• Região
Ex-prefeitos criam
associação da classe em São Paulo

POLÍTICA — Ex-administradores de todos os municípios paulistas podem se filiar na entidade; uma das bandeiras é receber bonificações do governo pelo cargo exercido


POTENCIAL PARA CRESCER — Virgílio acredita que a nova associação terá de 2 a 3 mil filiados
Foi criada no último dia 21 a Associação dos Ex-Prefeitos do Estado de São Paulo (AEXPESP). Essa é a terceira organização de ex-chefes de municípios fundada no Brasil. Apenas nos Estados do Paraná e Santa Catarina existe esta associação. O idealizador do projeto é o ex-prefeito de Salto Grande, Virgílio Alexandre Guerra, que afirmou “carregar a ideia” desde meados dos anos 1960. A primeira reunião da AEXPESP contou com apenas 11 ex-prefeitos. Entretanto, segundo Virgílio, a associação tem capacidade para conquistar de 2 a 3 mil associados, já que o Estado de São Paulo tem 645 municípios e, de acordo com um levantamento feito por Virgílio, há cerca de 2 a 6 ex-prefeitos vivos em cada cidade.
“Tinha a ideia há muito tempo, desde quando precisei ajudar na compra de um caixão para o sepultamento do ex-prefeito José Andarino Sinico. Esperava que prefeitos de cidades maiores tivessem a iniciativa para criar a associação, mas como ninguém se manifestou, decidi iniciar o trabalho”, disse Virgílio.
De acordo com o estatuto social da AEXPESP, a associação tem o intuito de defender e dar assistência aos membros em razão do cargo público que exerceu, como por exemplo, prestação de serviços jurídicos, contábeis e de auditorias.
Segundo o fundador, a categoria não recebe nenhum tipo de bonificação do Estado, enquanto que ex-presidentes, governadores, senadores e deputados ganham gratificação pelo cargo exercido. “Familiares de Tiradentes e descendentes imperiais recebem bônus dos cofres públicos. Ex-presos políticos, guerrilheiros e familiares foram indenizados pelo governo”, relatou Virgílio, que disse que os ex-prefeitos saem da administração municipal marginalizados. “Não temos sequer a possibilidade de adquirir um plano de saúde para receber atendimento diferenciado, precisando recorrer ao SUS”, indignou-se.
Para o ex-gestor de Salto Grande, a classe é alvo de diversos processos de rivais políticos. “Alguns não conseguem nem se defender juridicamente dos ataques de adversários iniciados ainda em pleno gozo do mandato, e precisam recorrer à OAB”.
Além da assistência aos filiados, Virgílio informou que logo a Associação começará a fazer lobby para a votação do projeto de um deputado baiano que cria a aposentadoria a ex-administradores do executivo municipal. “Nos Estados em que há a associação, os ex-prefeitos já gozam da isenção de IPTU”, citou um exemplo de benefício conquistado pelas organizações.
Virgílio está visitando as cidades do interior de São Paulo para “divulgar e levar avante a empreitada”. Para se filiar à associação é necessário apenas ter exercido o cargo de prefeito municipal e não há nenhum outro critério de seleção.
No próximo dia 12 de maio será realizada a segunda reunião, na qual será composta a diretoria da Associação. A AEXPESP já tem a primeira sede oficial que fica em Salto Grande na rua Rui Barbosa, 510.