Idealista, criativo, inseguro,
portador de uma bagagem cultural
mais sortida que profunda.
Tem todas as sonatas de
Beethoven, mas já foi
visto num karaokê,
dando tudo de si pra
impressionar a gatinha.
E conseguiu.

Não gosta de ser definida como
fêmea do gato; é uma fêmea
absoluta, acima das espécies
e das estrelas.
Curte Luiz Melodia,
acredita em batman,
sonha com números
e aposta tudo em
sexo bizzaro.

A gata apareceu primeiro, contrariando os cânones da Criação. O gato veio porque sentiu o cheiro. A gata tem plena consciência de ser gata, parte integrante do grande ciclo da boa vida. O gato é bem mais confuso, tem dificuldades em marcar seu território, mantém a guarda de um filho com uma ex (o famoso Messias), e de vez em quando dá uma dentro. Secretamente, é o Flying Cat e produz uma série interminável chamada Safira do Faraó.