01-09-2002
Nena e o presidente assarapantado.

Buritis, setembro de 2002

Fernando:

Pode ficá bem assussegado. Essas má trassadas linha num é pra lhe pidí nada. Num é pra lhe jogá nada nas venta. Num é pra tomá sastisfação de coiza nenhuma. Nóis num trabáia mais pra ti, tamos aqui labutano na fazenda de seu Oswardo, num temos mais negóço junto. Maize quano vi tua fotografia no jorná, com uma cara assarapantada, meio descangotada prum lado, pensei: “Vô mandá um imêi pru Fernando. Que êita tristesa do cão que tu anda, rapaiz! Chega tá encaborjado! Só lhe vi anssim quano tu foste reprovado na iscola de tiatro. Mas isso tu era um frangotezinho de idade e de tamâim. Que é que si assussede, moço? Tu num quiria se assentá na prisidência? Se assentasse, num foi? Tu num quiria ficá oito ano largado aí, mandano e dismandano no povo? Ficasse, num foi? Tu num quiria recebê chapéu de bacharé nas facurdade do mundo todim? Recebesse uma chapelama danasca, num foi? Entonce o que é tu qué maize? Sê a rainha Lizabete, puracaso? Te apruma, Fernando. Tu tá é absoluto dimais. Deixa de ser abirobado. Esse acabrunhamento tem uma causa. Isso é puriquê, vaidozo do geito que tu és, tivesses que metê a opozição goela abaixo no fim do mandato. Escoite uma couza de uma muié inxperiente nessa vida de Deus Nósinhô. Levante as mãos pru Céu, meu fí. Mió: ajuêi aí em seu gambinete. Juêiou? Pois bem: reze uma tarde todinha essa oração bem aqui, ói:

“Chagas aberta

Corações firido

Sangue de Nosso Sinhô Jesus Cristo

Entre nóis e os pirigo”

Num tem nada mió pra aprutegê. E pra agradecê.

O disguverno que tu feiz nesses oito ano era pra sintuassão tá muito peó.

Isso foi Santa Terezinha do Minino Jesus quem botô a mão. Use a conssiência e seja franco com sua Nena: era pra nóis tá maize lascado que a Argentina, não é Fernando?

Tu num roubô, que eu sei que tu num rôba.Maize deixô roubá. Tu grobalizô. Maize o paiz agora depende dos gringo feito vaca de cocho. Tu domou a infração dos preço. Maize desempregou o paiz todim. Pra compretá, tu deixo os Jáder e os Padilha tomarem de conta do armazém. Entonce me diga uma couza: tem mutivo pra ti sair com essa cara assarapantada nas fotografia? Num foi tu quem armô a rede pra se deitar? Agora toma chá de fôia de maracujá e dróme. Maize antes de deitá, reza. Reza que senão o De la Rúa vem te pegá.

Um abrasso da ex-caseira (que não lhe esquece),

Nena

 
 
Veja também:

Crônicas
O Caseiro do Presidente
Aboboral
Limeriques e Casteliques
Letras
Privadas do Mundo
Nestor & Laika
E-mails dos Leitores

Castelorama - Home page

Fale com Castelo

 
 

Crônicas  O Caseiro do Presidente  Aboboral  Limeriques e Casteliques  Letras  Privadas do Mundo  Fale com Castelo