Capa da EdiçãoEditorialO CaiçaraOpinião |  Estamos de Olho
ArpoandoTurismo |CulturaPoliciaisEsporte

Espaço reservado para seu anuncio 

Ubatuba perdeu, no último dia 19, um de seus mais importantes moradores

Ubatuba perdeu, no último dia 19, um de seus mais importantes moradores. Washington de Oliveira, conhecido como Seu Filhinho, faleceu aos 93 anos. O enterro aconteceu no sábado, dia 20, no cemitério Santa Cruz.
Seu Filhinho 
Nascido na cidade de Ubatuba no dia 30 de março de 1906, Seu Filhinho, foi referência da história recente de Ubatuba. Antigo dono de farmácia, foi o único profissional de saúde residente na cidade na primeira metade do século, resolvendo casos que iam de cirurgias dentárias e algumas operações de emergência. Foi escrivão de policia, legista e agente do Lloyd. Na política, atuou como vereador, presidente da Câmara Municipal e prefeito. O Plenário da Câmara recebeu seu nome, numa justa homenagem.
Depois que fechou a tradicional “Farmácia do Filhinho”, Washington se dedicou à história e à literatura. Tendo sempre uma grande preocupação de registrar os fatos mais importantes da cidade, tanto históricos, como políticos e sociais para preservação da memória caiçara, escreveu três livros. Ubatuba Documentário, seu livro de estréia, relata a formação do Município e é uma das mais completas obras de referência sobre Ubatuba. Seu segundo livro editado foi Lendas e Outras Estórias, uma obra de ficção que traz à tona o folclore. Já o cotidiano da história recente de Ubatuba está em seu terceiro livro, A Farmácia do Filhinho.
A Fundart prestou homenagem a Seu Filhinho com o Concurso de Contos , que leva seu nome e está em sua nona edição. Outra demonstração de carinho e respeito foi recebida dois dias antes do falecimento, quando a Fundart organizou a visitação da Folia de Reis que, junto com membros da comunidade e familiares, homenageou Seu Filhinho.
Washington de Oliveira, “Seo Filhinho”, nasceu a 30 de março de 1906, na cidade de Ubatuba, Litoral Norte de São Paulo. Formou-se na Escola de farmácia de Pindamonhangaba, retornando em seguida à terra natal, onde, por mais de cinqüenta anos, dirigiu a Farmácia do Filhinho, fazendo as vezes do médico que durante duas décadas faltara à cidade. Por duas ocasiões, 1936 e 1945, ocupou a Prefeitura Municipal e sempre esteve presente aos eventos mais significativos de Ubatuba. No cenário literário, estreou tardiamente com o livro “UBATUBA - documentário”, verdadeiro acervo da história ubatubense no período compreendido entre 1500-1937.
“UBATUBA - Lendas & outras Estórias” revela a nova faceta do escritor: a de ficcionista. Desta vez, o autor não precisou recorrer aos arquivos para estabelecer o passado, nem debruçar-se sobre anotações históricas no tampo da escrivaninha. Bastou-lhe memória, tão cara àqueles que sabem viver intensamente sua época, para nos retratar personagens e situações de Ubatuba antiga. 
“A Farmácia do Filhinho” relata estórias dos trinta e poucos anos que passou à frente de sua farmácia, atendendo mazelas que exigiriam a figura de um médico... se médico houvesse em sua cidade.
“Seo Filhinho” não foi um historiador, mas um contador autêntico, um registrador exato dos feitos de Ubatuba.
Assim cada cidade tivesse um Washington de Oliveira para que suas histórias se constituam na história que fica.Ubatuba fica sem a memória viva da história recente do Município E o nosso querido Seo Filhinho finalmente descansou. Vai deixar muita saudade mas já havia cumprido seu papel de cidadão sempre em prol da cidade de Ubatuba e, diga-se de passagem, fez muito além do que todos nós e não apenas por ter vivido muito mas, principalmente, por sua postura.
Tive a feliz oportunidade de conviver com Seo Filhinho em dois momentos da minha vida. O primeiro deles na minha infância, quando sofria algum pequeno acidente durante a temporada e minha mãe prontamente me levava àquele homem que, apesar de muito sereno e tranqüilo, me metia medo porque muitas vezes lá vinha uma injeção. O segundo nos quatro anos que estive à frente da Fundart quando fizemos diversas visitas e homenagens àquele que, sem dúvida nenhuma, era o cidadão mais importante desta cidade. Nesse sentido, retomamos o concurso literário que leva seu nome (inclusive, contando com sua presença em 1.999), participamos de serestas junto com sua irmã D.ª Ophelia, aniversários com a Lira Padre Anchieta e tantos outros bons momentos.
A última vez que nos vimos foi quando da apresentação dos Cavaleiros do Novo Milênio na Igreja Matriz, no dia 20 de agosto de 2.000, onde mais uma vez Seo Filinho se pronunciou com muita propriedade e declarou sua alegria por ter tido a oportunidade de assistir tão belo espetáculo.
Seo Filhinho, para quem não sabe, foi o “médico” desta cidade, um dos poucos que registrou em livros a história de Ubatuba, poeta, compositor, foi vereador, prefeito, homem digno e honrado que sempre defendeu sua terra e sua gente. Foi o único que ao seu tempo foi contrário à chamada modernização, à derrubada dos casarões antigos e à expansão das construções “modernas” que descaracterizariam Ubatuba. Na época, foi duramente criticado mas hoje se percebe que ele tinha razão. Talvez por isso ele tenha ido em boa hora, em um momento que Ubatuba está ameaçada do golpe fatal com a “brilhante” idéia da verticalização. Desse modo, ele foi poupado de ver mais um avanço na destruição de sua querida Ubatuba e de sua gente devido à ganância dos “poderosos”. 
Seo Filhinho, descanse em paz e tenha a certeza de que cumpriu com muita dignidade seu papel de cidadão. Tenha a certeza que deixará saudades mas que será sempre lembrado por aqueles que souberam lhe dar valor. Vá tranqüilo com a certeza de que aqui se faz e aqui se paga e por isso Deus lhe concedeu a bênção de viver por tanto tempo e com muitas pessoas de caráter à sua volta, lhe amando e respeitando muito.

Um grande beijo e todo meu carinho

Eliane Inglese - Lili