Ano 1 - nº 12 
30 de agosto a 15 de setembro/99 

Grave sua demo acertando tudo de prima

Reprodução

por Lucélia Santana - Studio Mega - SP
Studio@internetcom.com.br

O som exige muito de nós: aprendizado e dedicação. Sempre. Estar em contato com profissionais do ramo, trocando experiências, também é uma forma de se manter atualizado e de aprender. Em matéria de som, nunca vai existir alguém que saiba tudo, porque tudo está sempre mudando.

Aqui do Studio Mega, nós também aprendemos com os erros de gravações que recebemos de outros estúdios. Porém seria bem melhor se isso não acontecesse, pois o profissional tem que ter respeito pelo seu trabalho, pelo cliente (artista) e também pelo dinheiro que é investido no projeto de gravação, quase sempre com muito sacrifício. Por isso temos que pensar em quem nos procura para realizar seus projetos, confiando e esperando de nós um trabalho profissional e de qualidade.

Para quem pretende gravar o primeiro trabalho em estúdio, existem algumas regras básicas a serem seguidas que, imagino, todos já ouviram falar mas que poucos seguem, e aí ...

À procura:

  • Procure visitar o estúdio que você vai gravar. Marque uma hora e faça uma audição de alguns trabalhos realizados pelo estúdio. Analise se a qualidade é boa, se o som é legal, se tem a ver com o seu trabalho.
  • Se possível, é bom conhecer o técnico que vai gravar o seu trabalho. Leve como referência, um CD que você goste e que tenha um som aproximado do que você deseja, para o técnico ouvir e comparar.
  • Analise os equipamentos: tipos de microfones (se há um número suficiente de microfones para microfonar todas as peças de uma bateria por exemplo, se o microfone para gravação da voz é específico ou não), os amplificadores e instrumentos que o estúdio oferece.
  • Veja de perto a bateria. Pode até ser que você gaste algumas horas a mais para montar sua própria bateria, mas se ela for melhor que a do estúdio vale a pena. Não precisa necessariamente levar tudo. Analise as peças e substitua pelas suas, as que você achar necessário.

    Se você não tem uma banda e pretende contratar músicos para tocar ou fazer participações em seu trabalho:

  • Procure levar tudo escrito (partituras/cifras). Não chame o músico pra ouvir o trabalho e decidir o que vai tocar só na hora da gravação, a não ser que seja um improviso. Mesmo assim, mande o material para ele ouvir antes, do contrário, isto consome muito tempo da sessão e o resultado quase nunca é satisfatório.

    Acertando o som:

  • Na hora de gravar a bateria, procure não ficar muito ansioso. Normalmente se leva cerca de quatro horas para acertar o som da batera. Procure gravar sem utilizar compressores, gate, etc. Já recebemos em nosso estúdio, casos de trabalhos gravados fora, onde o técnico usou tais recursos indevidamente e, não sabendo trabalhar com os parâmetros certos, os microfones acabaram não funcionando no momento em que deveriam. Tivemos muita dificuldade para acertar o som de gravações onde isso aconteceu. Mesmo assim, o resultado final deixou muito a desejar.

    Procure administrar os vazamentos de uma bateria acústica:

  • Posicionando devidamente os microfones. Converse com o técnico durante a montagem da bateria ou se já estiver montada, confira a afinação. Passe o som, grave um trecho, ouça e confira se é o som que você quer. Veja se não tem algum microfone saturado: por exemplo se o microfone ficar muito próximo ao chimbal, existe grande chance de ter saturação.

    Procure gravar os instrumentos sem efeitos:

  • Deixe para colocar efeitos na mixagem, porque uma vez posto, fica impossível tirar e nem sempre o plano em que o instrumento está durante a gravação, é o que vai rolar na mixagem. Daí o efeito que parecia bom, acaba interferindo no resultado final.
  • Os efeitos devem estar à nossa disposição para somar, e não para consertar erros de gravação. Se houver erros, concerte na hora da gravação e na mesma sessão. Se você é daqueles que gravam hoje deixando os erros para corrigir na semana que vem, já deve ter percebido que isso não dá certo. Algumas tentativas dão certo porém, a maioria acaba por ser totalmente regravada.

    Gravando Stereo:

  • Se por exemplo você vai gravar um violão e que tirar um som STEREO, tem que ficar atento quanto ao posicionamento dos microfones, para que não saiam fora de fase e um anule o outro.

    Equalização:

  • Procure captar o som como ele é, ou seja, você tira o seu som e é este o som que deve rolar nas caixas, se isto não acontecer, verifique o posicionamento dos microfones, cabos etc.
  • Peça ao técnico para deixar a gravação com o máximo de parâmetros possíveis, para que a pessoa que vai mixar, se for outra, possa trabalhar. Já tivemos em nosso estúdio a experiência com um trabalho vindo de fora, onde o técnico cortou certas freqüências e com isso, não tivemos como equalizar o instrumento para que ficasse de acordo com o que a música pedia.

    Não beber ou pelo menos, não beber demais, durante a sessão de gravação:

  • Isso pode prejudicar a sua atenção quantos aos pequenos detalhes de execução, afinação, etc. Nem todo técnico de gravação é dado a produtor musical e acaba deixando passar alguns detalhes, por isso você tem que estar ligadíssimo no que está acontecendo, e até mesmo no trabalho do técnico.

    Não leve a turma para o estúdio:

  • Geralmente a turma tumultua o ambiente. Em geral os técnicos gostam de ouvir apenas o trabalho que estão gravando. Muitas pessoas falando de vários assuntos, fazendo perguntas técnicas ou não durante a gravação, atrapalha à todos.

    Saiba mais:
    Studio Mega - São Paulo - SP
    Tel. (011) 36 67 90 59
    Studio@internetcom.com.br

  • CAPA BORAGE