01-04-2002
A invasão.

Indistrito Federá, abril de 2002

Seu Fernando:

Rapaz-menino, o povo pensa que trabaiá mais prisidente é coisa fáci.

Pois eu, na lida tem mais de trinta, vinte ano, nem numas féria mais miã véia deicho de passá sobressarto.

O sinhô não deve de si alembrá, mas o combinado era que quano acabasse a tar da festança do Peagá, adespois que eu recoiêsse as tranquêra que os granfa amigo dele tiõ feito na fazenda, que eu mais a Nena pudia i descansá.

Premeiramente, o sinhô arregulô. Segundamente, disse que era pra nóis tirá só quinse dia corrido. Causo que pricisava de nóis de ôio na porpriedade, os cigano sem-terra tava calado dimais da conta.

Cãocordemo. Até purque o generá Cardoso agora só vive mitido em curiá us telefone alheio e não pode cuidá do que é do sinhô, de seus fio e do finado – que Nosso Sinhô lhe abenssoe – Sérjão.

Nóis tiã  iscoído passá uns diazinho em Brasílha. O Peagá prometeu levá nóis pra cunheçê u Puder. Disse que a passage quem ia pagá era um tar dum ministro lá do coração dele.

Arrumemo as troucha numa animassão danasca. Quem ia ficá de prontidão aqui era o Cleóso, que dos meu fio é o que tem a cabessa mais no lugá. Tava tudo certo como boca de bode.

Chamemo um táxi-charrete e fumo pra rodoviária de Buritis a mó de pegá uma condussão até o érporto. Quano távamo no mei do camim, foi aquele susto.

Rapaz-prisidente, era tanto ôimbus, mas tanto ôimbus que paricia uma procição pra Pirapora.

No mei daquele pueirão,  os cigano sem-terra dentro del's!

Quano vi aquela arrumassão, arresorvi vortá pá traiz na hora.

A Nena inda quiz se atuzigá mais eu, mas num dava pra deixá o sinhô numa situassão dessa.

Demoremo meia hora pra chegá di vorta na porpriedade.

E a chegada foi triste dimais da conta, patrãozim.

Os cabra já tinha se abuletado na casa-sede. Tavam usano fáquis, telefone, o diabo à quatorze.

Nena, as menina e eu óiavamo praquilo com cara de boi brango na hora do abatimento fatá. Os hômi tudo se adivertino; suas cueca mais as combinação de Nhã Ruth pendurado no mei da terreiro; ô vergonha do Cujo!

Só foi pió quano os hômi da Federal chegaro, falaro de acordo e adespois prendero tudo nóis. Pois é, seu Fernando, acabei viajando pra Brasílha. Só que foi pra puxá uma cana bem pertim aí do seu palássio.

Ou o sinhô me tira logo daqui, ou a porpriedade fica desprodutiva e os cigano entra de novo.

Que Deus me conserve, que o sinhô tá bem conservado.

Alencarino.

 
 
Veja também:

Crônicas
O Caseiro do Presidente
Aboboral
Limeriques e Casteliques
Letras
Privadas do Mundo
Nestor & Laika
E-mails dos Leitores

Castelorama - Home page

Fale com Castelo

 
 

Crônicas  O Caseiro do Presidente  Aboboral  Limeriques e Casteliques  Letras  Privadas do Mundo  Fale com Castelo