ao tórax. Ante-braço: comprimento médio, vigoroso, reto com a parte posterior bem guarnecida de franjas. Metacarpo: sólido, comprimento médio forma com o antebraço um ângulo aproximado de 20º em relação à vertical. Pés: devem ser tão pequenos quanto possível, rdondos com dedos fechados (pés de gato) e bem arqueados. As unhas e almofadas plantares são pretas em todas as variedades de cor, com exceção no Spitz de cor marrom, onde são de cor marrom.

Membros posteriores:
são muito musculosos e têm até os jarretes, culotes abundantes. São retos e paralelos. Coxa e perna: são aproximadamente do mesmo comprimento. Joelho: moderadamente angulado, sólido no seu movimento, não se desloca nem para dentro nem para fora. Metatarso: comprimento médio, forte, perpendicular ao solo. Pés: os pés traseiros não são tão redondos como os dianteiros, mas os dedos são bem fechados e as almofadas plantares o mais escuras possível

Movimentação: o trote ligeiro, bom impulso, é fluente e elástico.

Pele: aderente, não forma nenhuma ruga.
Pelagem - natureza do pêlo: pelagem dupla, pêlo de cobertura comprido, reto e fechado e um subpêlo curto e espesso. A cabeça, orelhas, face anterior dos membros e os pés longo e abundante. Não é ondulado, nem cacheado ou em tufos, não se reparte na linha do dorso. O pescoço e os ombros são cobertos por um abundante juba. A parte posterior dos membros anteriores são guarnecidas por franjas. Os membros posteriores apresentam da garupa ao jarrete um culote opulento e a cauda é espessa. Cor do pêlo: Spitz; lobo; cinza lobo (nuances de cinza). Spitz grande: preto, marrom, branco. Spitz médio: preto marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e outras cores. Spitz pequeno: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e oturas cores. Spitz anão: preto, marrom, branco, laranja, cinza-lobo (nuances de cinza) e oturas cores. Spitz preto: a pele e o subpêlo devem ser escuros. Pelagem negra sem vestígios de branco ou qualquer outra marcação. Spitz marrom: a pelagem deve ser marrom escura uniforme. Spitz branco: pelagem branco puro sem nuances, particularmente amarelos que aparecem nas orelhas. Spitz laranja: unicolor, uniforme, sem apresentar tonalidades da escala internacional das cores (RAL). Spitz cinza-lobo e nuances: gradações de cinza, cina-lobo (cinza prata com gradações com preto-carvão na extremidade dos pêlos). A máscara não deve ser muito escura. A juba é mais clara. Os membros anteriores e posteriores são cinza-prateado sem marca preta embaixo dos cotovelos e joelhos. A ponta da cauda e culotes são cinza-prata claro. Spitz de outras cores: com esta denominação figuram as raças com todas as outras cores: creme- creme zibelina, laranja zibelina, preto e fogo panaché. Os cães malhados devem ter fundo branco e manchas de cor preta, marrom, cinza, laranja por todo o corpo.

Tamanho - Spitz lobo: 50 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 5 cm (admite-se até 60 cm, mas o aspecto geral não deve ser comprometido). Spitz grande: 46 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 4 cm. Spitz médio: 34 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 4 cm. Spitz pequeno: 26 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 3 cm. Spitz anão: 20 cm, pode ter uma variação para mais ou para menos de 2 cm. Os cães abaixo de 16 cms não são procurados. Peso: cada variedade deve ter peso correspondente ao tamanho.

Faltas: tudo que não corresponde ao standard deve ser considerado defeito que será penalizado em função de sua gravidade. Faltas graves: cabeça muito chata, em formato de maçã, olhos muito grandes e muito claros, olhos proeminentes. Entrópio. Trufa, pálpebras e lábios de cor clara (manchado). Defeitos de construção; movimentação defeituosa. Ausência de pré-molares nos Spitzes lobo, Spitz grande e Spitz médio.

Faltas desqualificantes: prognatismo superior ou inferior, persistência de moleira, orelha quebrada. Monorquidia ou ausência de testículos. Um testículo desenvolvido insuficientemente. Pequenas manchas brancas bem definidas em todas as variedades de tamanho, aprovado em março de 1990 pela Assembléia Geral do Clube Alemão do Spitz.
Tradução especial para Cães & Cia: Anita Soares
 


PARA SABER MAIS


Livros:
1) The New Complete Pomeranian, de Viva Leone Ricketts, editora Howell Book House, Nova York, EUA.
2) Pomeranians, de Beverly Pisano, TFH Publications, Neptune City, NJ, EUA.

Revistas:
Pom Reader, editora Joe Macginnis Business Manager, Lakeland, Florida, EUA.

Clube:
1) American Pomeranian Club, tel. (001218) 741-2117.
2) Club Français du Spitz, tel. (0033) 917-41898

Agradecemos aos nossos entrevistados. Reportagem: Marcelo Savignano e Flávia Soares (Coordenação: Flávia Soares). Texto: Flávia Soares (Roteiro: Flávia Soares e Marcos Pennachhi). Revisão técnica (secretariada por Fábio Bense): Completa: Evelyn Luiza de Abreu, José Pedutti Neto e Zaki Zawadzki. Parcial: Cesar Moscoso (Canil Lake Buena Vista) Elvira Maria Louro, Joana de Holanda, Luiza Padalino, Ricardo Domingos e Roger Barenne. Foto: Luiz Henrique Mendes Prop.: Canil Love Blue
Direitos autorais do texto: Cães&Cia, é proibida a reprodução total ou parcial do texto

 
   
conheça também: