Receba o boletim Borage

NOME

E-MAIL

eu falei que eu disse
Trabalhos musicais quase artesanais
Bel Carrilho Martins
borage@uol.com.br
Garimpando despretensiosamente pela Internet, feiras culturais e algumas lojas especializadas em CDs, podemos encontrar raridades musicais que, se não aproveitarmos a oportunidade, não poderemos saber quando vamos encontrar novamente tais novidades.

São registros ímpares de trabalhos que foram desenvolvidos durante vários anos. São verdadeiras pesquisas musicais. São CDs feitos por artesãos da música popular. Músicos que tecem suas composições, alheios à velocidade dos tempos modernos.

São pesquisadores que se perdem em cantigas do povo e depois nos presenteiam com jóias raras para os ouvidos.

Esses trabalhos são uma amostra da manifestação folclórica e religiosa, da rica cultura popular do Brasil. Para os apreciadores de novidades, vozes desconhecidas e música de forma ampla, segue uma pequena discografia da música do povo.

CD “Cantigas do Povo – Água da Fonte”
Ely Camargo
Gravadora Paulinas Comep
www.paulinas.org.br
comep@paulinas.org.br

O CD “Água da Fonte” é o registro de músicas brasileiras da tradição popular de várias regiões do País. Uma produção bem cuidada da Gravadora Paulinas Comep, trazendo para o universo urbano os cânticos populares e as manifestações coletivas recolhidas pela cantora Ely Camargo e pelo Frei Francisco Van Der Poel.

São cantos cheios de emoção e verdades, como o Reisado de Alagoas, onde o Reisado é um dos autos populares próprios da época natalina, Folia de Reis, Pastorinhas, Cantiga de Mendiga, Congos, Puxada do Mastro de São Sebastião, Cantos Para Pedir Chuva ou benditos de penitência, Bendito de Santa Luzia, Bendito de São José, Incelências - Cantigas de Velório e Canto de Beijar.

Além das letras das músicas, o encarte traz explicações sobre cada manifestação popular, sua região e a data do recolhimento do material.

CD “ Nzinga – Capoeira de Angola”
Gravadora Pôr do Sol
www.pordosol.com.br
contato@pordosom.com.br
www.nzinga.org.br
institutonzinga@uol.com.br
tel. 3502-2126

Em “Nnzinga – Capoeira Angola” o chamado do berimbau é para o primeiro CD do Grupo Nzinga de Capoeira de Angola, criado em 1995.

Os seguidores do lendário Mestre Pastinha, falecido em 1991, reúnem neste trabalho, chulas, ladainhas e corridos.

O repertório é interpretado pelos coordenadores do grupo, os contramestres Janja, Poloca e Paulinha e dos convidados Mestre Cobra Mansa (ICAF/EUA) e o cantor e músico Tião Carvalho, artista maranhense que está sempre a frente de manifestações culturais e artísticas.

Uma particularidade deste disco é a participação de mulheres na interpretação das músicas, Janja (que também assina a música “Capoeira é Arma Forte’) e Paulinha.

Para os apreciadores do som mágico do berimbau, o disco traz quatro faixas instrumentais com a Orquestra Nzinga de berimbaus.

CD “Festa do Divino em Mogi das Cruzes”
Independente
contatos: (11)4727-7726 / 9272-4036
rabichocomp@ig.com.br ou pedrabib@ufba.br

Produzido por Rabicho e Pedro do Carmo, o CD “A Festa do Divino em Mogi das Cruzes” registra em forma de música grupos que mantém com suas danças e cantos uma das mais tradicionais festas populares da Cidade de Mogi das Cruzes, a Festa do Divino.

Os grupos de Mogi das Cruzes são: Congada São Benedito (Capitão Chico Preto), Congada Santa Efigênia (“Capitã Mor” Gislaine), Marujada Nossa Senhora do Rosário (Capitão Nego Otaviano) e Moçambique São Bendito e Nossa Senhora do Rosário (Mestre José Tavares).

CD “Canta Meu Povo – vol. IV”
Grupo Folclórico da Casa de Portugal de São Paulo
Independente
Contatos: Casa de Portugal de São Paulo
tel/fax (11) 279-5166 / 279-5554

Criado em 10 de outubro de 1973, o grupo tem o objetivo de divulgar o folclore português ao povo brasileiro e manter vivas as tradições populares de Portugal junto aos emigrantes e luso-descendentes.

O Grupo Folclórico com o apoio da Casa de Portugal e sob a direção de Ernesto de Lemos, reúne uma “Tocata” que faz um som vibrante, com vários instrumentos familiares aos brasileiros.

A Tocata, que para os brasileiros seria um grupo ou banda, é formada pelo acordeon do português Agostinho Machado, cavaquinhos de Celso Braga, Álvaro Silva e Simão, triângulo de Antônio Pereira, o reco-reco do brasileiro Cláudio Silva, violão e o baixo do Simão, junto com o timbre pouco comum da concertina de João Gaspar e o som inconfundível das castanholas tocadas por Américo Carvalhais.

À esta massa sonora acrescenta-se os cantadores Marcelo Faustino e Dalton Camargo e as cantadoras Maria Stella Pinto, Rosita Marques e Maria Edite Pinto, além de um coro feminino e um coro masculino. O resultado é o quarto disco do grupo, com 18 músicas do folclore português.

CD “Eu quero você Agora”
Teresa de Jesus
Independente
Contatos: tel. (11) 5561-5458

Para as pessoas que acompanham a carreira de instrumentistas, poderia ter uma surpresa no trabalho independente da cantora portuguesa Teresa de Jesus radicada no Brasil, todas as músicas são do guitarrista Manuel Marques, conhecido instrumentista que se dedica a tocar guitarra portuguesa. Instrumento de seis cordas duplas, seu forma lembra um bandolim. Além de compor as canções, Manuel Marques assinou a direção musical e tocou as guitarras portuguesas.

CD “Canto Caiçara – Ubatuba – Brasil”
FUNDART
Tel. (12) 3833-7001
fundart@fundart.com.br

Gravação ao vivo em 1999, em Ubatuba, no antigo Casarão do Porto, pela Fundação de Arte e Cultura de Ubatuba (Fundart) , o disco registra a autêntica música caiçara. Um patrimônio cultural que o povo mantém vivo, através dos cantadores e tocadores da Congada de Bastões, Folia do Divino e Moda de Xiba.

CD “João Alegre – Cantador de Ubatuba”
FUNDART
Tel. (12) 3833-7001
fundart@fundart.com.br

Gravado em 1999, com apoio da FUNDART, primeiro trabalho em CD do cantor e compositor João Alegre, nascido em 1934, em Ubatuba, cidade litorânea do Estado de São Paulo. O repertório traz doze canções autorais, na maioria modinhas e serestas que tem como tema principal o mar. Encarte com apresentação de Renato Teixeira que diz:“João Alegre fez parte da minha infância e me mostrou de forma inesquecível que a arte musical se pratica com amor, alegria e desprendimento”.