ctrl+h [alt+h]ctrl+a [alt+a]ctrl+f [alt+f]ctrl+m [alt+m]ctrl+x [alt+x]ctrl+t [alt+t]
Site Web
Mac-e-Dúvida
Na "hora do show", qual produto se destacou?
iPod
iTunes
iTV
Filmes na iTMS
iPeroba
MP.Parcerias
Seja Atípico
Seja Atípico
MP.Giro
Atualizado em:
19/12/2007 10:35:17

Informação na Velocidade da Maçã Quinta, 27 de novembro de 2008

Valor de face: a Apple e a ressurreição de Steve Jobs Print E-mail
16 Set 2005 às 10:29, por MacPress

Há cerca de um ano um médico disse ao CEO da Apple, Steve Jobs, que um tumor cancerígeno em seu pâncreas o mataria em questão de meses. "É hora de começar a dar seus adeus", teria dito o médico.

Mais tarde, naquele mesmo dia, uma endoscopia revelou que o tumor poderia ser extirpado. Todavia, por um dia, o chefe da Apple e também da Pixar -- o mais bem sucedido estúdio de animação do mundo -- viu a morte diante de seu nariz. "A experiência parece tê-lo revigorado", escreveu o The Economist em sua edição impressa.

"Na semana passada, mais magro mas não diminuído, ele estava num palco em São Francisco dando um show (pois isso é o que os lançamentos de produtos Apple são) tão ofuscante e dinâmico quando jamais foi", diz o artigo.

Com 2 milhões de músicas vendidas por dia e uma participação no mercado de 82% -- Jobs calcula que sua loja de música online é a segunda maior do mundo, atrás apenas da Amazon.com -- e com 72% do mercado de tocadores musicais portáteis dominado pelo iPod, o recente lançamento do iPod nano pareceu ser para Jobs uma oportunidade de passar o recado de que sua abordagem da música portátil "baixável" parece ser devastadora.

"Para um homem que ajudou a inaugurar a era do computador pessoal em 1976 com o Apple I mas então teve que ver a Microsoft de Bill Gates monopolizar o mercado de sistemas operacionais para PC (o mercado da Apple para computadores hoje é menor que 3%), isso deve ser uma justificativa", diz o The Economist.

A elite digital do Vale do Silício, de Redmond (Microsoft), Tokyo (Sony), Seul (Samsung) e de outros lugares dão como certo que Jobs tem uma arma secreta que manterá o oba-oba em torno do iPod, segundo o artigo. Mas Hollywood e gravadoras estão cada vez mais temerosas. Estas, que não levaram Jobs a sério quando lançou o serviço musical iTunes em 2001, estão fartas de seu poder e o pressionam para elevar o preço único de US$ 0.99 por música em sua loja.

"Sem chance", diz o Economist. "A Disney, parceira de longa data da Pixar com quem Jobs rompeu relações ao se cansar do chefe anterior, agora tenta pavimentar o caminho de volta em seu favor... Para alguém cuja fama em grande parte deve-se à imposição de uma espetacular derrota à Microsoft de Bill Gates, tudo isso deve soar como um novo meio de vida, em cada aspecto".

O grande mérito da Apple, segundo seus entusiastas, é ainda estar viva e mais forte que nunca após décadas. Eles lembram que a empresa conseguiu esse mérito com seu próprio hardware e com o mais avançado sistema operacional do mundo, também dela própria. Nenhuma outra empresa do mundo da informática emergiu tão bem da negra era da hegemonia da Microsoft, apenas a Apple, gabam-se. 
Notícias Relacionadas
ClassifiMac
©2003-2009 MacPress - Todos os direitos reservados.
Logotipos e marcas exibidos neste site são propriedade de seus detentores legais.
As opiniões expressas em artigos, colunas e comentários são responsabilidade dos respectivos autores e podem não refletir a opinião do MacPress.
Compatível com HTML 4.01/W3C
O MacPress gera RSS compatível
Gerenciado com Mambo Open Source
Retorna à Home do MacPress