ctrl+h [alt+h]ctrl+a [alt+a]ctrl+f [alt+f]ctrl+m [alt+m]ctrl+x [alt+x]ctrl+t [alt+t]
Site Web
Mac-e-Dúvida
Na "hora do show", qual produto se destacou?
iPod
iTunes
iTV
Filmes na iTMS
iPeroba
MP.Parcerias
Seja Atípico
Seja Atípico
MP.Giro
Atualizado em:
19/12/2007 10:35:17

Informação na Velocidade da Maçã Quinta, 27 de novembro de 2008

Apesar das negativas de Steve Jobs, iPod video é provável Print E-mail
23 Set 2005 às 09:10, por MacPress

Na opinião de Cliff Edwards, o fato de Steve Jobs, CEO da Apple, despistar a opinião pública do rastro de um possível modelo de iPod capaz de executar vídeos de forma alguma elimina essa possibilidade.

"Por anos o CEO da Apple dispensou a idéia de tocadores de vídeo portáteis, insistindo que ninguém quereria assistir vídeos em diminutas telinhas. Poucos meses antes do lançamento do iPod, em 2001, ele novamente desprezou a idéia de um aparelho desse tipo com a marca da Apple. Mas dois executivos de Hollywood dizem que a Apple manteve conversas com estúdios de cinema acerca do download de filmes para PCs. Enquanto Jobs pode estar mais interessado em desenvolver tal tecnologia para facilitar as coisas para o usuário de Macintosh poder assistir filmes em casa, as conversas geraram especulações de que o notoriamente misterioso Jobs irá eventualmente lançar um iPod video", escreve Edwards.

Ele lembra que em 2002, quando os tocadores musicais digitais Nomad, da Creative Technologies, e Rio, da Diamond Multimedia, eram os líderes do mercado, essas empresas batalhavam para ver quem tinha a melhor tecnologia.

Então a Apple entrou em cena, impulsionando o sonolento mercado dos 1,8 milhão de unidades vendidas em 2001 para perto de 30 milhões neste ano. Rapidamente, a Apple ganhou 85% do mercado ainda crescente através da combinação de grande hardware com grande software que tornou o download de músicas uma sensação com uma campanha de marketing multimilionária que convenceu o consumidor de que o iPod era o que havia de mais bacana desde o walkman Sony, analisa Edwards.

Segundo ele, o resultado foi que no mês passado o Rio morreu e a Creative permanece mergulhada no vermelho após investir milhões em propaganda numa tentativa frustrada de aumentar sua participação no mercado.

"De certa forma, o mercado de tocadores de vídeo portáteis parece bem similar ao mercado musical dos dias que precederam a entrada da Apple nele... Muitos analistas crêem que Jobs trará o download de vídeos digitais aos PCs domésticos e até à sala de estar antes de tratar dos tocadores portáteis. Talvez. Mas a concorrência não tem chance", opina Edwards. 
Notícias Relacionadas
ClassifiMac
©2003-2009 MacPress - Todos os direitos reservados.
Logotipos e marcas exibidos neste site são propriedade de seus detentores legais.
As opiniões expressas em artigos, colunas e comentários são responsabilidade dos respectivos autores e podem não refletir a opinião do MacPress.
Compatível com HTML 4.01/W3C
O MacPress gera RSS compatível
Gerenciado com Mambo Open Source
Retorna à Home do MacPress