Inicial Edições Anteriores Dicas de Lazer Expediente Capa desta Edição

Opinião

A CPI, a lona e o circo

por Dirceu Cardoso Gonçalves

 

 

A oposição reclama da presença de advogados dos acusados na sessão (secreta) da CPI do Cachoeira.

O presidente, senador Vital do Rego, justifica que os profissionais foram autorizados a participar em respeito ao direito constitucional de defesa. Tem razão o senador-presidente; os acusados precisam dispor de todos os meios de acompanhamento e defesa. Mas, afora isso, é importante lembrar que não há razão para a CPI correr em rito secreto, pois trata de crimes supostamente praticados no âmbito da administração pública e – o pior – com o desvio de dinheiro do povo. Logo, o povo, legítimo dono da bolada em questão, tem o direito de saber, nos mínimos detalhes, o que foi feito do seu patrimônio e quem são implicados na negociata.

Em vez de secreta, a CPI deveria ser aberta a todos os interessados em assisti-la pessoalmente, e televisionada para todo o país, num exemplo digno e claro do que pretendem seus membros. Não há motivo ético e nem justo para tomar sigilosamente os depoimentos sobre os crimes de lesa-pátria ali denunciados. Em vez de promover o anonimato, os deputados e senadores componentes da comissão, cumpririam muito melhor suas tarefas, escancarando para todo o território nacional e até para o mundo, toda a podridão apurada e, principalmente, os nomes e o nível de envolvimento de cada um de seus personagens. Não é hora de abafar para evitar escândalos. O escândalo já está deflagrado e, se não for desvendado como se deram os fatos e os reais envolvidos, o fardo cairá sobre as costas de toda a classe política.

 

"é importante lembrar que não há razão para a CPI correr em rito secreto, pois trata
de crimes supostamente praticados no âmbito da administração pública"

 

Não basta, ardilosamente, entregar ao sacrifício só a cabeça do senador Demóstenes Torres, transformando-o no clássico boi-de-piranha. Já é sabido por toda a população que existem outros parlamentares, governadores e dezenas (talvez centenas) de ocupantes de postos importantes na administração pública enredados pelo esquema de Cachoeira. Estabelecer o sigilo é - como diz o juiz federal Alberto Nogueira, do Rio de Janeiro – cultivar o segredo de polichinelo, escondendo do povo o que todos já sabem.

A CPI tem o dever e a oportunidade de acabar com o picadeiro, apurando todas as dúvidas levantadas pelas investigações do Ministério Público e da Polícia Federal, punindo os culpados e até dando a real oportunidade de defesa para os que tiverem boas explicações a fornecer. Tudo tem de ser feito às claras, sem subterfúgios para, ao final de tudo, o mal restar extirpado e conhecidos os nomes dos reais criminosos.

Depois de tantos conchavos que resultaram em impunidade, tanto em CPIs quanto em outros instrumentos de apuração e pré-apuração, as instituições governamentais e políticas restaram em frangalhos. Os políticos, com raríssimas exceções, não merecem crédito perante a população. O sigilo nas apurações sobre Cachoeira serve apenas para acentuar esse sentimento negativo, pois soa como mais um acordão pela impunidade. Ainda é tempo de consertar esse lastimável erro. Para tanto, a CPI precisa abrir imediatamente os seus trabalhos. Se não abrir, independente dos seus resultados, ficará para a população a certeza de que seus membros agiram mancomunados com os esquemas criminosos do bicheiro e sua quadrilha, e de que tudo não passou de uma reles encenação circense. Nem precisará da lona para cobrir.

Perdoem os circenses honestos, autênticos e puros, pela má comparação...

 

Nota: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assistência Social dos Policiais Militares de São Paulo). aspomilpm@terra.com.br

 

 

 

Editora Jornalística Verdes Vales - Jornal Campos do Jordão & Cia - jornaldecampos@uol.com.br

Av. Dr. Januário Miraglia, 1750 - loja 4 - CEP 12460-000 - Fones: (12) 3662.3090 - 3664.4368 - 3662.3506