• Região
Bunge fecha unidade de Ourinhos

OURINHOS — Valorização do Real em relação ao dólar e tributação de ICMS prejudicaram a produção



Unidade da Bunge Alimentos em Ourinhos
A Bunge Alimentos vai interromper a industrialização de soja e o refino de óleos vegetais na unidade de Ourinhos no Distrito Industrial (DI). A medida vai provocar a demissão de 164 funcionários e pelo menos mais 100 empregos indiretos serão afetados com a medida. A multinacional já fechou unidades em Bauru e Cuiabá.
A interrupção é confirmada pela Asessoria de Relações Instituticonais da Bunge. Em nota expedida quinta-feira, a empresa alega que a decisão reflete a uma situação clara de mercado, que afeta a competividade da unidade. “A valorizaçao do Real e a legislação tributária — que gera créditos de ICMS na unidade e de difícil recuperação por se tratar de uma importadora de grãos de outros Estados — foram os fatores determinantes para a tomada de decisão”.
O prefeito Toshio Misato (PSDB) tentou interceder a favor da empresa, marcando reuniões com a Secretaria da Fazenda e o governo do Estado, mas não obteve sucesso. De acordo com assessores do tucano, a unidade de Ourinhos da Bunge reivindica créditos estimados em torno de R$ 20 milhões.
Em ofício expedido na última semana, o prefeito pediu à direção da Bunge para reconsiderar a interrupção da industrialização de soja, assim como o refino de óleos vegetais.
“Por mais que compreendamos as razões corporativas, é uma tomada de decisão drástica e dolorosa, não podemos ficar indiferentes ao impacto da perda e nem a sensação de estarmos sendo prejudicados demais por um desacerto causado estritamente pela conjuntura nacional adversa que esperamos temporária”, escreveu o prefeito no documento enviado aos funcionários.
A unidade começou a funcionar em 1979, quando da inauguração do Distrito Industrial na gestão de Aldo Matachana Thomé. Na atual instalação já funcionou a indústria Zillo, que foi vendida para a Ceval. Em setembro de 2000 houve a incorporação da Santista Alimentos pela Ceval Alimentos, alterando a razão social para Bunge. A empresa é líder na exportação do agronegócio brasileiro e está entre os cinco maiores exportadores do país.
A empresa, na sua atual configuração, está operando com duas divisões: Ceval na área de produtos industriais — farelos, óleos bruto, degomado e refinado, gorduras e ingredientes funcionais —; e Santista, no setor de produtos de consumo, food-service e padarias: margarinas, farinhas, pães e bolos, maioneses, pré-mesclas etc.
A Ceval adquiriu 22% da safra brasileira de soja, ou seja, 7,3 milhões de toneladas no ano, processando 5,8 milhões e exportando 1,3 milhão em grão.
“O crescimento das exportações de grão da Companhia (216,5%), em linha com o que aconteceu em todo o setor, corresponde à dificuldade que o Brasil tem de competir com o farelo e o óleo no mercado internacional, onde o país é o único a tributar a atividade, enquanto seus competidores e mesmo os compradores a subsidiam”, disse o presidente da Divisão Ceval, Sérgio Waldrich, no site da empresa disponível na internet.
Além disso, as empresas têm o ônus do ICMS quando esmagam o grão fora do estado de produção, e encontram dificuldades em recuperar os créditos correspondentes. “A conseqüência tem sido o fechamento de unidades de esmagamento nos estados do sul, como foi o caso das três da Ceval de várias outras de seus competidores”, explica o presidente da Divisão Ceval.
As vendas de óleos e gorduras apresentaram crescimento de 4,7% em volume, com a Bunge Alimentos mantendo 38% de participação no mercado com as marcas Soya, Primor e Salada.
De acordo com a nota da assessoria de Relaçoes Institucionais, a empresa está oferecendo, a 40 de seus 164 empregados de Ourinhos, a transferência para outras unidades da empresa. “Aos demais, além de todas as verbas indenizatórias que estão sendo pagas conforme determina a legislação, haverá, como suplmento, a extensão de seu plano de saúde por três meses, incluindo familiares (filhos até 18 anos), bem como a oferta de um processo profissional e especializado de acompanhamento, para ajudá-los a obter um novo emprego no município e na região”, disse. A empresa não esclarece qual o destino das instalações da unidade de Ourinhos no DI.