Revista                   JB
 
 Anuncie Grátis
 Assinatura
 Cartas
 Conta-Gotas
 Contato
 Curta a Baixada
 Economia
 Editorial 
 Empregos
 Espaço Aberto
 Esportes
 Guia JB
 Horóscopo
 Internacional
 Opinião
 Publicidade
 Receita
 Religião
 Resumo Novela

 

 Quer anunciar
 grátis no JB?




 Importante:
  
 Esta seção é
 só para pessoas 
 físicas que
 queiram se
 desfazer de algo

 

 

 


Comportamento
Vigorexia
A doença das academias 

Silvana Martani
Psicóloga
 

Corpo sempre foi objeto de desejo  e s edução e cada época da História cultuou um  modelo a ser alcançado. Nos últimos anos, o objeto masculino é o corpo musculoso que transmite a idéia de vigor  e força e, é atrás dessa idéia de força  e poder, que alguns adoecem gravemente.

Vigorexia (ou Overtraining, em inglês), é a dependência ou fixação por exercícios, um transtorno que leva o indivíduo a realizar práticas esportivas de uma maneira fanática, independente das conseqüências que este exagero possa causar ao corpo.

Esse tipo de Transtorno Dismórfico Muscular (TDM) é mais comum em homens e, com certeza, tem sua origem nos padrões de beleza vigente. Estar malhado, sarado é estar lindo e é o que qualquer jovem deseja para se sentir aceito, seguro em seu grupo de convivência ou mesmo nos ambientes em que se insere e alguns são capazes de tudo para atingir este padrão e gozar de todos os seus “benefícios”.

Os jovens são vítimas constantes do padrão de aceitação físico divulgado pelas revistas, TVs e outros meios de comunicação. Estes veículos ditam regras de comportamento e beleza e, quanto mais jovem, mais suscetível a esse tipo de massificação. Dependendo da maneira de como é criado e da sua estrutura de personalidade, a dificuldade para se aceitar da maneira como se é e, com os limites que se tem, será maior ou menor.

De anabolizantes, complementos alimentares e vitaminas, às drogas para não sentir dor, vale tudo para ficar “bombado”. As academias e seus inúmeros espelhos representam o sonho de muitos e a agonia de tantos.

Este homem, independente de seus músculos já serem bem desenvolvidos, se enxerga franzino no espelho e muito aquém do que gostaria, o que o leva a se exercitar várias horas todos os dias e nunca estar satisfeito. Devemos entender que este jovem desenvolveu um comprometimento do esquema corporal gravíssimo que o faz sofrer, e muito.

Esse tipo de transtorno acomete indivíduos com baixa auto-estima, inseguros, tímidos e introvertidos que acreditam que a aparência física irá transformá-los em alguém de sucesso e que vai conseguir o que quer. Como o modelo perseguido é perfeito em todos os aspectos e a imagem no espelho representa a imperfeição completa, essa necessidade se transforma em obsessão e doença emocional.

Frustrados pela imagem idealizada, os jovens passam a sofrer as conseqüências de sua compulsão, podendo apresentar crises de ansiedade, depressão, fobias, comportamentos compulsivos e repetidos (se olhar no espelho seguidamente, medir a largura de seus músculos), entre outros sintomas. Este tipo de transtorno pode ser percebido desde a infância ou puberdade.

Os pais devem ficar atentos. Quando o filho evita se expor, se esquiva dos compromissos e se mostra muito angustiado, o problema se agravou definitivamente. É neste momento, os pais precisam procurar ajuda para si e para o filho, pois todos já estão sofrendo.