Preços dos alimentos foram os grandes vilões em 2011, diz FecomercioSP

30-01-2012

O preço dos alimentos foi o grande vilão para o bolso do paulistano em 2011. É o que revela o Índice de Preços do Varejo (IPV), aferido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), que teve alta de 0,72% na comparação entre novembro e dezembro, fechando o ano com acumulado de 4,09%.

De acordo com o IPV, o preço dos produtos de Supermercados fecharam 2011 com elevação de 5,54% após registrar elevações ao longo de todo o segundo semestre. Mas não foi apenas neste setor que os alimentos ficaram mais caros. Nas Feiras, que registram elevação dos preços nos últimos três meses, os produtos alimentícios ficaram, em média, 4,23% mais caros desde o início de 2011.

Somente entre novembro e dezembro o preço de verduras, frutas e legumes vendidos nas feiras subiu 2,93%, 1,73% e 1,63%, respectivamente. Os mesmos produtos tiveram um incremento de preços diferente nos Supermercados. Nesse caso, o custo das verduras subiu 2,29% e o das frutas, 0,93%, já o dos legumes, caiu 1,69%.

Ao longo de 2011, os Açougues acumularam elevação de apenas 0,44%. O número, porém, engana. Isso porque o setor foi marcado por variações muito amplas ao longo do ano. Somente entre novembro e dezembro, o preço das carnes subiu, em média, 3,44%.

As carnes bovinas ficaram 4,06% mais caras no período enquanto as suínas registram incremento de 4,35%. O preço das aves, entretanto, seguiu em direção oposta, anotando ligeira retração de 0,01%. Nos Supermercados, os mesmos mesmo produtos tiveram elevação de 4,87%, 3,33% e 1,97%, respectivamente.

O preço dos Panificados também influenciou o IPV. Entre novembro e dezembro, o preço subiu 0,5%. O setor de Padarias registra elevação de preços há 26 meses consecutivos e, em 2011, acumulou alta de 7,49%.

A Assessoria Técnica da FecomercioSP aponta a instabilidade climática, com excesso de chuvas no início do ano, como o principal motivo para a elevação dos preços dos alimentos. Exceto no caso das carnes, do leite e seus derivados, que foram prejudicados pelas secas na entressafra. A FecomercioSP destaca, ainda, que devido as chuvas registradas nos primeiros dias de 2012, a tendência é a manutenção da trajetória de encarecimento dos alimentos.

No total 17 dos 21 setores analisados pelo IPV fecharam 2011 com elevação de preços. Além de Supermercados, Feiras, Açougues e Padarias, também acumularam alta: Floriculturas (16,33%); Relojoarias (13,75%); Jornais e Revista (11,4%); CDs (9,85%); Combustíveis e Lubrificantes (7,82%); Material de Escritório (5,43%); Móveis e Decorações (5,36%); Óticas (5,13%); Drogarias e Perfumarias (5,08%); Brinquedos (5,02%); Material de Construção (4,97%); Vestuários, Tecidos e Calçados (4,81%); e Livrarias (1,22%). Os únicos setores que registraram queda de preços no acumulado de 2011 foram: Autopeças e Acessórios (0,9%); Veículos (1,41%); Eletrodomésticos (2,62%); e Eletroeletrônicos (8,97%).

Links úteis aos usuários

Clique aqui e compare preços de produtos e serviços de turismo

Clique aqui e compare preços de centenas de produtos

Matérias relacionadas

- Termômetro Abramat mostra queda na utilização da capacidade industrial

- Almoçar fora de casa custa em média R$ 27,46 no país

- Taxa média de juros para famílias e empresas caiu para 37,1% em dezembro de 2011


Leia também outras matérias da seção Pesquisas:

- CANAL EXECUTIVO possui serviço de pesquisa sob encomenda

- Estudo aborda mitos da Consumerização de TI

- Estudo mostra como a crise impacta as famílias

- Estudo detalha presença corporativa nas mídias sociais

- Estudo aponta mudanças de hábitos do e-consumidor

- Estudo mostra como empresas pretendem crescer nos próximos anos

- Brasileiro está pouco preparado para a aposentadoria

- Empresas vão investir mais em mídias sociais em 2012

- Estudo aponta mudanças na experiência de assistir TV

- Estudo vê maior vantagem competitiva em empresas que adotam business analytics

- Empresários e profissionais liberais já representam quase metade dos síndicos de SP

- Estudo mapeia área de compras nas empresas

- Empresas já reconhecem vantagens do uso de geomarketing

- Classe média emergente traz desafios às empresas, aponta estudo

- Profissionais trabalham além da conta e prejudicam saúde

- Estudo traça perfil do empreendedor digital brasileiro

- Executivos do país não estão prontos para atuação global

- Executivo de marketing não sabe agir ante revolução digital

- Estudo mostra que investir no cliente dá retorno certo

- Mais da metade dos gestores não atende expectativas dos comandados

Clique Aqui e Veja Mais Pesquisas
Leia Todas as Últimas Notícias