Praias

Moreré

2/2/2010

Um dos últimos refúgios na Bahia


Marina Silva

Uma praia na Costa do Dendê (Bahia) guarda lindas paisagens e um sossego absoluto. A magia desse lugarejo encanta baianos e turistas, gente que não se cansa de admirar a beleza de um típico paraíso tropical. Tudo isso com uma vantagem: mesmo no badalado verão baiano, Moreré, na Ilha de Boipeba, se mantém deserta em vários trechos.


Tranquilidade é um dos principais atrativos de Moreré


Tranquilidade é um dos principais atrativos de Moreré. Foto: Eduardo Zugaib


Manguezais e coqueirais emolduram a paisagem em Moreré


Manguezais e coqueirais emolduram a paisagem em Moreré. Foto: Marina Silva


A viagem até essa praia escondida no Arquipélago de Tinharé é longa. Partindo de Salvador, o trajeto inclui ferry boat, ônibus, barco e trator. São quase seis horas de viagem nada confortáveis até a vila de Moreré, um lugarejo de casas simples, ruas de areia fofa e pouco movimento. Aqui não há carros circulando e quase não existe comunicação com o continente. Faz pouco tempo que o único telefone público da vila ganhou a concorrência de algumas linhas particulares. Hoje, a internet também funciona, mesmo que de forma intermitente, e há um pequeno cyber café para quem não consegue se desligar do mundo. Fora isso, Moreré permanece um vilarejo escondido em meio à natureza baiana.


Praia de Moreré é lugar ideal para quem quer privacidade


Praia de Moreré é lugar ideal para quem quer privacidade. Foto: Marina Silva


Água morna e transparente são um convite ao banho de mar


Água morna e transparente são um convite ao banho de mar. Foto: Eduardo Zugaib


O esforço da viagem vale a pena. A paisagem é deslumbrante com uma extensa faixa de areia a perder de vista na maré baixa. Esse, aliás, é um dos principais fenômenos do local. A maré parece brincar com os visitantes, num sobe e desce de espantar a quem não está acostumado com as surpresas da natureza. Na vazante, o mar recua bastante, formando grandes piscinas naturais. Pode-se caminhar muitos metros mar adentro sem sentir a altura da água se alterar. Poucas horas depois, a maré sobe até deixar somente uma pequena faixa de areia descoberta. Nessa dança, a paisagem se transforma. O resto fica por conta dos coqueirais, da mata atlântica e manguezais e da água transparente e morna que às vezes chega a incomodar de tão quente. À noite, o céu é um espetáculo a parte. A falta de luz elétrica em alguns pontos da vila deixa o escuro salpicado pelo brilho das estrelas. Um convite à diversão perto de uma fogueira ou uma caminhada a beira mar.


Maré baixa forma piscinas naturais.


Maré baixa forma piscinas naturais. Foto: Eduardo Zugaib


Rio é um dos atrativos da Praia da Cueira


Rio é um dos atrativos da Praia da Cueira. Foto: Eduardo Zugaib


Mas Moreré e sua vizinhança tem muito mais a oferecer: mar com onda na Praia de Bainema; bar flutuante, restaurantes simples com forno á lenha, piscinas naturais com peixinhos coloridos, rio encontrando com o mar e passeio a cavalo na Praia da Cueira, passeios de barco, e muita, muita, natureza.


Esse é um dos últimos segredos do litoral baiano que vem sendo descoberto aos poucos. Um daqueles lugares onde o ritmo é ditado pelo balanço do mar e a praia nos convida a ficar nessa malemolência para sempre. Foi o que fez Tony e Susana, um casal de ingleses que largou tudo, comprou uma pousada na vila e se mudou para Moreré há quase três anos. Como diria Tony, "esse é um lugar especial, onde o estresse não existe". Seja bem-vindo à Moreré!


Bar flutuante em meio à natureza


Bar flutuante em meio à natureza. Foto: Marina Silva


Onde comer

Como em quase todo o litoral baiano, o prato típico de Moreré fica por conta de tudo que o mar produz. Na praia há vários restaurantes simples, que nos fazem sentir como se estivéssemos em um almoço no quintal de casa. Um dos mais famosos é o Mar e Coco, o primeiro da região, que tem como carro-chefe a moqueca de camarão com banana da terra (R$45), muito bem servida para dois.


Não deixe de experimentar o bolinho de aimpim com frutos do mar, outra iguaria especial de Moreré, os sucos de fruta natural e lagosta a preço módico. E vale mais uma dica: durante a alta estação, os pratos mais pedidos costumam acabar na maioria dos restaurantes. Quem gosta de almoçar mais tarde, é aconselhável reservar o pedido logo cedo.


Restaurante Mar e Coco: comida caseira à beira mar


Restaurante Mar e Coco: comida caseira à beira mar. Foto: Marina Silva


Onde ficar

Moreré tem sido cada vez mais visitada por jovens e mochileiros. Talvez por isso a quantidade de campings seja grande, apesar da estrutura bem simples. A diária custa R$ 15 por pessoa e sai por R$10 a partir de cinco dias de estadia. Há também algumas pousadas para quem não abre mão de um pouco de conforto: Pousada da Mangueira, na vila, (www.pousadadamangueira.com), Chalés Colibri (www.pousada-boipeba.com) e Alizées Moreré Pousada (www.ilhaboipeba.org.br/alizeesmorere.html) são algumas das melhores opções.


Como chegar

Moreré está situada na Ilha de Boibepa, próxima a cidade de Valença. Partindo de Salvador, a viagem inicia-se no ferry boat, no Terminal de São Joaquim até a Ilha de Itaparica (a partir de R$3,95 por passageiro e 33,30 para carro pequeno). Segue-se por estrada até Valença. Daí partem lanchas rápidas até Boipeba (R$35 por pessoa) numa viagem que dura cerca de 1h20. Quem quiser economizar, pode optar por uma viagem mais longa. De Valença parte o Expresso Torrinhas, que inclui ônibus até Torrinhas e travessia de barco até Boipeba por R$12, numa viagem de 3h a 4h. Em Boipeba ainda é preciso pegar um trator (R$5) até Moreré. Partindo de Morro de São Paulo, é possível chegar a Boipeba de lancha rápida, cerca de 20 minutos, de barco, 3h ou de carro 4x4, num passeio de 2h pelas praias e matas da ilha.

Share