Notícias
11 de fevereiro de 2009
Música pré-histórica
por Bruno Fiuza
Museu Nacional do País de Gales
Reprodução de parte da pauta que o Simon Thorne escreveu para a apresentação e os dois dentes de um neandertal encontrados na caverna de Pontnewydd
No último fim de semana, o Museu Nacional do País de Gales promoveu um concerto no qual foram executadas, provavelmente, as primeiras “peças musicais” da história da humanidade. Em meio às atividades do festival Archaeology 2009, realizado na cidade de Cardiff, o compositor galês Simon Thorne apresentou uma recriação da “música pré-histórica”, que os neandertais utilizavam para se comunicar.

De acordo com o site do Museu Nacional do País de Gales, Thorne passou um ano trabalhando com os pesquisadores da instituição para descobrir como os neandertais criaram os primeiros rudimentos da linguagem humana a partir de sons, e não de palavras. Essa tese é defendida pelo professor de arqueologia Steven Mithen, da Universidade de Reading (Reino Unido).

Em seu livro The singing neanderthals: The origins of music, language, mind and body (Os neandertais cantores: As origens da música, da linguagem, da mente e do corpo), Mithen afirma que a linguagem desses hominídeos era mais musical do que a dos humanos modernos, e que essa espécie ancestral usava tanto as palavras quanto o canto para se comunicar. O pesquisador defende, ainda, que as vozes dos neandertais eram potentes e melódicas, o que fazia deles grandes cantores.

Para reconstituir a música dos neandertais, Thorne chegou a estudar fósseis da espécie. Acompanhado por especialistas no assunto, visitou a caverna de Pontnewydd, em Denbigshire, onde foram encontrados os vestígios mais antigos da presença de neandertais no País de Gales, datando de 230 mil anos atrás. Os neandertais foram uma espécie que precedeu o homo sapiens e viveu na Europa entre 300 mil e 28 mil anos atrás, quando os modernos humanos colonizaram seus territórios.
Bruno Fiuza é editor da revista História Viva.
© Duetto Editorial. Todos os direitos reservados.