Ano 4 - nº 44 
17 de julho a 10 de agosto/03 
  
Aquilo Del Nisso em "CD5" e Mandu Sarará

por Laura Campanér
laura.campaner@bol.com.br

"Olhar do Coração"

A banda paulistana Aquilo Del Nisso está com disco novo. Desta vez pelo selo Zabumba Records, o "CD5", quinto trabalho do grupo traz gravações realizadas num período de quatro anos, entre 99 e 2002.

Com dez anos de estrada a banda passou por mudanças em sua formação, o que eles chamaram de "metamorfose" e estão com três novos integrantes: o percussionista Jorge Marciano, o baterista Rodrigo Bueno e o contrabaixista Airton Fernandes.

Sem perder a excelente performance musical que sempre caracterizou o grupo, o novo trabalho mescla registros musicais das diferentes formações que teve nos últimos anos. Estão lá as músicas "Correio Elegante" (Marcelo "Beba" Zanettini), "Aquele Um" (Djavan/Aldir Blanc), "Sambada" (Rogério Costa) e "A Rã" (João Donato/Caetano Veloso), estas ainda com a participação do contrabaixista Paulo Padilha e do baterista e produtor musical André Magalhães.

"Bananeira" (João Donato/Gilberto Gil), música de abertura, conta com a participação da cantora Bia Biagi, fazendo um dueto com o saxofone de Celso Marques, que assina também o arranjo da faixa. Luciana Souza, cantora aclamada nos EUA como uma das principais vozes da atualidade, participa da música "Semeado", esta de autoria de Marcelo "Beba" Zanettini, que com sua melodia levemente exótica e ao mesmo tempo com sabor de cantiga, pontua uma letra que diz: "mas onde nasce o amor? / que vai brotando e vai crescendo como a flor / invadindo a paisagem maltratada, a cidade abandonada / inundando o céu de aromas e de cor".

Três releituras chamam a atenção no conjunto do repertório: "Autunn Leaves" (J. Mercer/J.Kazma/J.Prévert), que na concepção proposta por Celso Marques ganhou um balanço próximo aos dos ritmos caribenhos; o tema "Verão de 42" (Michel Legrand), com o arranjo de Marcelo "Beba" Zanettini, que resolveu deslocar a melodia por fragmentos rítmicos, dando ares novos a esta canção (tão cristalizada por gravações anteriores) e "A Rã" (João Donato/C.Veloso), onde há espaço para o diálogo entre os instrumentistas, num descontraído improviso musical.

"CD5" fecha com um "bloco de sopros" escrito para flautas e saxofones por Celso Marques e André Magalhães, para a música "Na Pressão?", de Celso Marques. A audição completa do disco deixa várias lembranças sonoras em nossos ouvidos e nos faz perguntar: o que há por trás da gravação de um trabalho musical? Quando ouvimos os 45 minutos do disco compreendemos que além da dedicação e competência dos integrantes do Aquilo Del Nisso, temos um "algo mais" bem diferente da vida cotidiana. Um "olhar do coração" só possível para aqueles que amam profundamente a musa Música.

Fale com Aquilo Del Nisso
www.aquilodelnisso.com
contatos para shows: (11) 46 17 4184

Marcelo "Beba" Zanettini
mbeba@uol.com.br
Celso Marques
marques.c@uol.com.br

"Cinco"
Aquilo Del Nisso
Zabumba Records / Rob Digital / ABM.I
estudiozabumba@uol.com.br
www.estudiozabumba.com.br

 

"Mandu Sarará"

No disco de estréia do quinteto Mandu Sarará, o que vemos são cinco instrumentistas profundamente mergulhados naquilo que acreditam, na música como idéia, como veículo para outras esferas, como algo que não se pode deixar de fazer, independente de um mercado musical. Vemos a música na medida certa para mostrar as composições dos integrantes do grupo.

De maneira equilibrada e democrática foram gravados três temas do guitarrista e violonista Rodrigo Bragança, três do contrabaixista e arranjador Márcio Arantes e outros três do pianista e acordeonista Lucas Vargas, formando um repertório variado e coerente, numa interessante mistura de estilos.

Somando-se ao trabalho dos três "mentores", a execução precisa e ao mesmo tempo emocional do saxofonista e flautista Beto Sporleder e a performance criativa do baterista e percussionista Mário Gaiotto (que também assina em parceria uma das faixas do disco), temos o Mandu Sarará.

A química perfeita entre os músicos é coroada com a participação de Hermeto Paschoal, grande mestre e sempre padrinho dos novos grupos de música instrumental, na faixa "Domingo" (Lucas Vargas).

Mandu Sarará como explica o texto de apresentação do grupo, "é uma expressão usada por algumas tribos indígenas do Brasil e quer dizer: português louro, galego". Mas aqui é a diversidade do "Samba Mineiro", tema delicado e de intrigante condução harmônica de Rodrigo Bragança. É a descontração do choro brejeiro "Conversa Fora" de Márcio Arantes, é o arretado marcatu "Maracapiba" de Mário Gaiotto e Lucas Vargas, que homenageia o compositor pernambucano Capiba e muito mais.

É a certeza de que a música instrumental brasileira continua produzindo excelentes trabalhos. É a prova de que a nova geração de compositores/instrumentistas pode levar, tranqüilamente, seus projetos adiante, pois há muito já estão completos.

Fale com o Mandu Sarará
mandusarara@uol.com.br
contatos: (11) 3871 2007

"Mandu Sarará"
Independente

CAPA BORAGE