Capa da EdiçãoEditorialO CaiçaraOpiniãoInformáticaEstamos de Olho
ArpoandoTurismoCrônicas de NYCulturaPoliciaisEsporte

Texto: Claudia Oliveira
Fotos: Claudia Oliveira/AS

Caçandoquinha,resquícios de uma raça

A praia, localizada na região sul de Ubatuba, gera controvérsias na cor-ruptela de seu nome de origem indígena: uns dizem que Perequê significa “praia” e outros afirmam ser “boca de barra”, sendo assim, podemos traduzir Perequê Mirim como: Pequeno Riacho ou Praia Pequena. Na verdade, a praia não é a menor do município; porém, faz jus ao nome quando comparada com a praia de Perequê-Açu, situada na região norte.
Alguns fatos, considerados históricos, como o primeiro teatro mambembe, teatro de fantoches e até cinema apresentado em super oito que apareceram no município, têm como marco as areias da pequena Perequê. O tempo passa e a vivência do lugar parece não ter espaço na memória dos mais jovens...
Havia um tempo em que a praia de águas calmas e paisagem encantadora era uma das mais bem freqüentadas de Ubatuba. Os primeiros raios de sol aqueciam as areias da praia e, com o amanhecer, as primeiras pessoas surgiam para realizar o seu habitual cooper ou tai-chi-chuan. Logo, apareciam os alugadores de caiaques, os primeiros a chegarem e os últimos a saírem; seguidos dos donos de barracas e, claro, dos turistas que disputavam um lugar na areia branca. Parecia uma grande festa. Todos se cumprimentavam. Os visitantes misturavam-se com os caiçaras, querendo saber de seus costumes e de sua alimentação e divertiam-se com a expressão verbal do lugar. Quando o caiçara fala: “- Eh! Peguei poco peixe hoje, eu!”, ele está dizendo que pegou muito peixe; “- Trouxe uma mistura que ai, ai, ai!”, trouxe um alimento muito bom para acompanhar seu arroz e feijão.
Sempre tranqüila e com inovações de lazer, Perequê Mirim oferecia o cenário ideal para as famílias. Lá, alugavam-se caia-ques, pedalinhos, veleiros, pára-chutes, enfim, todas as inovações da área náutica. Quem gostava de aventurar-se em um lugar pouco explorado, visitava a vizinha praia de Santa Rita. Antes, ela era quase deserta e o único acesso era por uma trilha, que inicia-se ao lado esquerdo da costeira da praia de Perequê Mirim, até hoje preservada.
O tempo passa... e a praia preserva os seus hábitos: as crianças andam de canoas, os homens jogam futebol ao final da tarde, as mulheres fazem suas caminhadas matinais e os pescadores lançam suas vidas ao mar em busca de alimento. Porém, a paisagem primitiva mistura-se ao um pequeno toque de modernidade. Hoje, a pequena Perequê abriga duas marinas náuticas em funcionamento e outras duas em construção. Assim, a praia preserva sua característica: a de sempre estar aportando as inovações do município.