Capa da EdiçãoEditorialO CaiçaraOpiniãoInformáticaEstamos de Olho
ArpoandoTurismoCrônicas de NYCulturaPoliciaisEsporte

O Caiçara


Eventos na Cidade


Nesta última quinta-feira, foi liberada oficialmente a pesca do camarão, que todos os anos fica proibida de fevereiro até maio. A grande importância é que nestes meses os pescadores cadastrados recebem do Estado um salário mínimo, o que fica difícil para alimentarem a família. Com a volta da pesca, todos aumentam seus ganhos. Mas, poderia ser melhor. Estavam tentando programar para Ubatuba um festival do camarão que deveria ocorrer neste mês de maio, como acontece em Caraguá. Mas, por diversos motivos, o festival não aconteceu e não deverá acontecer mais. Só resta agora fornecer o crustáceo para Caraguá abrilhantar ainda mais a sua festa.
Ubatuba tem condições e pode realizar várias festas este ano. Acompanhamos uma bela tentativa de se criar um festival de palmito (pupunha), que também não aconteceu. Armaram vários shows para a temporada e carnaval; e de novo não aconteceu. 
O que será que acontece conosco? Falta de capacidade? Não acredito! Falta de idéias? Não acredito! Falta de vontade? Não acredito! Falta de verba? Pode ser! Mas, parece mesmo que é falta de interesse de quem deveria se envolver nestas festas ou, muitas vezes, a burocracia de documentos, a escassez de verbas e a falta de união para fazer um evento andar. 
Para se preparar um festival de camarão precisa-se da participação da grande maioria dos restaurantes da cidade. Para a realização de um festival de palmito, mesma história. E acaba não acontecendo!
Uns poucos participam de algumas reuniões para discussão de assuntos relacionados com a festa a ser organizada e a maioria fica só comentando o que as cidades vizinhas estão fazendo e porque não fazemos também. Temos festas que já viraram tradição, mas poderíamos e deveríamos ter mais. 
O que fazer para isto acontecer? Não podemos esperar tudo do poder público, temos que dar o pontapé inicial e solicitar-lhe colaboração e participação. Mas, para qualquer evento dar certo, precisamos da ajuda de todos. Com uma participação grande poderemos fazer vários eventos em nossa cidade. 
No meu entender, só falta uma coisa: união.Esta notícia traz esperanças para a temporada de junho. Já faz muitos anos que não temos um campeonato de surf que abra espaço na mídia e que traga para a cidade um grande volume de pessoas e de investimentos.
“A capital do surf” está apagada em termos de campeonatos de grande porte. Esta oportunidade que está sendo aberta tem que ser abraçada com firmeza e cabe a todos fazer o melhor possível para não perdermos de novo os grandes campeonatos. 
Uns, meio que especialistas no assunto, acham que o campeonato em si não traz grandes resultados financeiros num primeiro momento mas, em matéria de mídia, os ganhos são incalculáveis, pois as redes de TV, as revistas especializadas abrem bastante espaço para eventos de grande porte, o que acaba beneficiando a cidade em cadeia nacional e internacional, com um ganho na mídia que, se fossemos pagar, a conta seria muito alta. 
Não podemos perder esta chance de Ubatuba voltar para o circuito do surf, agora bem mais profissional que há poucos anos atrás. Esta é uma atividade que vem crescendo muito. Antigamente, os surfistas não eram olhados com bons olhos. Hoje, a evolução da categoria foi muito grande e, na sua grande maioria, são pessoas que se dedicam ao esporte como qualquer outro atleta. Se existe ainda uma visão diferente a respeito do surfista é de pessoa mal informada..
Josias Sabóia (Jija)