Capa da EdiçãoEditorialO CaiçaraOpiniãoInformáticaEstamos de Olho
ArpoandoTurismoCrônicas de NYCulturaPoliciaisEsporte

 

Paulo Ramos  


Pre Candidato a Prefeito Foto arquivo pessoal O caiçara Paulo Ramos, 43 anos, é casado com a prof.ª Cláudia Regina Fonseca e tem dois filhos: Paulo, 6 anos, e Júlia, 8.
Formado em História e Geografia, licenciou-se também em Administração de Empresas. Pré-candidato à prefeitura municipal pelo Partido de Frente Liberal (PFL), atuou na administração pública do município como vereador (82/88), vice-prefeito (88/92) e prefeito (92/96).
A Semana: - Porque ser prefeito novamente?
Paulo Ramos: - A cidade precisa encontrar seu rumo. Precisamos todos nos unir em direção ao desenvolvimento de Ubatuba, que precisa urgentemente de ação e trabalho para alcançar de novo a luz do sucesso. A nossa população precisa emergencialmente de empregos e segurança. Neste momento difícil que a cidade atravessa, acredito que ela poderá se refazer usando de experiência e trabalho; principalmente muito trabalho, através de uma ação administrativa e executiva baseada na honestidade e competência. Creio que me encaixo neste perfil, por isso, desejo trabalhar diretamente com o povo, através de mecanismos que permitirão a participação e fiscalização popular em todas as etapas de decisões.
AS: - Você acha que a cidade está carente de novas lideranças?
PR: - A Cidade está carente de competência, de empregos, de segurança, de comércio, de movimento. Por mais capazes que sejam as novas lideranças, que sempre surgem e nem sempre vingam, nada, mas nada mesmo, substitui a experiência. A cidade não suporta mais erros, é preciso acertos daqui prá frente. E liderança não é só vontade de fazer. É preciso trabalhar, agir rápido. Não podemos mais ficar de braços cruzados. É trabalho, trabalho e trabalho.
AS: - Quais os principais tópicos do seu plano de governo?
PR: - Em primeiro lugar, a geração de empregos; em segundo, empregos e em terceiro, empregos, através da implantação da indústria turística, da retomada da construção civil, etc. Assim, teremos menos violência; isto, aliado a um plano de segurança com rondas comunitárias nos bairros, um batalhão feminino de guardas escolares, equipamentos e treinamento para a guarda municipal; desenvolvimento sustentado com projetos de médio e longo prazo, que não dependa do prefeito do momento; preservar e melhorar a qualidade de vida com projetos específicos e modernizantes para as áreas de educação, saúde, lazer, esportes. O plano de governo está em fase de elaboração.
AS: - O que você pensa a respeito do turismo?
PR: - Em breve, o turismo será a principal fonte econômica do planeta. No Brasil, já é o terceiro item da balança externa. Na nossa cidade, que já tem vocação turística natural, a implantação de uma política industrial de turismo poderá gerar, só nesta área, 3.000 empregos/ano. O importante é frisar que isto representa a redenção de Ubatuba: só é necessário competência e trabalho.
AS: - Como você vê a administração pública da cidade?
PR: - Este modelo administrativo já se esgotou. É preciso modernizar a administração pública, instituindo canais de comunicação direta com a população. Fala-se muito em honestidade e competência, mas não há nenhum mecanismo, aplicado e em funcionamento, que receba reclamações ou denúncias e vigie a atuação do Prefeito e que possa, inclusive, processá-lo, caso cometa erros. E fazer isso de imediato, antes que o estrago seja maior. A implantação de um secretário do povo, com mandato da mesma duração do prefeito e que não pudesse ser dispensado por ele, que se encarregaria de tudo isso e da prestação periódica de contas, enfim, um “ouvidor”.
AS: - Qual foi a pior coisa na sua administração?
PR: - Não tem pior ou melhor. Tudo foi voltado para melhorar a cidade que era muito carente de tudo, não tinha nada, a não ser dívidas. Precisava-se organizar a cidade e é o que fizemos.
AS: - Quais seriam suas grandes obras?
PR: - Saneamento de águas pluviais; reurbanização; criação de pontos turísticos; sistema viário; anel cicloviário; transporte náutico; túneis de passagem; etc.
AS: - Fale um pouco de você e deixe um recado para seus eleitores.
PR: - Sou ubatubano e feliz em pertencer a esta sociedade. Tenho orgulho da nossa Ubatuba. Cresci aqui, meu comércio é aqui, toda a minha vida está aqui. Se a cidade está bem, eu também estou; se fica mal, eu também fico. Dói no meu coração ver nossa cidade assim, triste, deprimida, o povo sofrendo. Ubatuba não merece isso, precisa ser mais amada e mais cuidada e peço a Deus que nos ilumine nesta direção. Em primeiro lugar na nossa vida está Deus, logo após, a nossa família e a cidade onde moramos. Este sou eu: um apaixonado por Ubatuba e seu povo.