• Cidade
Câmara entrega título de cidadania
a Jorge Nagle e João Baptista Borges

LEGISLATIVO — Solenidade festiva ocorreu na última segunda-feira à noite


 João Baptista Borges Pereira (com a placa) e Jorge Nagle (primeiro à direita)A Câmara de Santa Cruz do Rio Pardo entregou dois títulos de cidadania na noite da última segunda-feira aos professores doutores Jorge Nagle e João Baptista Borges Pereira.
Nagle foi reitor da Unesp e secretário estadual de Ciência e Tecnologia. Ele se formou professor na escola “Leônidas Amaral Vieira” quando residiu em Santa Cruz do Rio Pardo. Ele recebeu a comenda de cidadão santa-cruzense. O professor João Baptista recebeu o título de cidadão emérito. Ele é descendente de antigos troncos familiares que ocuparam o município no século 19, provenientes da região de Caldas (MG), de onde saíram, na mesma época, as famílias Andrade, Botelho, Pio da Silva e Soares.
João Baptista Borges é bacharel em ciências sociais pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo, doutor, livre-docente e professor titular em antropologia pela Universidade de São Paulo.
Ele é autor dos livros “A Escola Secundária em uma sociedade em mudança” pela Pioneira Editora (2ª edição esgotada); “Cor profissão e mobilidade” (2ª edição reeditada este ano); “Italianos no Mundo Rural Paulista” (reeditado este ano pela Edusp). Este livro foi contemplado com o prêmio governador do estado. Outro livro “Slamo Tutti Oriundi” publicado pela Parlamat com prefácio de Jorge Amado, recebeu prêmio Abert, como a melhor edição de 1998.
Quando residiu em Santa Cruz, João Baptista Borges foi um dos locutores da rádio Difusora ao lado de José Augusto Dias, Benedito Camarinha Machado e Ávila Machado. Durante quatro anos foi diretor da emissora, logo após a saída de Teófilo de Queiroz Jr.
O professor doutor Jorge Nagle nasceu em Cerqueira Cesar em 18 de junho de 1929, mas depois mudou-se para Santa Cruz, em 1943, onde seu pai se estabeleceu como proprietário da loja “A triunfal” na rua Conselheiro Dantas.
Nagle cursou o ginário e a escola normal no atual Instituto de Educação “Leônidas Amaral Vieira”. Com a criação dos institutos superiores isolados no interior paulista (Unesp), foi contratado para reger a cadeira de história no campus de Araraquara da Unesp.
Ele também foi reitor da Unesp entre 1984 a 1988 quando encampou o campus da Universidade de Bauru (UB). Depois foi secretário de Estado da Ciência e Tecnologia do governo de São Paulo. É autor de um clássico da história da educação brasileira — “Educação e Sociedade na Primeira República” pela Edusp, 1974.