Resenhas literárias ao gosto do freguês
por Henry Alford
Divulgação
Romance Thirtheen moons, de Charlie Frazier
O fato deu-se em outubro do ano passado com Lev Grossman, crítico literário da revista Time. Grossman diz que ficou "realmente surpreso" ao ver, em um jornal, um anúncio de página inteira sobre o romance Thirtheen moons (13 luas), de Charles Frazier, que incluía a transcrição de uma palavra – "Gênio" – atribuída à Time.

Grossman ficou confuso porque a resenha dele "com certeza não continha aquela palavra". Ele acabou encontrando-a em um artigo anterior que havia escrito meses antes e no qual aparecia a oração: "Frazier trabalha em uma dimensão épica, mas é um gênio nos detalhes". Nas palavras de Grossman, “eles pinçaram o ponto ´g´”.

O fato deu-se comigo dez anos atrás. Em uma resenha publicada na “Newsday”, eu havia descrito o livro de memórias Pelado, de David Sedaris, como um "tour-de-farsa". Pouco depois, o editor mandou publicar um anúncio no qual meu texto de 600 palavras havia sido depurado para uma frase: "tour de force".

Chamemos isso de “resumo tendencioso”. Eu gostaria de acreditar que, enquanto as citações feitas nos anúncios de filme costumam apelar a desvarios quase histéricos de críticos marginais ou inexistentes, o mais cavalheiresco mercado editorial estaria acima de tudo isso. Mas esse não parece ser o caso, e alguns afirmam que os editores estão se tornando ainda mais atrevidos. “A coisa piorou muito recentemente”, afirmou Po Bronson, autor de “O que devo fazer da minha vida?” e membro do quadro de conselheiros da Consortium, uma distribuidora de livros especializada em editoras independentes. "Há no ar um sentimento de que: ´Ninguém mais está preocupado com isso´.” A livre edição da verborragia promocional pode atingir até apresentações que os editores pedem a autores mais consagrados escreverem sobre autores menos conhecidos. "Geralmente, os textos voltam com alterações e com a pergunta: ´Tá bom assim?´. E a versão é totalmente diferente daquela que entreguei", contou Bronson.
1 2 3 4 5 »
Henry Alford é do Book Review