Cultura

 

 

Aprendendo com a natureza a ciência de esculpir e pintar!


“Viver é uma ciência para poucos... Alguns passam pela vida, outros fazem história... Fazer do trabalho sua inspiração é um dom, aprender com o ritmo da natureza e transportar toda sabedoria para suas obras de arte é o que o nosso ilustre escultor Da Motta mais sabe fazer!”

O renomado escultor José Vicente Doria Da Motta Macedo, 70, reconhecido artisticamente como Da Motta, seis filhos, 18 netos e cinco bisnetos, esposo da cúmplice Isabel há 44 anos, vive a vida fazendo arte!
Ele diz que aprendeu observando o movimento da natureza, que também se faz sua religião. É através dela que aprendeu a sentir, a amar e a criar... seu mundo e suas obras de arte. Com formação do primeiro grau completo, ele diz ser um verdadeiro autoditada, aprendendo com que a vida lhe proporcionou. Afirma que todo artista é interessado em tudo. Assim, ele vai em busca de conhecer um pouco de tudo: física, química, sociologia, história, enfim, todas a ciências. 
Quando veio para Ubatuba, em 1.967, com 35 anos, ele já tinha cinco filhos; o último é caiçara ubatubense. Dos seus filhos, Daniel seguiu sua veia artística; Augusto e Sérgio Motta tornaram-se campeões de surf (hoje, com vasta experiência, são juizes das provas); Sérgio, Lavínia e Maria Lúcia têm profissões um tanto comuns para nosso mundo globalizado. Trabalhando cerca de 12h por dia: “É o que o feijão da manhã agüenta”, (diz o sempre humorado e cheio de anedotas Da Motta), ele já produziu aproximadamente três mil esculturas, sem contar as pinturas e os painéis gigantescos eternizados em várias cidades. Um deles, na sala de música da Faculdade Salesiana de Filosofia de Lorena, elaborado em 1.959, ilustra os músicos do Brasil; painéis que ilustram alegorias de carnaval, outro de cimento branco, em pó de mármore do Colégio São Joaquim, de Lorena, também registram o talento do artista em outras cidades. Os trabalhos mais importantes para nosso município foram a montagem do Museu Histórico e Pedagógico de Ubatuba, em 1967, na época da administração do prefeito Ciccilio Matarazzo e o troféu do concurso literário Idalina Graça, esculpindo a imagem perfeita daquela que seria considerada sua mãe, adotada pelo coração. Enfim, este é um pouco do nosso Da Motta. 
Quem quiser adquirir suas peças, podendo ser encomendadas, poderá visitar o seu rústico Galpão-ateliê, na av. Félix Guisard, 348, ou informações pelo fone: (12) 433-1090.

Fundart revive tradição do Carnaval caiçara

Um carnaval diferente e inédito vai animar a avenida este ano. Figuras que fizeram parte das festas de antigamente estarão de volta, principalmente os blocos de bois, os bonecões e mascarados que faziam sucesso no passado. Tudo isso com música própria e marcação do ritmo com seus instrumentos. “ A Fundart está apostando num Carnaval cultural, com cara de caiçara ,trazendo para o público uma tradição legítima que será retomada com o mesmo espírito alegre da festa. Será ainda uma chance de matar a curiosidade de como era o Carnaval do passado”, diz Silvia Thomas Issa, presidente da fundação.
O tema é “Carnaval Caiçara” e a Fundart vem montando a programação prevendo a apresentação de cinco blocos de dança de boi, quatro de enredo e três de embalo. Os blocos de boi são do Garça (Perequê-Açu); Furioso (Sumidouro); Conchas (Ipiranguinha); Dourado (Centro) e Matraca (Taquaral). Blocos de enredo, com tema e música própria, carro alegórico e instrumentos de percussão são da Estufa, Ipiranguinha, Fio de Ouro (Itaguá) e Conchas, que também desfila nessa categoria. Finalmente, os blocos de embalo, vão desde o caçula “Recordar é Viver” até os mais antigos como Cachorrada, Galo da Meia Noite e Trópico das Artes. Após o desfile dos blocos a banda “Última Hora”, formada por músicos da própria Fundart, anima os foliões na Av. Iperoig a exemplo do que ocorreu com sucesso no reveillon. A programação detalhada quanto a apresentação dos blocos será levada ao conhecimento do público, após definição da Fundart de comum acordo com as diretorias das entidades.


Artistas reúnem-se para fazer do 
“Verão & Arte” uma estação glamourosa


O evento Verão & Arte, que já virou tradição em nossa cidade, realizado nas dependências do Ubatuba Iate Club, através da produção Paula&Nanni Arte e Eventos, vem ganhando adeptos a cada ano. Por lá passam, o ano inteiro, curiosos para ver as novas tendências artísticas de nossos talentos locais capazes de harmonizar lares, enriquecer o ambiente de trabalho, enfim, deixar qualquer lugar simplesmente glamouroso! Ou até mesmo fazer parte da beleza humana, como é o caso da criação de jóias raras de Lenina ou as cangas delicadamente pintadas e criadas por Paula Poyares. 
O salão de exposição está composto pelos talentos: Adriana Rodrigues, Malu Ramos, Antônio Coutinho, Juan Falcón, Carlos Brito, Lucimar Pereira, Fernando Reis, Benjamin Gonzalez, Jussara Cordeiro, Lenina Mariano, Pauli Gil, Vasconcelos Miranda, Paula Poyares, Ana Paula Moran, Ruth Cavalheiro e Dênico Pavan e os convidados Iracema de Almeida, Ju Corte Real, Mary Santiago Bilbao, Mira Melchior Caristo, Sauro del Col e Yeda Pieroni. 
O horário para visitação de sábado a domingo é das 15h às 21h e, de segunda a sexta-feira, das 15h às 18h, na av. Plínio de França, 378 - Saco da Ribeira.


Atendimento da Fundart

Desde o início de janeiro a Fundart estabeleceu novos horários de suas instalações para melhor atender ao público. O Museu Histórico, na Praça Nóbrega, pode ser visitado de terça a domingo, das 14h às 20h. A Lojinha da Fundart, no térreo do Sobradão do Porto, onde estão à venda obras literárias de autores locais e o autêntico artesanato de nossa cidade, funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 18h. O Salão de Exposições, onde no momento estão expostas as obras do artista plástico Benjamin Gonzalez poderá ser visitado de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h e das 14h às 21h. Sábado e domingo, o local fica à disposição do público das 15h até 21h.