Capa da EdiçãoEditorialO CaiçaraOpiniãoInformáticaEstamos de Olho
ArpoandoTurismoCrônicas de NYCulturaPoliciaisEsporte

O Caiçara


Seu carro tem seguro? 


Você acha que seu carro está assegurado? Afinal de contas, você fez tudo certo, procurou um corretor, pesquisou preço, respondeu um questionário extenso, (normalmente, sem saber o porquê de tantas perguntas); o corretor, por sua vez, não avisa que o seguro que você está fazendo tem um tal de “perfil” e você sai dali certo que seu carro está assegurado, que, se houver um acidente, poderá escolher a oficina para arrumar seu carro, terá direito a guincho, transporte até sua residência. Tudo parece uma maravilha. 
Mas, sua mulher pega o carro para levar as crianças na escola ou você o empresta para seu irmão mais novo. Ele ou ela bateram-no. Ah! tudo bem! O carro tem seguro, só vou gastar com a franquia. Você aciona o seguro e a dor de cabeça começa: “quem bateu o carro foi seu irmão de 19 anos? O seguro não vai cobrir o acidente porque o senhor declarou que o motorista mais novo que dirigia o carro tinha 25 anos e, como o seu seguro foi feito com perfil, o senhor não está coberto.”
Começou a dor de cabeça que vai parar na Justiça e, depois de muitos anos, você poderá ter seu carro arrumado ou terá que bancar todo o prejuízo. Ou, como aconteceu comigo esta semana: tenho um carro assegurado por uma seguradora de um banco que renova este seguro há quatro anos, desde o dia em que o tirei da concessionária. Quando comprei o seguro, garantiram-me que poderia levar o carro em qualquer oficina. Esta semana, o carro sofreu um acidente na serra, acionei o seguro e, para minha surpresa, fui informado que não poderia mandá-lo para uma concessionária, pois ele tinha mais de dois anos. Se eu quisesse, teria que mandá-lo para uma oficina autorizada da seguradora. Não aceitei e informei que queria o carro na concessionária. Afinal, eu pago seguro do veículo há quatro anos e tenho direito a escolher a oficina. A atendente me informou gentilmente que ele iria para a concessionária mas a seguradora poderia não aceitar o ornamento e, para tirá-lo de lá, eu teria que pagar o guincho. O carro está na concessionária e ainda não sei o fim desta estória; mas, contei esta e a outra para chamar a atenção das pessoas, principalmente no caso deste tal de “seguro com perfil” que custa menos e depois não paga o carro.
Quando contratar um seguro, informe-se se tem perfil. Se tiver, pule fora, pois poderá ficar sem carro e os corretores nem sempre informam que estão fazendo seguro para o motorista e não para o carro. A única coisa que posso concluir a respeito desta falcatrua das seguradoras: se o carro é assegurado não importa quem bateu; se tem habilitação e está tudo em dia, o seguro deveria pagar. Mas, pelo visto, criaram seguro para o motorista e não para o carro.

Josias Sabóia (Jija)