04-04-2009
Vicky Cristina Barcelona Katita e Ruriá

SAÍDA DO CINE LUMIÈRE - EXTERIOR - NOITE

Katita e Ruriá - ele webdesigner, ela atriz - saem da última sessão de “Vicky Cristina Barcelona” e se dirigem a pé pela calçada até um pé-pra-fora do Itaim.

Discutem sobre o filme que acabaram de ver.

KATITA

- Que tal? Curtiu?

RURIÁ

- Médio.

KATITA

- Médio, é? Por que?

RURIÁ

- Sei lá, achei o filme mais offline do Woody Allen até hoje.

KATITA

- Offline? Por que?

RURIÁ

(cofiando o microcavanhaque)

- Por “n” motivos. A escolha do personagem central, por exemplo, o Juan Antônio. Quer coisa mais offline do que enfocar a vida de um pintor catalão. Em pleno 2009? Numa época onde elegem um presidente negro no país mais poderoso do mundo usando o messenger?

KATITA

- Me explica melhor isso, Ru. Dá um exemplo menos online, por favor…

RURiÁ

- Quer coisa mais offline do que uma tela de pintura? Uma tela não abre pra nada, é fechada em si. É o oposto do que a Grande Rede propõe. O filme só fica nas pinceladas, nas exposições em galerias, no meio físico. Isso é OLD SCHOOL!

KATITA

- Ué, mas ele ia enfocar em quem mais? Num engenheiro de TI? Será que dava caldo? Um cara desses conseguiria comer aquela mulherada toda, fazer elas praticarem suicídio por causa dele? Enquanto ele usasse um calculadora HP? Sei não, Ru, acho que não daria liga.

Ruriá faz uma cara entendiada. E, depois de alguns momentos de silêncio, responde ao comentário da companheira.

RURIÁ

- Olha, cada um tem o seu ponto-de-vista sobre uma história. É a web-democracia, meu bem. A minha visão é a de que o filme é off pra cacete. E, de mais a mais, a trama não dialoga com as redes sociais. Elas não podem cooperar, comentar, interagir. Em resumo, pra mim o Woody Allen não faz filmes pra Geração Y e nem conversa com a Web 2.0.

BAR PÉ SUJO - INTERIOR - NOITE

Garçom idoso coloca uma garrafa de Serramalte e dois copos americanos na frente do casal.

KATITA

- Mas por que o Woody Allen deveria estar preocupado em criar para Geração Y ou para a Web 2.0? Meu, o cara passa metade do tempo com a Penélope Cruz e a outra com a Scarlett Johansson…

Ruriá bebe um longo gole da cerveja, dá uma babadinha e usa o guardanapo para limpar o canto da boca.

RURIÁ

- Melhor pra ele, mas seria mais coerente com o tempo em que estamos. Sem contar que aqueles diálogos que ele põe na boca dos personagens...

KATITA

- Geniais!

RURIÁ

- Prolixos! Cada fala daquela não cabe em três vídeos do Youtube. O cara simplesmente desconhece web-semântica!

Kakita se irrita, pede outra cerveja. O velho garçom traz. Ela quase toma a garrafa da mão dele. Coloca no copo, sobe espuma, mas ela bebe assim mesmo, num gole nervoso.

KATITA

- Então tá, senhor sabe-tudo. Como é que você contaria a complexa história daquelas mulheres e daquele pintor catalão de uma maneira virtualmente correta?

Ruriá lança-lhe um olhar frio. E responde com grande segurança e superioridade.

RURIÁ

- Eu faria um game.

FIM










 
 
Veja também:

Crônicas
O Caseiro do Presidente
Aboboral
Limeriques e Casteliques
Letras
Privadas do Mundo
Nestor & Laika
E-mails dos Leitores

Castelorama - Home page

Fale com Castelo

 
 

Crônicas  O Caseiro do Presidente  Aboboral  Limeriques e Casteliques  Letras  Privadas do Mundo  Fale com Castelo