Você sabe como funciona o código binário?

Para quem quer entender como os computadores funcionam, é imprescindível saber o que é e como é o código binário, que é a forma com que as máquinas “entendem” o que “dizemos”.
O código binário é um sistema de numeração que possui apenas dois algarismos: o “1” e o “0”. É como o sistema de numeração arábico (usado por nós), que quando chega ao 9, retorna ao 0, mas como o código binário só possui dois algarismos, quando se aumenta 1 ao valor 1, volta-se ao 0.
Mas, para entender realmente como isso funciona, vamos começar do começo. Quando os primeiros computadores foram projetados, viu-se a necessidade de se representar, com valores diferentes todos os números; letras maiúsculas, minúsculas e acentuadas e símbolos diversos. Calculou-se que seriam necessários aproximadamente 250 códigos diferentes.
Sendo assim, cada caracter diferente (número, letra ou símbolo), recebeu um valor respectivo. O “A” maiúsculo, por exemplo, foi chamado de 65, o “B”, 66 e assim por diante.
Mas como representar esses valores, um a um, de uma forma exata e única para cada valor?

Exemplo da lâmpada
Vamos a um exemplo muito comum quando se explica como funciona o código binário.
Suponhamos que alguém deseje iluminar uma sala com exatamente 167 watts. O responsável pela iluminação implanta um sistema com um potenciô-metro (barra deslizante, como os botões de volume dos aparelhos de som antigos) com marcações divididas de 10 em 10. Para ajustar a iluminação em 167 watts então seria só deslocar o botão um pouco mais pra frente da metade da marcação entre 160 e 170. Deu certo? Não. Este “um pouco mais pra frente da metade” é muito impreciso. A iluminação poderá ficar em 166,8 watts, como em 167,2 watts, por exemplo, e a iluminação deveria ficar em 167 exatamente. Como faríamos, então?
Para esta tarefa um tanto incomum, deveríamos instalar oito lâmpadas. Cada uma delas com valores dobrados de potência, começando com a primeira, que teria 1 watt. Então, a segunda teria 2 watts; a terceira, 4 watts; a quarta, 8 watts, e assim por diante, até a oitava, que teria 128 watts. A curiosidade matemática nisto, é que cada valor de cada lâmpada, são potências de 2.
Para acionar o valor 167 watts, teríamos de ligar a primeira, a segunda a terceira, a sexta e a oitava lâmpadas. Considerando o valor “1” para ligado e “0” para desligado, teríamos: 10100111, sendo que a primeira lâmpada é a da extremidade direita.

Aplicação
Nos computadores, foi implantado um sistema parecido com este. O código binário, como o nome sugere, possui apenas dois algarismos: o “0” (desligado) e o “1” (ligado). Cada um desses oito valores foi chamado de bit, que é a menor unidade de informação. Então, para se representar qualquer valor entre 1 e 256, basta ligar ou desligar os bits.
Concluindo, o “A”, que é o 65, em linguagem de máquina, se transformou em 01000001, o “B”, que é o 66, 01000010 e assim sucessivamente. Pensando assim, quando pressionamos a letra A no teclado, o que é enviado ao processador do computador é o correspondente binário do valor 65 – 01000001.
O conjunto de oito bits agregados forma o byte, que corresponde, portanto, a um caracter.

Múltiplos
Chegamos então, às unidades de informação.
O conjunto de 1.024 (210) bytes, forma o quilobyte (Kbyte); 1024 Kbytes, formam 1 megabyte (Mbyte); 1024 Mbytes, formam 1 gigabyte (Gbyte); 1024 Gbytes formam 1 Nanobyte (Nbyte).
Com tudo isso, concluímos que quando se diz que, por exemplo, um disco rígido tem capacidade de armazenamento de 4,3 Gbytes, ele tem capacidade de armazenar aproximadamente 4 milhões e 500 mil caracteres.
Esse é um assunto muito interessante para quem gosta muito de matemática e de computadores. Infelizmente, para muitos, é muitíssimo complicado. Se você não entendeu “bolhufas” do que foi explanado aqui, não se preocupe, seu micro funcionará mesmo assim!
Primeira Página