Universo Online

   

Elektro prevê economizar 26 GWh com o horário de verão

 

A Elektro espera economizar cerca de 26 GWh de energia durante a 37ª edição do Horário de Verão (2007-2008), que terá início à 0h do dia 14 de outubro de 2007 e terminará à meia-noite do dia 16 de fevereiro de 2008.
A economia de energia prevista para a área de atuação da Elektro corresponde a 0,6% do consumo total estimado para o período de vigência do Horário de Verão nos municípios atendidos pela empresa, que abrange 223 cidades do Estado de São Paulo e 5 do Mato Grosso do Sul.
Trata-se de um volume de energia equivalente ao consumo de 170 mil residências durante um mês (famílias com um consumo médio de 155 kWh/mês).
Em relação à demanda em horário de ponta (período de máxima utilização dos sistemas elétricos e que compreende as primeiras horas do anoitecer), é esperada uma redução de 4,4%.
Essa redução corresponde a 87 MW de demanda no horário de ponta na área de atuação da Elektro, o que equivale a duas vezes a demanda máxima de uma cidade do porte de Campos do Jordão, que possui 50 mil habitantes ou metade da demanda de uma cidade como Limeira, que possui 270 mil habitantes.
O horário de verão tem como principal objetivo reduzir a demanda de energia durante o horário de pico do sistema elétrico brasileiro.
A conjunção de alguns fatores como, por exemplo, a mudança de comportamento dos consumidores, o término do expediente de trabalho ainda com luz natural, associado ainda ao início da utilização da iluminação pública um pouco mais tarde, acarreta uma queda do consumo de energia no horário de pico.
Com essa redução, ocorre uma melhoria da qualidade e da segurança no fornecimento de energia elétrica e isso é especialmente importante para as cidades litorâneas, onde a alta temporada proporciona aumentos significativos no consumo de energia elétrica.
O horário de verão é um recurso adotado por diversos países do Hemisfério Norte (de março a outubro) e do Hemisfério Sul (outubro a março). Entre eles estão alguns países da Europa, os Estados Unidos, Rússia, Austrália, Nova Zelândia, Chile, Paraguai e Uruguai.