Tire suas dúvidas

Alisamento, escova definitiva e coloração

NILZA ARAÚJO/ ARQUIVO DUETTO
 
Fios alisados com guanidina podem receber fórmulas como henê e henna?
ALINE CAROLINE, por e-mail
O henê é um alisante que também colore os fios, incompatível com outras substâncias alisadoras, entre elas a guanidina e o tioglicolato de amônio. “Por isso, não se deve aplicar o produto em fios alisados com esses ativos. Em relação à coloração, o cabelo trabalhado com guanidina pode, sim, ser colorido, desde que com um tonalizante, que não contenha amônia e que dê brilho aos fios. A henna e colorações permanentes costumam deixar esse tipo de cabelo mais ressecado e, por isso, devem ser evitadas”, explica a cabeleireira Ana Paula Nesi, do Studio de Beleza Sônia Nesi, no Rio de Janeiro.

Após o uso de alisante, o cabelo começou a cair e ficou bastante danificado, Por quê? Há algum produto específico para devolver os cachos ou deve-se esperar pelo crescimento dos fios?
SIMONE FERNANDES, por e-mail
Se a quebra começou após o processo químico, pode ter ocorrido algum problema, como incompatibilidade de substâncias, tração indevida, método errado de aplicação do alisante ou de proteção do couro cabeludo. “O contato direto da química com a pele da cabeça cria uma espécie de vinco na fibra capilar que, por sua vez, fica sem sustentação e quebra. Portanto, o teste da mecha é imprescindível”, explica Ueber Lima, técnico da Lusty. Já que o cabelo está quebradiço e danificado, deve ser recuperado com tratamentos intensivos. “Recomendo alta concentração de ativos de reconstrução. Ele vai minimizar a queda causada por quebra e devolver a maleabilidade e o brilho aos fios”, revela o técnico. “Se o alisamento foi realizado com amônia, é possível reaplicá-la dando o formato cacheado, mas somente após a recuperação capilar seguida pelo teste da mecha. Porém, se era algum tipo de hidróxido, não há como reverter a transformação. Apenas com o crescimento as madeixas podem voltar à antiga forma”, diz o especialista.

Os fios coloridos com henna ficaram quebradiços. Qual o melhor tratamento e que tipo de coloração pode ser usada para que isso não volte a acontecer?
SONIA BEZERRA, por e-mail
Como há vários tipos de henna (orgânica, processada quimicamente, em pó e líquida), fica difícil avaliar se a quebra foi ocasionada pelo produto. No entanto, o ressecamento, em geral, resulta da falta de alguns ativos hidratantes durante o processo de coloração ou até mesmo porque os fios estavam sem força e elasticidade para serem coloridos. “Para tratar um cabelo ressecado, indico hidratações e reconstruções com fórmulas que contenham ingredientes como gérmen de trigo, que tem propriedades nutritivas, emolientes e revitalizantes, além de ser rico em glicídios, proteínas, sais minerais e vitaminas, ensina Erinaldo Andrade, técnico da Felithi Cosméticos, em São Paulo. “Outras opções são a proteína hidrolisada de colágeno, que repara e protege, aumentando sua força e elasticidade; e o óleo de abacate, um superemoliente.” A nanoqueratinização é mais uma técnica que garante bons resultados. “Esse tratamento repõe partículas de queratina nas fissuras da fibra capilar. Com isso, o cabelo fica sedoso, hidratado e resistente a processos químicos”, comenta Zilda Pereira, do Espaço Coiffeur Longevità, no Rio de Janeiro. Na próxima coloração, convém usar tonalizante.

O que deve conter um bom tratamento para fios transformados pela escova definitiva?
CÉLIA, por e-mail
O resultado do procedimento depende do produto usado. Cada empresa desenvolve sua própria fórmula de escova definitiva. “Umas adotam relaxantes à base de guanidina, outras com tioglicolato de amônio”, explica Daniela Maia, responsável técnica da Brasil Ervas. Certos ativos devem ser incorporados ao cosmético para fortalecer e amaciar o cabelo. Entre eles estão a queratina, e emolientes como óleo de gérmen de trigo, óleo de semente de uva, proteína da seda, macadâmia, lanolina e compostos de ervas. É importante lembrar que alguns profissionais insistem em adicionar formol aos produtos, arriscando a saúde das clientes e contrariando as determinações da Anvisa. Além de proibida, essa substância não tem propriedades alisantes e ainda impede que ativos de tratamento penetrem na fibra capilar. Para devolver o brilho às madeixas danificadas, a melhor opção é a cauterização, à base aminoácidos e provitamina B5, que aceleram a recuperação dos fios. “Entre as novidades do mercado, destaco métodos eficazes que levam creatina e colágeno enriquecido com elastina”, finaliza Eder Gomes, da Glynett.

publicidade